LÓGICA FUZZY NA MODELAGEM DA DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA

  • Jocimara Souza Britto LOBÃO Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Raquel Matos Cardoso VALE

Resumo

A desertificação deriva, sobretudo, do uso massivo das terras em domínios morfoclimáticos sazonais. A Bahia possui 393.056 km2, mais de 69% de seu território no semiárido, o que a insere nas Áreas Suscetíveis à Desertificação/ASD’s, devendo elaborar políticas públicas de mitigação ao processo. Imbuído nessa premissa, este estudo objetiva identificar áreas que apresentem vulnerabilidade à desertificação. Foram utilizadas imagens Spot Vegetation e MODIS, dados de uso agropecuário e classes de vegetação e de solos; analisados e integrados pelo modelador Lógica Fuzzy. Nos mapas produzidos foram selecionados quatro Pólos, para estudos focais, com padrões ambientais de degradação mais aguda, nos quais foram identificadas áreas críticas. Estas atingem 12.894 km2 de superfícies dotadas de tipologias de paisagens com forte potencial para estar desenvolvendo desertificação

Biografia do Autor

Jocimara Souza Britto LOBÃO, Universidade Estadual de Feira de Santana
Graduada em Geografia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2003), especialista em Modelagem em Ciências da Terra e do Ambiente (UEFS, 2005), mestra em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (2006) e doutora em Geografia na Universidade Federal de Sergipe (2010). Atualmente é professora da UEFS e coordena o Laboratório de Geoprocessamento do curso de Geografia. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em geotecnologias, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino e Novas Tecnologias, Geoprocessamento e Análise Socioambiental e Ordenamento Territorial.
Publicado
2013-06-09
Seção
Artigos