RELAÇÕES DE GÊNERO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: A PRESENÇA DAS MULHERES

Palavras-chave: Educação Profissional, Gênero, Divisão Sexual do Trabalho

Resumo

Por meio da Resolução nº 6/12, as atuais Diretrizes Curriculares para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio apontam o reconhecimento das identidades de gênero como um dos princípios que norteiam os cursos técnicos. Esse reconhecimento alicerçou a pesquisa que se desenvolveu no Instituto Federal de Sergipe (IFS), entre os anos 2017 e 2018. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica que aborda as relações de gênero na educação profissional e tecnológica. Para sua realização, contou-se com o aporte teórico dos estudos acerca da educação profissional, relações de gênero e divisão sexual do trabalho. No IFS, o número de mulheres nos cursos integrados na área de Indústria e de Informática ainda é pequeno, mas sinaliza contestação aos preconceitos de gênero. Há necessidade, pois, de realizar ações em prol da igualdade entre homens e mulheres.

Referências

ABRAMO, L. A situação da mulher latino-americana. In: DELGADO, D. G.; CAPPELIN, Paola; SOARES, Vera. (org.). Mulher e trabalho: experiências de ação afirmativa. Ed. Boitempo, São Paulo, 2000, p. 111-138.

AGÉNOR, P. R.; CANUTO, O. Gender equality and economic growth in Brazil: A long-run analysis. Journal of Macroeconomics, v. 43, p. 155-72, mar. 2015.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2000.

BARBOSA, A. L. N. de H. Tendências nas horas dedicadas ao trabalho e lazer: uma análise da alocação do tempo no Brasil. In: Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: Rio de Janeiro: Ipea, 2018. Disponível em http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_2416.pdf. Acesso em: 10 dez. 2017.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

BRASIL. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-7566-23-setembro-1909- 525411-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 10 abr. 2016.

BRASIL. Lei Federal nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e base da educação nacional – LDB. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 14 nov. 2017.

BRASIL. Lei nº 11.892 de 29 de dezembro de 2008. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11892.htm. Poder Executivo, Brasília, DF. Acesso em: 12 jul. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 2.208 de 17 de abril de 1997. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D2208.htm. Acesso em: 12 jul. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.154 de 23 de julho de 2004. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm. Acesso em: 12 jul. 2017.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Programa de Disseminação das Estatísticas do Trabalho. Relação Anual de Informações Sociais (RAIS). Brasília, DF, 2008

BRASIL. Resolução CNE/CEB 6/2012. Diário Oficial da União, Brasília, seção 1, p. 22, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11663-rceb006-12-pdf&category_slug=setembro-2012-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 10 dez. 2017.

BRUSCHINI, C. O trabalho da mulher brasileira nas décadas recentes. Estudos Feministas, Florianópolis, p. 179-199, jan. 1994. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16102. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M. R. A Bi-Polaridade do Trabalho Feminino no Brasil: O Emprego Doméstico e as “Novas” Ocupações. Mulher e Ocupação 1999.

BURGER, C., ABBOTT, G., TOBIAS, S., KOCH, J., VOGT, C., SOSA T., BIEVENUE, L., CARLITO, D.; STRAWN, C. Gender equity in science, engineers, and technology. In Klein, S. S., Richardson, B., Richardson, D., Grayson, D. A, Fox, L. H., Kramarae, C., Pollard, D. S., Dwyer, C. A. (org.). Handbook for Achieving gender equity through education. Routledge (p. 255-279) Taylor, & Francis Group New York, London, 2007.

CARVALHO, M. G. de. É possível transformar a minoria em equidade?. INEP, 2008.

CARVALHO, M. E. P.; RABAY, G. Gênero e educação superior: apontamentos sobre o tema. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013

CASTELLS, M. O poder da identidade. Tradução Klauss Brandini Gerhardt. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2018.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES. (2016). GEOCAPES. Dados Estatísticos. Recuperado de http://geocapes.capes.gov.br/geocapes2/.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq. (2016). Evolução da Formação de Mestres e Doutores no Brasil. Recuperado de http://estatico.cnpq.br/painelLattes/evolucaoformacao/

DIREÇÃO DA CNQ/CUT GESTÃO 2007-2010, 2010. Perfil e condições de trabalho das mulheres do ramo químico. São Paulo, 2010. Disponível em http://library.fes.de/pdffiles/bueros/brasilien/07823.pdf. Acesso em: 15 jun. 2018.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (org.). Ensino Médio Integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

FRIGOTTO, G. A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100 - Especial, p. 1129-1152, out. 2007. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 20 ago. 2018.

