A ESTUTURAÇÃO DA REDE URBANA DO NORDESTE PARAESE A PARTIR DAS INTERAÇÕES ESPACIAIS DAS REDES DE VAREJO

  • Karina Pimentel Santos Universidade Federal do Pará

Resumo

As interações espaciais não se resumem apenas aos fluxos de pessoas, informação, capital e etc., seu processo é caraterizado pela intensa relação entre áreas que estruturam e fortalecem uma rede urbana. Com isto, o presente trabalho vem buscando compreender o destaque das redes de varejo locais dentro da dinâmica de interações espaciais que fortalecem e estruturam a rede urbana do Nordeste Paraense. A pesquisa foi realizada nas cidades de Castanhal, Capanema e Bragança, centros de destaque na região que polarizam outras localidades ao entorno segundo os estudos da REGIC - Regiões de Influência das Cidades (IBGE, 2008), e ao analisar a atuação de algumas redes varejistas que atuam na região (e mantêm sede nessas cidades) foi identificado o papel fundamental das mesmas no processo de estruturação da rede urbana do Nordeste Paraense, já que elas atuam de forma estratégica e hierárquica, estabelecendo fortes interações entre os espaços a partir dos seus fluxos de mercadorias e informações. A presença das redes nos centros urbanos, principalmente de Castanhal, Capanema e Bragança, reforçam a centralidade e ajudam a estruturar o comércio, que atende sua população local e suas áreas de influência. Desta maneira, a atuação e articulação desses agentes econômicos, das redes varejistas, compõem a estrutura da rede urbana do Nordeste Paraense, a partir das suas interações e fluxos que conectam cidade.

Palavras-Chaves: Rede urbana, Interações espaciais, Redes varejistas.

Publicado
2019-08-02
Seção
Artigos