Registro de Práticas e Formação de Professores

  • Amanda Marques Faculdade de Educação da USP
  • Maria Isabel de Almeida Faculdade de Educação da USP
Palavras-chave: registro de práticas, documentação pedagógica, formação de professores, desenvolvimento profissional

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a contribuição da prática do registro nos processos de formação em serviço e desenvolvimento profissional do professor. Organiza-se em três partes: na primeira, explicitamos concepções de diferentes autores sobre nosso objeto (FREIRE, 1996; GUARNIERI, 2001; SÁ-CHAVES, 2004; WARSCHAUER, 1993, 2001; ZABALZA, 1994, 2004); na segunda, detemo-nos sobre a análise de registros diários produzidos por uma professora de Educação Infantil, procurando destacar elementos que indiquem a relação entre registro, reflexão e formação; ao final, indicamos a necessidade de caminhar do registro como postura individual ao registro como processo coletivo, como sugere a perspectiva da documentação pedagógica descrita em bibliografia italiana (BALSAMO, 1998; BENZONI, 2001; BORGHI, APOSTOLI, 2001; GANDINI, GOLDHABER, 2002). O registro pode contribuir para os processos de desenvolvimento profissional e organizacional, em uma escola reflexiva (ALARCÃO, 2002, 2003) e verdadeiramente pública porque se faz visível à sociedade via documentação das experiências que educadores e crianças constroem juntos (MALAGUZZI, 1999).

Biografia do Autor

Amanda Marques, Faculdade de Educação da USP
Doutoranda pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, bolsista CAPES e participante do GEPEFE – Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Formação de Educadores (FE-USP). Autora do livro Educação Infantil e registro de práticas. São Paulo: Cortez, 2009.
Maria Isabel de Almeida, Faculdade de Educação da USP
Doutora pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, professora da mesma instituição, e uma das coordenadoras do GEPEFE – Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Formação de Educadores (FE-USP).
Publicado
2011-11-30
Seção
Artigos