REFLEXOS HISTÓRICOS: POR QUE UMA AULA DE ARTE?

Palavras-chave: Legislação educacional, Ditadura civil-militar, História do ensino de arte

Resumo

O artigo procura discutir em que momento, como e por que o ensino de arte, chamado educação artística, no período ditatorial civil-militar passou a fazer parte do currículo escolar de forma obrigatória. De cunho qualitativo e análise documental, o estudo utiliza diferentes tipos de documentos como depoimento de professora que atuou no período, leis, pareceres, resoluções, propostas curriculares que explicitam concepções dos legisladores e das equipes de trabalho que os elaboraram, bem como diretrizes para o ensino da educação artística. O período histórico investigado reflete necessidades políticas, sociais e educacionais reivindicadas pela população e a influência acentuada dos acordos estabelecidos entre o Ministério da Educação e órgãos norte-americanos. Levanta questionamentos sobre problemáticas apresentadas pela reforma educacional de 1971 e apresenta alterações na organização da educação básica. A pesquisa mostra que diferentes interpretações dos legisladores determinaram enviesamentos na compreensão do papel da Educação Artística no processo educacional, seu lugar no currículo e a formação do profissional que deveria assumir sua docência.

Biografia do Autor

Maria Betânia e Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Educação pela UFMG. Mestre em Educação pela UFPE. Graduada em Artes Plásticas pela UFPE. Professora da Graduação e Pós-graduação em Artes Visuais da UFPE. Departamento Teoria da Arte e Expressão Artística

Referências

BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da arte. São Paulo: Perspectiva, 2010.

BARBOSA, A. M. (Org.). Inquietações e mudanças o ensino da arte. São Paulo: Cortez; 2002.

BRASIL. A Lei 5692 de 1971 e o Ensino de primeiro grau. Série Ensino Fundamental. Ministério da Educação e Cultura.

BRASIL. Bases para a reformulação de currículos e programas para o ensino fundamental. Ministério da Educação e Cultura. Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, v.10. Impresso por Gráfica Editora do Livro LTDA, Rio de Janeiro, [197?].

BRASIL. Ensino de 1º e 2º graus – Exposição de Motivos n.º273, de 30 de Março de 1971, do Exmo. Sr. Ministro da Educação e Cultura. Ministério da Educação e Cultura. Brasília.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 4024, 20.12.1961. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Federal de Educação.

BRASIL. Parecer nº 4833/75. Ministério da Educação e Cultura.

BRASIL. Parecer Conselho Federal de Educação nº 540/77 – CE de 1º e 2º graus. Aprovado em 10/02/77 (Processo s/n). Sobre o tratamento a ser dado aos componentes curriculares previstos no art. 7º da Lei nº 5692/71.

BRITTO, M. L. de A. Propostas e programas de ensino da Secretaria de Educação de Pernambuco de 1923 a 1992: primeiras aproximações do texto e do contexto. Revista Tópicos Educacionais, v. 11, n.1/2, 1993. p. 20-32.

CUNHA, L. A.; GÓES, M. de. O golpe na educação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2002.

FAZENDA, I. C. A. Educação no Brasil anos 60: o pacto do silêncio. São Paulo: Edições Loyola, 1988.

MARTINS, M. do C. As Humanidades em Debate: a reformulação curricular e a criação de novas disciplinas escolares. In: OLIVEIRA, M. A. T. de; RANZI, S. M. F. (Orgs.). História das Disciplinas Escolares no Brasil: contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, 2003. p. 141-170.

OLIVEIRA, M. A. T. de. Educação Física Escolar e Ditadura Militar no Brasil (1968-1984): entre a adesão e a existência. Bragança Paulista: EDUSF, 2003.

PERNAMBUCO. Diretrizes para implantação do ensino de primeiro grau. Secretaria de Educação e Cultura. Estado de Pernambuco. Recife, 1972.

PERNAMBUCO. Lei Federal nº 5.692 de 11 de Agosto de 1971. O município na lei Federal. Recife, 1997. Governo do Estado de Pernambuco.

PERNAMBUCO. Proposta Curricular. Ensino de 1ºgrau. Comunicação e Expressão. Recife: Governo do Estado de Pernambuco. Secretaria de Educação, 1981, 4. ed. v. 2.

REIS FILHO, D. A.; MORAES, P. de. 1968: a paixão de uma utopia. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1998.

SILVA, M. B. e. A inserção da arte no currículo escolar (Pernambuco, 1950-1980). 2004. 198 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

Publicado
2019-08-27