AVALIAÇÃO DAS VULNERABILIDADES NATURAL, ANTRÓPICA E TOTAL E PERIGO À CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO UTIARITI NA CIDADE DE SINOP (MT), USANDO OS MÉTODO VAN E POSH.

Evaluation of natural, anthropic ans total vulnerabilities and danger to contamination of the Utiariti Aquifer in the city of Sinop (MT), Brazil, using the VAN and POSH methods

  • Alteredo Oliveira CUTRIM Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT – FAGEO- Faculdade de Geociências. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367 – Bairro Boa Esperança. CEP 78060-900. Cuiabá, MT. Endereço eletrônico: alteredoc@hotmail.com.Universidade Federal do Sul da Bahia – Reitoria. Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus – Vitória da Conquista, km 39, BR 415, Ferradas, CEP 45613-204, Itabuna-BA, endereço eletrônico: jasguimaraes7@gmail.com.Universidade Federal do Sul da Bahia-UFSB
  • Joana Angélica Guimarães da LUZ Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) – Reitoria. Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus – Vitória da Conquista, km 39, BR 415, Ferradas, CEP 45613-204, Itabuna-BA, endereço eletrônico: jasguimaraes7@gmail.com
  • Renato Blat MIGLIORINI Universidade Federal de Mato Grosso – FAGEO- Faculdade de Geociências. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367 – Bairro Boa Esperança. CEP 78060-900. Cuiabá, MT. Endereço eletrônico: rena@ufmt.br

Resumo

Esta pesquisa foi realizada na cidade de Sinop, estado de Mato Grosso e consiste da avaliação da vulnerabilidade e perigo à contaminação do Aquífero Utiariti, usando os métodos VAN e POSH. O método VAV estima as vulnerabilidades natural, antrópica e total. Foram estimadas as classes de vulnerabilidade natural: moderada, baixa e desprezível; as classes antrópicas: moderada, baixa e desprezível e as classes do VAN total: extrema, muito alta, alta, moderada e baixa. As classes de vulnerabilidade natural e antrópica são iguais, porém as classes de vulnerabilidade natural são distribuídas de modo continua e a antrópica de forma discreta devido aos tipos de usos do subsolo. O aquífero tem vulnerabilidade diferente da natural somente nos locais onde ocorre o uso do subsolo. Estes resultados mostram que em áreas onde ocorre ou ocorrerá o usa do subsolo deve-se empregar método de vulnerabilidade que estime o impacto desse uso sobre a vulnerabilidade do aquífero, visto que são dados importantes para elaborar planos de prevenção e de remediação à contaminação de aquíferos. Considerando que a vulnerabilidade total VAN é a vulnerabilidade mais real do aquífero, então o aquífero precisa de maiores cuidados nos locais de vulnerabilidades extrema, muito alta, alta e moderada.

Biografia do Autor

Alteredo Oliveira CUTRIM, Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT – FAGEO- Faculdade de Geociências. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367 – Bairro Boa Esperança. CEP 78060-900. Cuiabá, MT. Endereço eletrônico: alteredoc@hotmail.com.Universidade Federal do Sul da Bahia – Reitoria. Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus – Vitória da Conquista, km 39, BR 415, Ferradas, CEP 45613-204, Itabuna-BA, endereço eletrônico: jasguimaraes7@gmail.com.Universidade Federal do Sul da Bahia-UFSB

Professor aposentado da UFMT, Depart\mento de Geologia Geral. Professor visitante da UFSB de 2015 a 2017.

Joana Angélica Guimarães da LUZ, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) – Reitoria. Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus – Vitória da Conquista, km 39, BR 415, Ferradas, CEP 45613-204, Itabuna-BA, endereço eletrônico: jasguimaraes7@gmail.com

Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) – Reitoria. Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus – Vitória da Conquista, km 39, BR 415, Ferradas, CEP 45613-204, Itabuna-BA, endereço eletrônico: jasguimaraes7@gmail.com

Renato Blat MIGLIORINI, Universidade Federal de Mato Grosso – FAGEO- Faculdade de Geociências. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367 – Bairro Boa Esperança. CEP 78060-900. Cuiabá, MT. Endereço eletrônico: rena@ufmt.br

Universidade Federal de Mato Grosso – FAGEO- Faculdade de Geociências. Av. Fernando Corrêa da Costa, 2367 – Bairro Boa Esperança. CEP 78060-900. Cuiabá, MT. Endereço eletrônico: rena@ufmt.br.

Publicado
2021-10-18