HIRATA, H. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

HIRATA, H. O Universo do Trabalho e da Cidadania das Mulheres - um olhar do feminismo e do sindicalismo. In: ANA A. C et al. (org.). Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. São Paulo: CUT Brasil, 2004.

HIRATA. H. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 1, n. 132, set./dez., p. 595-609, 2007.

INEP. Censo da Educação Básica 2015: resumo técnico. Brasília. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/ web/censo-da-educacao-básica/resumos-tecnicos. Acesso em: 16 ago. 2019.

INTERNATIONAL LABOUR OFFICE (OIT). World Employment and Social Outlook: Trends. 2018. Disponível em http://cite.gov.pt/pt/destaques/complementosDestqs2/wcms_615594.pdf. Acesso em: 17 dez. 2018.

KISHIMOTO, Tisuko M. ONO, Andréia Tiemi. Brinquedo, gênero e educação na brinquedoteca. Pro-Posições [online]. 2008

KUENZER, A. Z.; GRABOWSKI, G. Educação Profissional: desafios para a construção de um projeto para os que vivem do trabalho. Perspectiva, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 273-296, jan./jun. 2006.

JORGE, M. A. S. S. Trabalho na Construção Civil no Brasil: Feminização, Segmentação e Consubstancialidade. 2019. 247 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, 2019. Disponível em https://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tede/9831/5/Tese%20-%20Maria%20Aparecida%20Sanches%20Silva%20Jorge%20-%202019.pdf. Acesso em: 9 set. 2019.

LOMBARDI, M. R. Engenheiras brasileiras: inserção e limites de gênero no campo profissional. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 127, jan./abr, 2006.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MACHADO, L. Z. Gênero, um novo paradigma? Cadernos Pagu, n. 11, Campinas, p. 107-125, 1998.

MANFREDI, S. M. Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MATOS, M. I.; BORELLI, A. Espaço feminino no mercado produtivo. In: PINSKY, C. B.; PEDRO, J. M. (org.) Nova história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012.

MEYER, D. E. E. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. (org). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2005.

PATRÍCIO, S. Educando para o trabalho: A escola de aprendizes Artífices em Sergipe (1911 – 1930). 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, 2003.

PINTO, E. J. S; CARVALHO, M. E. P.; RABAY, G. As relações de gênero nas escolhas de cursos superiores. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 10, n. 22, p. 47-58, mai./ago. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.20952/revtee.v10i22.6173. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/6173. Acesso em: 10 jun. 2018

SANTOS, E. F. Educação profissional, subjetivação e gênero: um estudo a partir do Instituto Federal de Sergipe. In: VI COLÓQUIO INTERNACIONAL “EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE”. 2012, São Cristóvão. Anais [...]. Disponível em: http://educonse.com.br/2012/eixo_03/PDF/12.pdf. Acesso em: 10 abr. 2018.

SANTOS, E. F. Gênero, Subjetivação e Educação Profissional: Discursos e sentidos no cotidiano do Instituto Federal de Sergipe. 2013. 325 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Sergipe, 2013.

SEBRAE CONSTRUÇÃO CIVIL. Boletim: A vez das mulheres nos canteiros de obras. 2014. Disponível em http://www.sebraemercados.com.br/wpcontent/uploads/2015/10/2014_05_20_BO_ConstCivil_MulheresNaCC_valid.pdf. Acesso em: 17 jun. 2018.

SOUZA-LOBO, E. A Classe Operária Tem Dois Sexos: Trabalho, Dominação e Resistência. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

STANCKI, N. Divisão sexual do trabalho: a sua constante reprodução. In: I CICLO DE DEBATES EM ECONOMIA INDUSTRIAL, TRABALHO E TECNOLOGIA, PUC-SP. 2003, São Paulo. Anais [...]. 2003. Disponível em: www.pucsp.br/eitt/downloads/eitt2003_nancistancki.pdf. Acesso em: 12 jun. 2018.

TAMANINI, M. Cosmologia e o mundo das deusas: as raízes da desigualdade. 3. ed. Florianópolis: Genus, 2008.

Publicado
2020-08-28