O ESPORTE AMADOR COMO DEMARCADOR TERRITORIAL: O CASO DOS JOGOS ABERTOS DE SANTA CATARINA

  • Camila da Cunha Nunes Universidade Regional de Blumenau - FURB.
  • Marcos Antônio Mattedi Universidade Regional de Blumenau - FURB.

Resumo

A crescente centralidade do esporte na sociedade moderna revela que o esporte polariza o espaço em função das regiões mais desenvolvidas. O estado de Santa Catarina se caracteriza pela especialização e dispersão das atividades produtivas no território. No entanto, a dinâmica de espacialização observada no esporte amador possui uma lógica de territorialização própria e distinta do esporte profissional, e não acompanha a lógica de diferenciação espacial produtiva. A partir disso, este estudo procura investigar os JASC como vetor de territorialização esportiva. Para tal, realizamos uma pesquisa qualitativa de caráter bibliográfico, documental e exploratório. Para a análise dos dados coletados desenvolvemos uma análise contextual. As relações entre esporte amador e o território se exprime territorialmente. Mais precisamente, a rede do esporte amador catarinense é assimétrica territorialmente. Isto indica que há uma concentração espacial esportiva dos municípios litorâneos no que se refere à conquista do título geral dos JASC.

Biografia do Autor

Camila da Cunha Nunes, Universidade Regional de Blumenau - FURB.
Mestre em Educação pela Universidade Regional de Blumenau - FURB. Mestre em Desenvolvimento Regional pela FURB. Doutoranda em Desenvolvimento Regional pela FURB.
Marcos Antônio Mattedi, Universidade Regional de Blumenau - FURB.
Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Professor no Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Regional de Blumenau - FURB.
Publicado
2015-09-11
Seção
Artigos