Profissionalização do magistério: do coletivo ao indivíduo, da transformação social à adequação dos sujeitos

  • Andréia Lopes Pacheco Vasques Universidade Estadual Paulista (UNESP)
  • Flavia Medeiros Sarti Departamento de Educação - Instituto de Biociências - UNESP - Rio Claro
Palavras-chave: formação de professores, profissão docente, discurso educacional

Resumo

Este artigo focaliza discursos referentes à formação de duas gerações brasileiras de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Com relação ao primeiro momento, entre o final da década de 1980 e início da década de 1990, procedeu-se o estudo de documentos relativos à proposta curricular do Projeto CEFAM/SP, o que revelou discursos que enfatizavam uma formação docente voltada para o trabalho coletivo e a atitude crítico-reflexiva. Já no segundo período, correspondente à geração de professores formada a partir da segunda metade da década de 1990, as propostas de formação docente (representadas por diretrizes, referenciais e decretos federais) são marcadas pela influência de organismos internacionais e por um viés econômico, seguindo uma direção pragmatista baseada em competências individuais, o que aponta para um enfraquecimento político do magistério, enquanto grupo profissional. Questiona-se, assim, a pertinência de se considerar o momento atual como sendo de profissionalização docente.

Biografia do Autor

Andréia Lopes Pacheco Vasques, Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Mestranda em Educação (Departamento de Educação do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP/Rio Claro). Pesquisas na área da formação de professores - linha de Pesquisa: Docência, práticas escolares e formação de professores.
Publicado
2011-11-30
Seção
Artigos