A EVOLUÇÃO DA ESTRUTURA URBANA CATARINENSE

  • Sergio Roberto GOUVEIA

Resumo

Uma característica importante e peculiar da atual rede urbana catarinense é o tamanho de suas cidades. Santa Catarina é o único Estado cuja maior cidade não é a capital. Se por um lado esta situação é o resultado evidente da falta de dinamismo interno dos principais núcleos urbanos do Estado, no que concerne à formação de metrópoles, por outro lado, produz uma invejável situação de equilíbrio entre as maiores e as menores cidades. Nenhum outro Estado da Federação possui uma rede urbana tão equilibrada, sem os percalços das aglomerações gigantes ao redor da capital. A vinculação das cidades catarinenses ao espaço de relações de Porto Alegre ou Curitiba, aliada à fraca integração leste-oeste do território estadual explicam, em boa parte, esta situação de equilíbrio da rede urbana, hoje considerada desejável. E importante o estabelecimento deste tipo de causalidade entre o crescimento das metrópoles vizinhas e o equilíbrio de Santa Catarina, na medida em que o natural crescimento de Florianópolis tenda a disputar a polarização com as já citadas metrópoles, trazendo para o interior de seu espaço, junto aos eventuais benefícios e vantagens de aglomeração, os problemas graves e urgentes do ponto de vista urbanístico, social e de qualidade de vida ainda não estabelecidos aqui.

Biografia do Autor

Sergio Roberto GOUVEIA

Geógrafo, com pós-graduação em Planejamento Regional e Urbano pelo Propur/ UFRGS, técnico do Conselho Estadual de Recursos Hídricos de Santa Catarina.

Publicado
2020-03-26
Seção
Artigos