BOAT-GENERATED WAVES AND EROSION ON THE SHORE OF THE XINGÓ POWER PLANT RESERVOIR

Ondas geradas por barco e erosão nas margens do reservatório da Usina Hidroelétrica de Xingó

Resumo

Em ambientes fluviais, a velocidade da água depende de fatores importantes, como inclinação longitudinal, volume de água, formato do canal (seção transversal), rugosidade do leito e viscosidade da água, os quais afetam a velocidade em diferentes seções do canal em que flui. As ondas geradas por barcos apresentam uma distribuição complexa, com a formação de sistemas de ondas primárias e secundárias. O objetivo deste trabalho foi descrever os efeitos erosivos das ondas de embarcações de turismo nas margens dos lagos da usina hidrelétrica de Xingó, no nordeste do Brasil. A coleta de dados tomadas no local, bem como os dados dos sistemas de monitoramento ambiental, foram utilizados para determinar as características do lago, enquanto a altura das ondas foi calculada de acordo com os efeitos das ondas transversais e divergentes. O comportamento de propagação de ondas observado neste estudo, por si só, não pode ser responsável pela erosão nas margens e encostas do lago, uma vez que também está associado à presença de pistas de vento, atividades humanas, depósito de sedimentos transportados resultantes de operações na usina, bem como outros fatores. Os resultados confirmaram observações de que os barcos de turismo não causam erosão diretamente, uma vez que estão limitados a velocidades subcríticas, mas o vento parece estar diretamente relacionado a esse fenômeno.

Biografia do Autor

Francisco Sandro Rodrigues HOLANDA, Universidade Federal de Sergipe-UFS

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal do Ceará (1985), mestrado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras (1992) e doutorado em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (1996)/Purdue University e Pós-Doutorado pela Universidade de Wisconsin (EUA). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal de Sergipe, e lider do Grupo de Pesquisa em Gestão Hidroambiental do Baixo São Francisco. Tem experiência na área de Engenharia de Água e Solo, com ênfase em Conservação de Solo e Água, atuando principalmente nos seguintes temas: Bioengenharia de solos e demais técnicas de controle de erosão.

Lilian de Lins WANDERLEY, Universidade Federal de Sergipe-UFS/ Programa de Pós-Graduação em Geografia-UFS

Licenciada em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe (1971) e Bacharel em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe (1984), Mestra em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe (1988) e Doutora em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro/SP(1998). Pós- Doutora no PPGG da Universidade Federal do Ceará. Professora Associada da Universidade Federal de Sergipe e orientadora nos cursos de Graduação, Mestrado e Doutorado em Geografia. Docência em fotointerpretação, cartografia ambiental, pesquisa geográfica, geomorfologia e dinâmica ambiental, planejamento ambiental, zoneamento ecológico-econômico e ordenamento territorial. Atuação como Geógrafa em planos diretores municipais e de recursos hídricos, laudos e pareceres técnicos, licenciamento ambiental, estudos de expansão e dinâmica urbano-ambiental e impacto de vizinhança, saneamento ambiental e meio ambiente litorâneo. Na atuação como gestora pública coordenou o Projeto de Gerenciamento Costeiro de Sergipe de 1988 a 1998, foi Diretora do Departamento de Estudos Geográficos e Cartografia do IESAP-SE, Diretora de Recursos Minerais da CODISE-Companhia de Desenvolvimento Industrial e de Recursos Minerais/SE, Secretária Municipal de Turismo e Meio Ambiente de Estância-SE e Diretora de Gestão Ambiental da DESO-Companhia de Saneamento de Sergipe. Atualmente Coordenadora do Projeto CAPES/PGPSE/UFS; Sistemas Ambientais Costeiros e Ocupação Econômica do Nordeste; .Produção acadêmica consistente em livros, periódicos, relatórios e anais de eventos.

