UTILIZAÇÃO DAS BASES DIGITAIS GEORREFERENCIADAS DO IBGE PARA A PRODUÇÃO DE MAPAS TEMÁTICOS: UMA CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA

  • Barbara -Christine Nentwig SILVA UCSAL
  • Araori Silva COELHO UFBA

Resumo

Este trabalho tem como objetivo levantar as bases cartográficas digitais, vetoriais e georreferenciadas, disponíveis no site do IBGE e fornecidas gratuitamente, para a construção de cartas temáticas, em ambiente SIG. As bases digitais abrangem o Brasil em diversos níveis político-administrativos, tanto em sua totalidade territorial, como em Grandes Regiões, Unidades da Federação, Mesorregiões e Microrregiões, Municípios, Regiões Metropolitanas e Setores Censitários rurais e urbanos. As bases digitais referem-se ao ano 2001, sendo disponíveis, ainda, malhas para os anos 1991 e 1994, apenas com os municípios e, para o ano 1997, com meso, microrregiões e municípios. Para municípios com mais de 25 mil habitantes em 1997, existem malhas dos setores censitários urbanos do distrito sede, totalizando 1.058 cidades no Brasil. Do ponto de vista metodológico, foram elaborados fluxogramas que orientam como capturar e usar as malhas digitais, em formato shape, cujos polígonos são vinculados a uma tabela de códigos do IBGE, essencial para futuros acréscimos de dados. Como resultado, são mostrados exemplos escolhidos desta construção, visando a produção de mapas temáticos em diferentes níveis de detalhamento, e comentários destacando o potencial e as dificuldades de cada pacote oferecido pelo IBGE. Palavras-chave: Bases cartográficas digitais; Internet, IBGE.
Publicado
2008-07-16
Seção
Artigos