POPULAÇÕES TRADICIONAIS NO NORTE DE MINAS GERAIS: SUAS RELAÇÕES, PLURALIDADES SOCIOESPACIAIS NO CAMPO, SABERES E FAZERES

  • Cássio Alexandre da SILVA Universidade Estadual de Montes Claros- UNIMONTES
  • Marcela Alves FONSECA Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES
  • Ana Ivania Alves FONSECA Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES

Resumo

O artigo apresenta a pluralidade étnico cultural e identidade sertaneja do norte de Minas Gerais nas suas relações socioespaciais no campo. São os indígenas, quilombolas e geraizeiros. Povos originários e Populações Tradicionais que diante da sua cultura ancestral .marcam. uma identidade constituída em práticas com a terra. O processo de territorialidades em suas vidas, apresenta-se cotidianamente. São as condições climáticas, intervenções e/ou conflitos com o Estado e outros interessados nas terras que fazem desses povos a condição de plural. As pluralidades apresentadas recriam distintas territorialidades, saberes e fazeres, economias e lógicas sociais no campo, uma relação diferenciada com o Desenvolvimento Social, o que não é comum na economia capitalista. A metodologia investiga literaturas históricas do vale do São Francisco, identificando e contrapondo os arranjos produtivos econômicos da atualidade sobre o cultivar. A oralidade sustenta os saberes e fazeres de muitas comunidades, assim, o levantamento de dados qualitativos aconteceu através de visitas de campo e encontros de associações locais e regionais. Entendemos que essas relações socioespaciais ao longo de décadas ou até mesmo seculares, mantêm .viva. a cultura identitária sertaneja, dos saberes e fazeres dos índios, negros de quilombos e geraizeiros.

Biografia do Autor

Cássio Alexandre da SILVA, Universidade Estadual de Montes Claros- UNIMONTES
Departamento de Geociências/UNIMONTES Programa de Pós-Graduação em Geografia-PPGEO/UNIMONTES
Publicado
2018-11-16