ANÁLISE DA VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO SUSCETÍVEL A INUNDAÇÃO NA CIDADE DO ALEGRETE/RS

Resumo

Alegrete está entre os municípios do Rio Grande do Sul com grande recorrência de inundações na sua área urbana alocada às margens do rio Ibirapuitã. O conceito de vulnerabilidade remete à desigual exposição às ameaças, sendo as classes mais empobrecidas economicamente, que ocupam residências de mais baixo padrão e em terrenos mais expostos aos processos perigosos, são as mais afetadas. Para análise da vulnerabilidade das áreas afetadas por processos de inundação na área urbana de Alegrete, foram considerados características dos usos e atividades expostas, padrão das construções, além de informações socioeconômicas da população. Há uma grande significância entre distribuição da vulnerabilidade e tempos de retorno, onde a população mais vulnerável está sujeita a maior frequência de inundações. Contabiliza-se que 52% da população afetada por inundações em tempos de retorno igual ou inferior a 5 anos, está associada a um índice de vulnerabilidade, alta e muito alta.

Biografia do Autor

DANIEL JUNGES MENEZES, Secretaria do Patrimônio da União - Ministério da Economia - Governo Federal

Graduado em Geografia - Licenciatura Plena pela Universidade Federal de Santa Maria (2011). Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria (2014). Graduado em Geografia - Bacharelado pela Universidade Federal de Santa Maria (2015). Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria (2018). Possui capacitação para o desenvolvimento de atividades e operações associadas à utilização de SIGs e demais ferramentas de Geoprocessamento para obtenção e manipulação de dados espaciais. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geologia Ambiental, Cartografia e análise de áreas de risco, tendo participação em projetos de pesquisa e extensão vinculados ao Laboratório de Geologia Ambiental - LAGEOLAM/UFSM (2009 - 2019). Atuou como docente no ensino básico na modalidade EJA - Educação de Jovens e Adultos (2012-2014). Atuou como docente vinculado ao Estado do Rio Grande do Sul (2014). Atuou como colaborador na empresa Sustentasul Consultoria Ambiental na área de geotecnologias e Licenciamento Ambiental. Atualmente ocupa o cargo de Geógrafo na Secretaria do Patrimônio da União - Ministério da Economia, com atuação na área de Geoinformação.

LUÍS EDUARDO DE SOUZA ROBAINA, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Geologia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1984), mestrado em Geociências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1990), doutorado em Geociências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999) e Pós-Doutorado na Universidade do Porto, Portugal e na Universidade du Maine, Le Mans/França. Atualmente é professor/pesquisador colaborador do programa de pós-graduação em geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor titular da Universidade Federal de Santa Maria, do curso de geografia e do programa de Pós-graduação em geografia e geociências. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em estudos geomorfológicos, geoambientais e de desastres naturais.

Publicado
2021-05-25
Seção
Artigos