QUALIDADE DAS ÁGUAS ESTUARINAS DO RIO PARÁ NA ZONA PORTUÁRIA DE VILA DO CONDE (MUNICÍPIO DE BARCARENA/PARÁ)

Resumo

O Complexo Portuário de Vila do Conde está situado nas imediações do rio Pará. Este trecho é caracterizado por morfologia rebaixada e planícies arenosas curtas. O clima é tropical chuvoso de tipo Afi, com chuvas (média mensal de 336 mm), ventos do NE (média diária de 1,06 m/s-1), a meso-maré atinge 3,4 m de altura e correntes de até 1,8 m/s. Este artigo objetiva avaliar a qualidade das águas estuarinas do rio Pará (Vila do Conde), utilizando IQA, parâmetros físicos e químicos. Realizou-se 5 campanhas de amostragem, duas no período chuvoso, uma no período de transição e duas no período seco, em 7 estações (nas imediações do Porto), nos instantes de vazante e enchente. Os procedimentos foram realizados de acordo com os métodos delineados no Guia nacional de coleta e preservação de amostras, SMEWW e US EPA. As variáveis permitiram inferir que, em média, as águas estuarinas apresentam melhores valores de IQA na maré vazante (PVCAS01VAZ = 37, PVCAS02VAZ = 39, PVCAS03VAZ = 41, PVCAS04VAZ = 39. PVCAS05VAZ = 40, PVCAS06VAZ = 39, PVCAS07VAZ = 40). Ratificando esta tendência, mensurou-se (média) menores e maiores concentrações de CTT (71 a 1559 NMP/100 mL-1) e OD (7,35 a 7,59 mg/L-1), respectivamente, na maré vazante.

Biografia do Autor

Danilo Patrick Moraes Ferreira, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Bacharel em Química e Mestre em Recursos Hídricos (ambos na Universidade Federal do Pará). Especialista em Cromatografia Iônica e know-how em espectrofotometria, potenciometria e espectrometria de massas com plasma indutivamente acoplado.

Bruno Santana Carneiro, Instituto Evandro Chagas (IEC)

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal do Pará(1999), mestrado em Geologia e Geoquímica pela Universidade Federal do Pará(2003) e doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio de Janeiro(2018). Atualmente é Pesquisador do Instituto Evandro Chagas. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geologia. Atuando principalmente nos seguintes temas:qualidade da água, Nitrato.

Luis Carlos Amaral Marques, Instituto Evandro Chagas (IEC)

Mestre em Ciências Ambientais pela Universidade do Estado do Pará (2014), graduado em Bacharelado em Engenharia Ambiental pela Universidade do Estado do Pará (2009). Atua, desde 2017, como Analista de Projeto de Monitoramento de Qualidade de Água, no Instituto Evandro Chagas (IEC). Atua também, desde 2014, como docente nos cursos de Engenharia Ambiental e Sanitária, e Engenharia Civil, da Faculdade UNINASSAU-Belém.

Maâmar EL-Robrini, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Mestre em Physiographie des Océans et des Littoraux (1982) e Doutorado em Geologia Marinha - Université de la Sorbonne Paris IV/ Paris IV (1986). Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal do Pará, Vice-Diretor da Faculdade de Oceanografia, Ministra disciplinas de Graduação (Faculdades de Geologia, Engenharia Naval e Oceanografia) e de Pós-Graduação (Engenharia Naval, Oceanografia e Recursos Hídricos). Coordenada o Grupo de Estudos Marinhos & Costeiros (GEMC/CNPQ) e o Laboratório de Geologia Oceânica (LAGEOC). Tem experiência nas áreas de Oceanografia, Geologia/Geofísica Marinha, atua nas seguintes áreas: Zona Costeira Amazônica, Zona Econômica e Exclusiva Brasileira, Margem Continental Equatorial e Mediterrânea. Participou do LEPLAC III e IV, AMASSEDS, JOP´S, PROARQUIPÉLAGO. Coordenou o Programa REVIZEE, REMPLAC, Projeto Adaptation to Sea Level Rise in the Amazon Delta. Atualmente: Instituto Nacional de Energias Oceânicas (INEOF - Membro Gestor), Coordenador de Projetos: Sedimentação do Talude Continental Equatorial, Instabilidade dos Fundos (Mar Mediterrâneo), Orlas Fluviais/Oceânicas.

Publicado
2022-05-30
Seção
Artigos