POTENCIAL TÓXICO DE SEDIMENTOS DRAGADOS DAS BAÍAS DE SEPETIBA E DA GUANABARA (RJ) EM CENÁRIO DE DISPOSIÇÃO EM LATOSSOLO

Potential toxicity of dreged sediments from Sepetiba and Guanabara bays (RJ) in scenario of disposal in ferrasols

  • Aline Ribeiro Lessa FERREIRA Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Escola Politécnica & Escola de Química
  • Ricardo Gonçalves CESAR Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Departamento de Geografia
  • Danielle Martins de SIQUEIRA Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Departamento de Geografia
  • Ana Paula de Castro RODRIGUES Universidade Federal Fluminense, UFF. Departamento de Geoquímica
  • Mariana VEZZONE Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Departamento de Geografia
  • Christiane MONTE Universidade Federal do Oeste do Pará, UFOPA. Departamento de Geologia
  • Wilson Thadeu MACHADO Universidade Federal Fluminense, UFF. Departamento de Geoquímica
  • Zuleica Carmen CASTILHOS Centro de Tecnologia Mineral, CETEM/MCTI. Coordenação de Processos Minerais
  • Tácio Mauro de CAMPOS Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio. Departamento de Engenharia Civil.
  • Helena POLIVANOV Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Departamento de Geologia
  • Selma Gomes Ferreira LEITE Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Escola Politécnica & Escola de Química

Resumo

O descarte indiscriminado de efluentes domésticos e industriais tem degradado ecossistemas estuarinos do Estado do RJ. Ações de dragagem são comumente requeridas para recuperação destes ambientes, tornando importante a avaliação dos impactos associados à disposição terrestre de materiais dragados. O presente estudo trata da avaliação do potencial tóxico de sedimentos dragados da foz do saco do Engenho, do Canal de São Francisco (Baía de Sepetiba, RJ) e do Rio Meriti (Baía de Guanabara, RJ), em cenário de disposição em Latossolo. As concentrações de metais pesados nos sedimentos foram determinadas por ICP-OES, sendo também estimados os fatores de enriquecimento (FE). As doses de sedimento aplicadas ao solo variaram entre 0 e 40%, onde 0% = Latossolo puro. Bioensaios agudos com minhocas (Eisenia andrei) foram realizados nas misturas solo:sedimento conforme protocolo padrão (ASTM). A dose letal de sedimento a 50% dos organismos (CL50), expressa em % de sedimento adicionada ao solo, foi estimada através da análise de PriProbit. As concentrações de metais nos sedimentos estavam acima dos valores orientadores do CONAMA para disposição destes materiais em água e em solo, com exceção do sedimento do canal de São Francisco, cujos teores de metais estavam em conformidade para disposição em solo. O sedimento que mostrou maior toxicidade foi o oriundo do Saco do Engenho (CL50 = 13,06%), seguido da foz do Rio Meriti (CL50 = 14,60%) e do Canal de São Francisco (CL50 = 28,02%). Estes dados concordam com as crescentes concentrações de metais determinadas para estes materiais, sendo maiores para o sedimento do Saco do Engenho, seguido do Rio Meriti e do Canal de São Francisco. Além disso, os FEs de metais nos sedimentos do Saco do Engenho e na foz do Rio Meriti indicam a ocorrência de fontes antrópicas importantes de metais pesados para estas áreas. Por fim, os sedimentos dragados foram tóxicos às minhocas, e os valores orientadores da legislação precisam ser revistos à luz das propriedades das principais ocorrências pedológicas brasileiras.

Biografia do Autor

Aline Ribeiro Lessa FERREIRA, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Escola Politécnica & Escola de Química

Escola Politécnica & Escola de Química

Zuleica Carmen CASTILHOS, Centro de Tecnologia Mineral, CETEM/MCTI. Coordenação de Processos Minerais

Centro de Tecnologia Mineral, CETEM/MCTI. Coordenação de Processos Minerais

Universidade Federal Fluminense, UFF. Departamento de Geoquímica.

Publicado
2020-12-19