CENÁRIOS HIDROCLIMÁTICOS FUTUROS (2011-2040) PARA A REPRESA DE PARAIBUNA, SP, BRASIL: SUBSÍDIOS PARA A TRANSPOSIÇÃO ENTRE BACIAS HIDROGRÁFICAS

  • Rodrigo Cesar da SILVA Universidade de Taubaté
  • Gilberto FISH Universidade de Taubaté

Resumo

A crise hídrica em São Paulo nos anos de 2014-2015 gerou muitos conflitos pelo uso da água, visto que os totais de precipitação abaixo da normal climatológica impactaram diretamente os níveis dos reservatórios que abastecem a região. Neste contexto, a transposição das águas da bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul para o Sistema Cantareira, que abastece a Região Metropolitana de São Paulo foi proposta pelas autoridades para mitigar os impacto desta crise e abastecer sua população, sendo necessário analisar se a transposição proposta atenderá à sua demanda. Para investigar as condições futuras de quantidade de água da represa de Paraibuna, foram utilizados dados de simulação climática do modelo atmosférico global HadCM3/Eta, considerando o cenário SRES A1B do IPCC, para os períodos passado (1961-1990) e futuro (2011-2040). Os resultados estimam que até 2040 aumentará a demanda em 123% pelas águas da bacia hidrográfica da rio Paraíba do Sul, e em apenas 40% dos anos poderá ocorrer a transferência de água entre as bacias hidrográficas, sendo que na década de 2030 apenas em três anos esta transposição será viável. Isto demonstra a baixa efetividade da proposta e coloca em evidência a solução encontrada para a crise de abastecimento de São Paulo.

Biografia do Autor

Rodrigo Cesar da SILVA, Universidade de Taubaté

Possui graduação em geografia (licenciatura e bacharelado) pela Universidade de Taubaté, especializado em Gestão Ambiental pela Faculdade Anhanguera e Mestre em Ciências Ambientais pela Universidade de Taubaté. Atua como professor de ensino fundamental, médio e técnico e é pesquisador pela Universidade de Taubaté.

Gilberto FISH, Universidade de Taubaté

Possui graduação em Bacharelado em Meteorologia pela Universidade de São Paulo (1981), Mestrado em Meteorologia pela Universidade de São Paulo (1986) e Doutorado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1995), tendo realizado programa de estágio de doutoramento no exterior da CAPES (sandwich) no Institute of Hydrology em 1994. Atualmente é pesquisador titular do Instituto de Aeronaútica e Espaço (IAE) ligado ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) do Comando da Aeronaútica e professor doutor da Universidade de Taubaté (UNITAU). Participa, desde 1997, como professor colaborador no Programa de Mestrado e Doutorado em Meteorologia do INPE, responsável pelas disciplinas de Camada Limite Planetária e Micrometeorologia, tendo já orientado 14 alunos de Mestrado e 7 alunos de Doutorado. Participa também do Programa de Mestrado Profissionalizante em Ciências Ambientais da UNITAU desde 1999, na disciplina de Processos Atmosféricos e Variabilidade Climática e já orientou 15 alunos. Desde 2013 participa também da Pós Graduação em Ciência e Tecnologia Espacial no ITA como professor responsável pela disciplina Meteorologia Aeroespacial e já orientou 1 aluno de mestrado. Tem mais de 120 artigos publicados em revistas especializadas (com corpo editorial) nacional e internacional. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Meteorologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Amazonia, camada limite planetaria, clima, floresta e pastagem, radiossondagem, micrometeorologia, ciclo da água. modelagem atmosférica, perfil de vento, meteorologia aeroespacial. É lider de grupo de pesquisa em Meteorologia Aeroespacial do IAE/CTA desde 1993. Atua como revisor científico na Revista Brasileira de Meteorologia desde 1995, tendo sido editor chefe (2000-2002) e editor-assistente (2003-2010). É assessor científico da FAPESP, do CNPq, da FAPEAL, da CAPES e foi membro do Comite Assessor do CNPq (Area de Engenharia e Ciências Ambientais onde a Meteorologia está inserida) no período de 2011-2014. Realiza avaliação científica para as seguintes revistas científicas: nacionais: RBMET, RBAGRO, ACTA AMAZÔNICA, SCIENTIA AGRÍCOLA, PAB, BRAGANTIA, e internacionais: Atmospheric Environment, Agricultural Water Management, Geophysical Research Letters, Annales Geophysicae, Agricultural and Forest Meteorology. Participou de vários experimentos científicos (nacionais e internacionais) na Amazônia, tais como os Projetos ARME (1983-1986), ABLE ( 1985 e 1987), ABRACOS (1989-1995), LBA (1996 até o presente) e recentemento dos experimento GoAmazon 2014/2015 e ACRIDICON (2014). É pesquisador principal do projeto CHUVA (FAPESP). Foi membro do Grupo de Trabalho InterMinisterial sobre o Satélite Geoestacionário Brasileiro junto a AEB/MCT (2008-2012). É palestrante regular na Escola Superior de Guerra (ESG) sobre a temática de Mudanças Climáticas desde 2008. Participa do IPCC como "expert reviewer" para o 5 Relatório (AR5) e como autor colaborador do Painél Brasileiro de Mudanças Climáticas na questão de mudanças climáticas regionais futuras (Cap. 11 do GT1). É coordenador de projetos de pesquisa (Escoamento atmosférico no CLA) financiados com recursos da AEB e do CNPq e do Projeto PROESTRATEGIA da CAPES. Foi Chefe da Divisão de Ciências Atmosféricas do IAE/DCTA no período de Fev/2013 a Fev/2017.

Publicado
2019-08-20