REPRESENTAÇÕES ESPACIAIS: MAPEANDO OS SABERES VERNACULARES ACERCA DAS PAISAGENS RURAIS

  • Nicolas FLORIANI UEPG
  • Salete KOZEL
  • Dimas FLORIANI

Resumo

Os esquemas vernaculares de avaliação dos limites e potencialidades produtivos dos agroecossistemas mantêm uma relação de correspondência entre a categoria social dos agricultores familiares e suas práticas com a natureza. Esta relação, por sua vez, alicerça-se numa base cognitiva que combina racionalidade e subjetividade, isto é, fruto da herança coletiva dos saberes construídos em interação com a natureza. Tal dinâmica interativa retro-alimenta (informa) o sistema cognitivo, direcionando e adaptando o sistema de práticas agrícolas. Nesse sentido, o entendimento da estrutura do sistema cognitivo vernacular está em função de três elementos principais: i) as representações de natureza (paisagem e terras), ii) as práticas agrícolas, e iii) as particularidades geoecológicas das paisagens. Mediada pelo recurso iconográfico, o estudo da representação espacial das qualidades produtivas das paisagens permitiu a decodificação dos valores simbólicos aderidos ao sistema de práticas (saberes e técnicas), constituindo uma modalidade privilegiada de compreensão da estrutura dos mapas cognitivos vernaculares que traduzem a reorganização dos territórios da agricultura familiar de base ecológica em Rio Branco do Sul, Brasil. Palavras-chave: Representação espacial. Mapas cognitivos. Sistemas de práticas. Paisagem rural. Agroecologia.
Publicado
2009-11-02
Seção
Artigos