PIBID COMO EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO: PERSPECTIVAS DE PROFESSORES SUPERVISORES

Palavras-chave: PIBID, Experiência formativa, Inovação Pedagógica, Professores Supervisores.

Resumo

O Programa Institucional de bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) é uma experiência inovadora? Este questionamento subsidia o presente artigo que discute se o PIBID se configura como uma proposta inovadora a partir da perspectiva dos professores supervisores dessa iniciativa no estado Ceará. O estudo vincula-se a pesquisa em rede sobre Desenvolvimento Profissional Docente e Inovação Pedagógica, apoiada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal em Nível Superior (CAPES). Trata-se de um estudo qualitativo e empírico, que utiliza como procedimento de coleta de dados entrevista semiestruturada, realizada com trinta professores participantes do programa de diferentes áreas de ensino e localidades do estado do Ceará. Os resultados indicam que o PIBID fomenta práticas docentes inovadoras ao mesmo tempo em que aproxima a universidade da escola.

Biografia do Autor

Maria Mikaele Silva Cavalcante, Universidade Estadual do Ceará

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (PPGE-UECE). Graduada em Pedagogia pela mesma instituição. Atua profissionalmente no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), como técnica de referência. É pesquisadora colaboradora no Grupo de Pesquisa Educação, Cultura Escolar e Sociedade (EDUCAS). Desenvolve pesquisas na área de Educação, precisamente sobre formação de professores, permanência e evasão no magistério, desenvolvimento profissional docente, inovação pedagógica e políticas educacionais.

Maria Adriana Borges Santos, Universidade Estadual do Ceará

Cursando Doutorado em Educação pela UECE, é Mestre em Educação/formação de professores (UECE - 2016), Pós-graduação em Psicomotricidade ( UECE - 2011.1), possui licenciatura plena em Educação Física pela Universidade Estadual do Ceará (2009.1). Bolsista CAPES. É professora efetiva da rede municipal de Maracanaú. É integrante de dois Grupos de Pesquisa: Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Física Escolar - GEPEFE/UECE e Educação, Cultura Escolar e Sociedade - EDUCAS/OBEDUC/UECE. Membro da Sociedade Brasileira de Psicomotricidade - Capítulo Ceará. Atua principalmente nas seguintes áreas: Educação Física Escolar; Psicomotricidade; Saúde em ambientes escolares; Formação de professores.

Silvina Pimentel Silva, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (2008), com pós-doutorado pela UnB (2013), mestrado em Educação pela UFC (1992). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (1978). Atualmente é professora do curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) da UECE. Coordena o curso de Pedagogia do Parfor/UECE. É pesquisadora e membro do grupo de pesquisa Educação, Cultura Escolar e Sociedade - EDUCAS na qual desenvolve pesquisa sobre formação de professores e a relação ensino e pesquisa. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Administração de Sistemas Educacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão, formação de professores, estágio, pesquisa e ensino e didática.

Heraldo Simões Ferreira, Universidade Estadual do Ceará

Pós Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Humano e Tecnologias, área de Educação Física Escolar, na UNESP, em Rio Claro-SP, sob a supervisão da Profª Drª Suraya Darido (UNESP, 2016). Doutor em Saúde Coletiva (UECE, 2011), Mestre em Educação em Saúde (UNIFOR, 2005), Especialista em Psicomotricidade (UECE, 2001) e Professor de Educação Física (UNIFOR, 1992). Professor Adjunto da Universidade Estadual do Ceará desde 2003, lotado no curso de Educação Física (CCS/UECE), onde ministra as disciplinas de Educação Física Escolar e Lutas. Professor do Programa de Pós Graduação em Educação da UECE - PPGE (Mestrado e Doutorado em Educação). Docente e vice coordenador do Mestrado Profissional em Ensino da Saúde - CMEPES UECE. Coordena o curso de graduação em Educação Física (UECE/UAB). Coordenador da especialização de Artes Marciais, Esportes de Combate e Lutas (UECE). Faixa Preta de Karate 5º Grau (CBK/FCK). Atua nas seguintes áreas: Saúde na Escola, Educação Física Escolar, Lutas, Formação de Professores e Psicomotricidade.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A.; FERRAGUT, L.; GATTI, B. A.; GIMENES, N. A. S. Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2014.

ANDRÉ, M. E. D. A. O Pibid deveria ser transformado em política de formação de professores. Entrevista, realizado por Ricardo Prado. Revista Veras, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 67-77, jul./dez. 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. Decreto nº 7.219. Dispõe sobre o PIBID – Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília/DF, 24 jun. 2010.

BRASIL. Casa Civil. Lei n° 13.415 de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nºs 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. . Brasília, DF, 2007. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-1341516-fevereiro-2017-784336-publicacaooriginal-152003-pl.html>. Acesso em: 12 dez. 2017.

BRASIL.CAPES/PIBID. Relatório e dados, 2013. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/1892014-relatorio-PIBID.pdf. Acesso em: 25 ago. 2017.

CALDAS AULETE. Minidicionário contemporâneo da língua portuguesa. Caldas Aulete. 3 ed. Rio de Janeiro: Lexikon,2011.

FARIAS, I. M. S. de. Inovação, mudança e cultura docente. Brasília: Liber Livro, 2006.

FARIAS, I. M. S. de. O que move professores a aprender? Significados e implicações do Pibid na formação continuada. In: XI ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino; 2012, UNICAMP, Campinas. 2012. Anais [...] Campinas, ENDIPE, 2012.

FERREIRA, A. de M. A inovação nas políticas educacionais no Brasil: Universidade e formação de professores. 2013. 305 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

GARCIA, C. M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Portugal: Porto Editora, 1999.

GATTI, B. A. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, n. 100, p. 33-46, 2014.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. Tradução de Sandra TrabuccoValenzuela. São Paulo: Cortez, 2009.

LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Tradução Cristina Antunes; João Wanderley Geraldi. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

LÜDKE, M.; CRUZ, G. B. Aproximando universidade e escola de educação básica pela pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, p. 81-109, mai./ago. 2005.

MESSINA, G. Mudança e inovação educacional: notas para reflexão. Cadernos de Pesquisa, n. 114, p. 225-233, 2001.

MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

PIMENTA, S. G.; LIMA, S. L. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis. v. 3, n. 3 e 4, p.5-24, 2005/2006.

SIMIÃO, L. F. A formação docente compartilhada entre a universidade e a escola de educação básica: experiências vivenciadas no pibid. XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas: 2012. Anais [...] Disponível em: http://www.infoteca.inf.br/endipe/smarty/templates/arquivos_template/upload_arquivos/acervo/docs/0054s.pdf. Acesso em: 25 ago. 2017.

TANCREDI, Regina Maria Simões Puccinelli. Conferência - Políticas Públicas de Formação de Professores: o PIBID em foco. Revista Exitus, v. 3. n. 1, p.13-31, jan./jun., 2013.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 15. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

THERRIEN, J. Parâmetros de pesquisa científica do pesquisador de sua práxis docente – articulando didática e epistemologia da prática. In: XVII ENDIPE; 2014, Fortaleza. Anais [...] Fortaleza, ENDIPE, 2014.

Publicado
2019-08-27