PARA ALÉM DA DIFERENÇA: UMA INTERVENÇÃO EDUCATIVA NÃO FORMAL NO ÂMBITO DA DEFICIÊNCIA MENTAL

Palavras-chave: Deficiência; Educação de Adultos; Autonomia; Competências de Vida.

Resumo

Este ensaio apresenta os resultados de um projeto de investigação/intervenção desenvolvido com jovens e adultos com deficiência em contexto de Centro de Atividades Ocupacionais, cuja finalidade se centrou na promoção de uma vida mais autónoma, ativa e participativa. Com base nas metodologias intrínsecas ao paradigma qualitativo interpretativo-hermenêutico e seguindo as diretrizes do método de investigação-ação-participativa, a intervenção baseou-se na dinamização de sete oficinas favorecedoras do processo de educação/aprendizagem dos participantes. Da análise dos resultados da intervenção, realça-se o contributo do projeto para a aquisição de competências promotoras do desenvolvimento de uma aprendizagem autónoma e do aprender a aprender ao longo da vida que possibilitou aos participantes a oportunidade de agir sobre os seus projetos de vida com vista à sua integração na comunidade.

 

Biografia do Autor

Maria Conceição Pinto Antunes, Universidade do Minho - Portugal

Departamento de Teoria da Educação, Educação Artística e Física Educação de Adultos e Intervenção Comunitária

Referências

ANNANDALE, E. The sociology of health and medicine: A critical introduction. Polity Press, 1998.

ANDER-EGG, E. Repensando la investigación-acción participativa. México: Editorial El Ateneo, 1990.

ANDER-EGG, E. Metodología y práctica de la animación sociocultural. Madrid: Editorial CSS, 2000.

ASSOCIATION, A. P. DSM-IV-R - Manual de Diagnóstico e Estatística das Doenças Mentais. 4. ed. Lisboa: Climepsi Editores, 2002.

ASSOCIATION, A. P. DSM-5 - Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais. 5. ed. Lisboa: Climepsi Editores.

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. Florianópolis: Editora da UFSC, 1998.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Edições 70, 2013.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 2013.

BOOTH, T.; AINSCOW, M.l. Guía para la educación inclusiva. Desarrollando el aprendizaje y la participación en los centros escolares. Madrid: OEI/FUHEM, 2015.

CORREIA, L. M. Inclusão e necessidades educativas especiais: um guia para pais e professores. Porto: Porto Editora, 2013.

ECHEITA, G. Educación inclusiva. Sonrisas y lágrimas. Aula Abierta, 46, p. 17-24, 2017.

GÂNDARA, R. A utilização das TIC como meio de aprendizagem na educação especial. 2013. 158 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Escola Superior de Educação João de Deus, Lisboa, 2013.

GUERRA, I. Fundamentos e Processos de uma sociologia da ação. O planeamento em ciências sociais. Cascais: Principia, 2002.

GONÇALVES, É. Efeitos de um programa de cultura geral numa população adulta com deficiência mental moderada. Lisboa: Secretariado Nacional de Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência, 1997.

HENRY, P.; MOSCOVICI, S. Problèmes de l'analyse de contenu. Paris: Didier/Larousse, 1968.

MANTOAN, M. T. É. Inclusão. In: Revista da Educação Especial, Secretaria de Educação Especial, Brasília, v. 4, n. 1, p. 7-17, jan/jun. 2008.

MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MORATO, P. P. Deficiência mental e aprendizagem. Lisboa: Secretariado Nacional de Reabilitação, 1995.

OMS. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. São Paulo: OMS, Serviços Linguísticos, 2011.

PARDAL, L.; LOPES, E. Métodos e técnicas de investigação social. Porto: Areal Editores, 2011.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 1992.

SANTOS, A. Inserção socioprofissional e empregabilidade da pessoa com deficiência: contributos das ofertas de formação. 2014. 205 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2014.

SANTOS, S. Alunos com dificuldades intelectuais na sala de aula: que educação? In: CORREIA, L. M. (org.). Educação inclusiva e necessidades especiais. Braga: Flora Editora, 2018, p. 101-120.

SERRANO, G. Elaboração de projectos sociais: Casos práticos. Porto: Porto Editora, 2008.

SOUSA, J.; CASANOVA, J. L.; PEDROSO, P.; MOTA, A.; GOMES, A. T.; SEICEIRA, F., FABELA, S.; ALVES, T. Mais qualidade de vida para as pessoas com deficiência e incapacidades - Uma estratégia para Portugal. Vila Nova de Gaia: Centro de Reabilitação Profissional de Gaia, 2007.

TRILLA, J. (coord.). Animação sociocultural. Teorias, programas e âmbitos. Lisboa: Editorial Ariel, 1998.

UNESCO. Recomendación relativa ao desarrollo de la educación de adultos. Nairobi, 1976.

UNESCO. World declaration on education for all. Jomtien, Tailândia, 1990.

VEIGA, S.; FERREIRA, E.; QUINTAS, S. Sentidos: Um projeto de educação social no âmbito da deficiência mental. In: Revista Ibero-americana de Educação. n. 63, p. 63-75, 2013.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas: Fundamentos de defectología. Tomo V. Madrid: Visor, 1983.

Publicado
2019-08-28