ARGILAS DA FORMAÇÃO PARIQUERA-AÇU: GEOLOGIA, GEOQUÍMICA E SUA APLICAÇÃO COMO MATÉRIA-PRIMA CERÂMICA

Clays from the Pariquera-Açu Formation: geology, geochemistry and its application as ceramic raw material

  • Sergio Ricardo CHRISTOFOLETTI INSTITUTO FLORESTAL-SMA
  • José Francisco Marciano MOTTA
  • Eduardo Camargo MENEGHEL Instituto de Geociência/Pós graduação/Unesp - Rio Claro

Resumo

O presente trabalho teve como foco principal, estudar as fácies lacustres da Formação Pariquera-Açu como fonte de matéria-prima para a indústria cerâmica de revestimento, em especial na produção de porcelanato. Para alcançar os objetivos propostos, foi realizado o estudo geológico através do mapeamento e reconhecimento das litologias presentes, onde amostras foram coletadas e posteriormente encaminhadas para laboratórios para a realização das análises de Difração de raios X, Fluorescencia de raios X, capacidade de troca catiônica e caracterização tecnológica para uso como revestimento cerâmico. De acordo com os resultados obtidos, o conjunto litológico destas fácies é representado essencialmente por rochas argilosas e plásticas, apresentando composição essencialmente sílico aluminosa com alto conteúdo dos óxidos de SiO2 e Al2O3, onde predominam os minerais quartzo, microclínio e calcita e os argilominerais caulinita e illita. De acordo com os resultados tecnológicos, a maioria das amostras foram classificadas nos Grupos BIII (poroso) e BIIb (semi-poroso). Os baixos resultados de MRF á seco e de elementos fundentes das amostras estudadas, limitam seu uso como matéria-prima única na produção de revestimento cerâmico por via seca e úmida, porém algumas amostras apresentaram densidade aparente (DA) à seco elevada e cor de queima clara, o que permite utiliza-lá na composição de massas para a fabricação de porcelanatos esmaltados pelo processo de via úmida.

Palavras-chave: porcelanato, Formação Pariquera-Açu, Vale do Ribeira, matéria-prima cerâmica, litogeoquímica.

Biografia do Autor

Sergio Ricardo CHRISTOFOLETTI, INSTITUTO FLORESTAL-SMA

Instituto Florestal. Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Rua do Horto, 931. São Paulo – SP.

José Francisco Marciano MOTTA

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT,
Av. Professor Almeida Prado, 532, Cidade Universitária, CEP 05508-901, São Paulo, SP

Eduardo Camargo MENEGHEL, Instituto de Geociência/Pós graduação/Unesp - Rio Claro

Programa de Pós-graduação em Geociências e Meio Ambiente. UNESP Rio Claro.

Publicado
2022-05-25