AVALIAÇÃO DE APLICATIVO QUE TRABALHA CONTEÚDOS DE FILOSOFIA E SUAS RELAÇÕES COM O ENSINO

Palavras-chave: Aprendizagem móvel, Smartphone, Ensino de Filosofia

Resumo

O objetivo deste trabalho consiste em avaliar as condições técnicas e as potencialidades didático-metodológicas do aplicativo Quiz Filosófico, o qual foi desenvolvido para smartphone e tematiza conteúdos da história da filosofia, para fortalecer o processo de ensino-aprendizagem na disciplina de filosofia no âmbito do Ensino Médio. Através de uma revisão da literatura, busca-se descrever as características e potencialidades deste aplicativo e a percepção de sua possível aplicabilidade, ou não, na perspectiva da escolarização de nível médio. Como conclusão, destacamos que este recurso digital apresenta limitações de conteúdo filosófico e talvez não seja um recurso essencial para apoiar o desenvolvimento da experiência primordial do filosofar com estudantes do Ensino Médio em sala de aula, embora possa servir para atividades extraclasse.

Referências

ABEGG, I.; COLUSSO, L. F.; FREITAS, L. O. Utilização de checklists para avaliação de objetos de aprendizagem sob a perspectiva do Acesso Universal e Usabilidade. In: Congresso Nacional De Ambientes Hipermídia Para Aprendizagem, 6. 2013 João Pessoa. Anais [...] João Pessoa, 2013.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Parte IV – Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, 2000.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoria crítica dela enseñanza: investigación-acción en la formación del profesorado. España: Matínez Rocca, 1988.

CASTELLS, M. A Galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

CASTELLS, M. A Sociedade em rede. São Paulo, Paz e Terra, 1999.

COUTINHO, C. et al. Investigação-AÇÃO: metodologia preferencial nas práticas educativas. Psicologia, Educação e Cultura, Portugal, 2009, v. 13, n. 2, p. 455-479.

ELLIOTT, J. What is Action-Research in School?. Journal of Curriculum Studies, London, ENG, v. 10, n. 4: 335-3377, 1978.

FELDMAN, A.; CAPOBIANCO, B. Action Research in Science Education. ERIC Clearinghouse for Science, Mathematics, and Environmental Education . October 2000. Disponível em: http://www.ericse.org/digests/dse0001.html. Acesso em: 30 set. 2002.

GOUVEIA, L.; GAIO, S. (org.). Sociedade da Informação: balanço e oportunidades. Portugal, Edições Universidade Fernando Pessoa, 2004.

KEMMIS, S.; MCTAGGART, R. Como planificar la investigaciónacción. Barcelona: Editorial Laertes, 1987.

MASSCHELEIN, J.; SIMONS, M. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

MORAN, J. M. Tablets para todos conseguirão mudar a escola? Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp- ontent/uploads/2014/03/ tablets.pdf. Acesso em: 10 jun. 2017.

SIQUEIRA, J. R. Programação do Pocket PC: com eMbedded Visual Basic. São Paulo: Novatec, 2005.

SOUSA, P. de T. C. de. Metodologia de análise de redes sociais. In: MUELLER, S. P. M. (org.). Métodos para a pesquisa em Ciência da Informação. Brasilis: Thesaurus, p. 45-60, 2007.

UNESCO. Diretrizes de Políticas para a Aprendizagem Móvel. Open Access. Brasília, 2014.

VIEIRA, S. L. Política(s) e Gestão da Educação Básica: revisitando conceitos simples. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - periódico científico editado pela ANPAE, v. 23, n. 1, p. 53-69, jan./abr. 2007. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/19013/11044. Acesso em 25 fev. 2017.

Publicado
2020-06-30