Luiz Diego Vidal SANTOS, Universidade Federal de Sergipe-Departamento de Engenharia Agronômica

Graduando de Engenharia Agronômica da Universidade Federal de Sergipe. Aluno pesquisador no programa PIBIC com o tema "Ajuste de Algoritmos para Análise da Correlação entre valores de MI e Umidade do Solo". Pós Graduando em Ciências da Propriedade Intelectual PPGPI

Igor Pinheiro da ROCHA, Universidade Federal de Sergipe-UFS/Laboratório de Erosão e Sedimentação LABES

Engenheiro Florestal, graduado pela Universidade Federal de Sergipe, onde também se titulou Especialista em Gestão de Recursos Hídricos, Mestre em Agroecossistemas e atuou como Professor Assistente e Pesquisador nos Departamentos de Engenharia Agronômica e Ciências Florestais, lecionando e conduzindo experimentos científicos nas disciplinas Física do Solo, Manejo e Conservação do Solo e da Água e Conservação da Natureza. Titulou-se Doutor em Engenharia Agrícola, na área de concentração Engenharia de Água e Solo, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Atualmente é membro do grupo de pesquisa em gestão hidroambiental do Baixo São Francisco, sediado no Laboratório e Erosão e Sedimentação da UFS. É autor de diversos artigos científicos e capítulo de livro publicados nos principais meios de comunicação científica nas áreas do conhecimento: Recuperação de Áreas Degradadas, Controle de Erosão; Manejo de Vegetação; Manejo e Conservação de Solos e Recursos Hídricos. Prestou serviços de Consultor Agronômico e Ambiental na Petrobras Transporte S.A. ? Transpetro (Espírito Santo), sendo responsável por analisar, projetar e fiscalizar obras de recuperação ambiental, estabilização de taludes, conservação do solo e da água e manejo de vegetação, elaborar mapas temáticos georreferenciados e atender condicionantes ambientais de processos de licenciamento, vinculados à Coordenação de Manutenção de Faixas de Dutos da Malha ES. Atualmente é Diretor da IP Sustentabilidade, atuando como Projetista em trabalhos de recuperação ambiental, reflorestamento e paisagísticos, Perito Judicial e Assistente Técnico em perícias de engenharia e como Consultor no licenciamento ambiental de empreendimentos rurais e urbanos.

Mairon Vinícius Santos OLIVEIRA, Universidade Federal de Sergipe-UFS/Departamento de Engenharia Agronômica-DEA

Estudante de Engenharia Agronômica

Alceu PEDROTTI, Universidade Federal de Sergipe-UFS/Laboratório de Erosão e Sedimentação LABES
Alceu Pedrotti é Engenheiro Agrícola (Unioeste, 1988) e Engenheiro Agrônomo (FAEM-UFPel, 1993), com Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas (FAEM-UFPel e CNPDIA-EMBRAPA, 1996) e Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas pela Universidade Federal de Lavras (UFLA, 2000). Atualmente é Professor Titular no Departamento de Engenharia Agronômica - DEA, da Universidade Federal de Sergipe - UFS. Atua como Docente e Orientador nos níveis de Mestrado e Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA, da UFS, em seu Campus de São Cristovão - Se. Atua como Líder dos Grupos de Pesquisa em Manejo do solo e Sustentabilidade registrados no CNPq e na UFS. Atua na área de Manejo do solo, com ênfase em Qualidade do solo, Sistemas conservacionistas e Plantas de Cobertura do Solo, além de aspectos de Sustentabilidade de explorações e sistemas agrícolas, em agricultura familiar e agronegócio. Atua como Consultor do INEP-MEC para IES e Cursos, Membro do Banco de Elaboradores e Revisores do ENADE do INEP-MEC da Área de Ciências Agrárias, da CAPES, do CNPq e diversas Fundações Estaduais de Fomento a Pesquisa, além de diversos periódicos nacionais e internacionais.  
Publicado
2021-03-24