Representações sociais de pais sobre atuação de homens como educadores de crianças de 0-3 anos

  • Josiane Peres Gonçalves Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus de Naviraí
  • Adriana Horta de Faria Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus de Navirai
Palavras-chave: Representações Sociais. Educação Infantil. Pais. Homens Professores.

Resumo

Este estudo busca investigar as representações sociais dos pais e das mães de crianças matriculadas em turmas da Educação Infantil, com idade entre de 0-3 anos, sobre a atuação de homens como professores nessa etapa da Educação Básica. A abordagem teórica baseia-se em pensadores como: Scott (1998), que conceitua gênero como uma questão cultural; Louro (2012), que aborda sobre a profissão docente que passou a ser vista como feminina; Moscovici (1973), que afirma que as pessoas têm as suas atitudes baseadas nos valores e nas ideias predominantes na sociedade, entre outros. Foram feitas entrevistas semiestruturadas gravadas em áudio, que posteriormente foram transcritas e analisadas, com duas mães e dois pais de crianças com idade entre 0-3 anos, matriculadas em instituições de Ensino Infantil, na cidade de Naviraí-MS. Os resultados indicam que as representações sociais predominantes são de que a função do professor da Educação Infantil está intrinsecamente relacionada ao papel maternal e que há o receio de abuso sexual quando se trata de homem atuando com crianças desta faixa de idade. Percebe-se que o professor da Educação Infantil é visto pelos entrevistados mais como um cuidador de crianças do que como um professor educador.

Biografia do Autor

Josiane Peres Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus de Naviraí
Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Mestre em Psicologia Social e da Personalidade pela mesma instituição. Graduada em Pedagogia pela Universidade Paranaense (UNIPAR). Professora Ajunta III da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus de Naviraí. Líder do "Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação" - (GEPDGE).
Adriana Horta de Faria, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus de Navirai
Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus de Naviraí (UFMS/CPNV). Integrante do "Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação" - (GEPDGE). Bolsista de Iniciação Científica CNPq – PIBIC 1013/2014.
Publicado
2015-08-31
Seção
Artigos