PAISAGEM, LUGAR E CENA EM A FALTA QUE ME FAZ

  • Helena GOMES Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Resumo

Os arranjos espaço-territoriais são construídos em um cotidiano que é vivido nas relações dos sujeitos habitantes com os variados meios. Por hora, refletir sobre a paisagem, aqui, envolve um certo exercício de transgressão disciplinar. Será possível pensar na imagem da paisagem, em seu transporte para a cena de um filme, ou melhor, sua construção em cena? Penso em como o lugar se constrói no filme “A falta que me faz”. Como se dão os encontros formadores de uma possível partilha? Dissensos, hesitação e partilhas: afetos compartilhados em uma proximidade alcançada pelos corpos que coabitam a imagem. Proponho, nesse caminhar, um deslocamento, da paisagem como uma cena. Ela é aqui vista como um espaço de coabitação. Por trazerem em seu corpo o processo do qual elas se constroem, as imagens do filme tomado apresentam dimensões significantes do sentido de mundo vivido no local que se coloca em cena; processos não cartografados de maneira convencional. Na análise, o conceito de paisagem é trazido para se pensar o local que ela abriga, transformando-o em lugar para os personagens, e em um segundo nível, construindo-o como um lugar em cena.

Biografia do Autor

Helena GOMES, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Bolsista CAPES. Pesquisadora do Projeto República, do Núcleo de Pesquisa, Documentação e Memória do Departamento de História - UFMG.

Publicado
2020-09-14
Seção
Artigos