CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E ECOTURISMO NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOURADA, GOIÁS

Resumo

Solos em Unidades de Conservação (UC) podem apresentar fragilidades naturais que potencializadas pelo uso público resultam em degradação. Entretanto, poucos são os estudos que relacionam os atributos do solo com condições restritivas de uso, como propensão à erosão. O presente estudo teve como objetivo verificar os atributos morfológicos e físicos dos solos no Parque Estadual da Serra Dourada para estabelecer relações com o uso público e auxiliar no planejamento do uso sustentável. Foram identificados Cambissolos e Neossolos Litólico e Regolítico situados em encosta íngreme com presença de cascalho na superfície. A fragilidade natural dos solos de textura arenosa, presentes no terço superior da encosta, é agravada pela declividade acentuada e escassa cobertura vegetal, onde processos erosivos intensos são favorecidos. O uso público turístico da área requer minucioso planejamento, pois a ocorrência de processos erosivos pode comprometer severamente tanto a recarga dos aquíferos subterrâneos quanto a trafegabilidade das vias de acesso.

Biografia do Autor

Renata Santos Momoli, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Formada em Engenharia Agronômica pela ESALQ/USP (1994), possui mestrado (2006) e doutorado (2011) em Solos e Nutrição de Plantas pela ESALQ/USP, atualmente é professora no Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás - IESA/UFG. 

Vladia Correchel , Universidade Federal de Goiás (UFG)

Graduação em Agronomia pela UFLA (1996), mestrado em Agronomia (Solos e Nutrição de Plantas) pela USP/ESALQ (1998) e doutorado em Ciências (Energia Nuclear na Agricultura) pela USP/CENA (2004). Atua na Escola de Agronomia da UFG desde 2006, sendo atualmente professora associado Iv.

Karla Maria Silva de Faria, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Geógrafa, Drª. Docente no Instituto de Estudos Socioambientais (IESA) da Universidade Federal de Goiás (UFG)

Aline Bentes Pinto, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Graduada em Geografia (Bacharelado) pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

Jéssica Castro Mota, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Graduação em andamento em Ciências Ambientais pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

Publicado
2021-08-26
Seção
Artigos