O uso de narrativas (auto)biográficas como uma possibilidade de pesquisa da prática de professores acerca da Educação (Matemática) Inclusiva

  • Fernanda Malinosky Coelho Rosa Doutoranda em Educação Matemática- Unesp/Rio Claro.
  • Ivete Maria Baraldi Docente do Departamento de Matemática – Faculdade de Ciências – UNESP – Bauru
Palavras-chave: Inclusão. Formação de Professores. Deficiência Visual.

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar algumas discussões sobre do uso de narrativas (auto)biográficas como fontes para a realização de pesquisas em Educação Matemática, tendo como pano de fundo considerações acerca da Educação (Matemática) Inclusiva. Ao longo do artigo, estes assuntos serão discutidos a partir de alguns trechos de memoriais de formação relacionados à pesquisa de mestrado de Rosa (2013) com a expectativa de esboçar como professores de Matemática se aproximaram da Educação (Matemática) Inclusiva e algumas de suas práticas nas classes especializadas ou inclusivas. Palavras-Chave: Inclusão. Formação de Professores. Deficiência Visual. Memorial de Formação.

Biografia do Autor

Ivete Maria Baraldi, Docente do Departamento de Matemática – Faculdade de Ciências – UNESP – Bauru
Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) – Campus Rio Claro/SP, Brasil. Docente do Departamento de Matemática – Faculdade de Ciências – UNESP – Bauru e docente e orientadora nos Programas de Pós Graduação em Educação Matemática (PPGEM – UNESP – Rio Claro) e Educação para Ciências (PPGEC – UNESP – Bauru)
Publicado
2015-12-14
Seção
ARTIGOS