O MST COMO SUJEITO EDUCATIVO: HISTÓRIA DO ASSENTAMENTO ROSELI NUNES, EM MIRASSOL D´OESTE-MT

Palavras-chave: Educação do campo, Assentamento Roseli Nunes, MST

Resumo

O presente trabalho apresenta uma reflexão acerca do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST, a partir das lutas que foram travadas historicamente, no Brasil, por terra e transformação social, e, de modo especial, do Assentamento Roseli Nunes, no município de Mirassol D’Oeste – MT. O objetivo deste artigo é fazer uma contextualização histórica do MST e do Assentamento Roseli Nunes, e buscar compreender este Movimento como um processo e sujeito educativo. Utilizou-se metodologia de pesquisa participante e a técnica da observação in loco. Os resultados mostram que a formação que se dá nas lutas e nos espaços mais especificamente educativos, a exemplo da escola, contribui, enormemente, para a construção de uma identidade dos trabalhadores do campo, identidade “sem terra”, assim como para se postular a superação do modelo de sociedade excludente e desumanizador em que vivemos. Nesse sentido, conclui-se que há necessidade de se fortalecer o campo como espaço de vida, de cultura e de trabalho e produção, de modo que a criança e o jovem tenham condições de permanecer neste espaço, junto às suas famílias.

Referências

ARROYO, M. Trabalho, educação e teoria pedagógica. In: FRIGOTTO, G. Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 138-165.

CALDART, R.S. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

CALDART, R.S. O MST e a escola: concepção de educação e matriz formativa. In: CALDART, R.S. (Org.) Caminhos para transformação da escola: reflexões desde práticas da licenciatura em educação do campo. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p. 63-83.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. O trabalho como princípio educativo no projeto de educação integral dos trabalhadores. In: COSTA, H. da; CONCEIÇÃO, M. Educação integral e sistema de reconhecimento e certificação educacional profissional. São Paulo: Secretaria Nacional de Formação - CUT, 2005. p. 19-62.

GOHN, M. da G. Movimentos Sociais no Início do Século XXI: antigos e novos atores sociais. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MACHADO, I. F. Educação do Campo. In: Educação do Campo: formação e desenvolvimento comunitário. Cáceres: Editora Unemat, 2011. p. 32-33.

RIBEIRO, M. Movimento camponês, trabalho e educação - liberdade, autonomia, emancipação: princípios/fins da formação humana. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

RIBEIRO, C. G. Educação do Campo e Economia Solidária: estudo de caso na Escola Estadual Madre Cristina Assentamento Roseli Nunes, Município de Mirassol do Oeste/MT. 2014. 56 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Especialização em Políticas Públicas, Participação e Controle Social do Estado. Universidade do Estado de Mato Grosso, 2014.

VENDRAMINI, C. R. Os desafios do MST na atualidade. In: Seminário Internacional de Educação Intercultural, Gênero e Movimentos Sociais, 2, 2003, Florianópolis. Anais [...] Florianópolis: UFSC, 2003. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2018.

ZART, L. L. Educação, Formação e Desenvolvimento do Campo. Educação do Campo: formação e desenvolvimento comunitário. Cáceres: Editora Unemat, 2011.

Publicado
2019-08-27