POLÍTICAS DE INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA A DIVERSIDADE

Palavras-chave: Políticas de Inclusão, Perspectiva Omnilética, Formação de Gestores Educacionais, Inclusão em educação

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar e discutir, com base na perspectiva omnilética (SANTOS, 2013), os sentidos das legislações relativas ao tema da inclusão social, capturados por meio de levantamento exploratório no site do Senado Federal brasileiro, e, dentro disso, da inclusão em educação. Para tanto, apresenta uma pesquisa desenvolvida em parceria com uma Gerência de Educação no município do Rio de Janeiro entre os anos de 2014 e 2017, cuja metodologia foi qualitativa do tipo pesquisa-ação e que teve como foco a formação continuada de sua equipe de gestores e a autorrevisão de culturas, políticas e práticas de inclusão em educação. Discute os dados concernentes às concepções de inclusão em educação dos gestores participantes da pesquisa em um diálogo com os resultados do levantamento exploratório, que demonstrou uma concepção ainda estrita sobre o processo de inclusão, porque focalizada, majoritariamente, nos grupos de pessoas com deficiência. Sem deixar de reconhecer a importância desse movimento à emancipação das pessoas com deficiência brasileiras, o artigo argumenta acerca da importância do investimento em formação continuada de gestores da educação no que tange aos processos de inclusão/exclusão de todos na escola.

Referências

BOOTH, T; AINSCOW, M. Index para Inclusão: desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola. Tradução: Mônica Pereira dos Santos, PHD. Produzido pelo Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação (LaPEADE), 3. ed., RJ, 2011.

BRASIL. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, 2011.

CARNEIRO, L. A. B. C. Da universidade como auditório e do professor como orador: uma análise omnilética dos argumentos de valorização/desvalorização da carreira docente. Rio de Janeiro, 2017. 150 f. Tese. (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017

CARNIEL, F. Agenciar palavras, fabricar sujeitos: sentidos da educação inclusiva no Paraná. Horiz. antropol., Porto Alegre, v. 24, n. 50, p. 83-116, abr. 2018.

DOURADO, L. F. Políticas e gestão da educação básica no Brasil: limites e perspectivas. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 – Especial, p. 921-946, out. 2007.

FOLHA, D. R. da S. C.; RAMOS, M. M. A.; DELLA BARBA, P. C. de S. Normativas oficiais para a educação infantil brasileira: desenvolvimento infantil e efetivação da educação inclusiva. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, [S.l.], p. 671-686, maio 2019.

KRISCHLER, M., POWELL, J. J. W. E CATE, I. M. Pit-Ten. What is meant by inclusion? On the effects of different definitions on attitudes toward inclusive education, European Journal of Special Needs Education, v. 34, n. 5, p. 632-648, 2019.

LUCK, H. Perspectivas da Gestão Escolar e Implicações quanto à Formação de seus Gestores. Em Aberto, Brasília, v. 17, n. 72, p. 11-33, fev./jun. 2000.

LUKÁCS, G. História da Consciência de Classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LAGO, M. Index para a Inclusão: uma possibilidade de intervenção institucional. 2014. 140 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MENINO-MENCIA, Gislaine Ferreira; BELANCIERI, Maria de Fátima; SANTOS, Mônica Pereira dos e CAPELLINI, Vera Lucia Messias Fialho. Estudos Desenvolvidos Tendo como Base o Documento “Index Para a Inclusão”. Rev. bras. educ. espec. [online]. 2019, vol.25, n.2, p. 319-336.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução Eliane Lisboa. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SANTOS, M. Dialogando sobre inclusão em educação: contando casos (e descasos). 1. ed. Curitiba, PR: CRV, 2013.

SENNA, M. (Re)visitando culturas, políticas e práticas de inclusão em educação no nível da gestão municipal de educação: a 2ª CRE em ação. 2017. 191f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

SOARES, A. C. S.; OLIVEIRA, D. K. L. de; SOUSA, M. G. de. Reflexões a partir da percepção dos discentes sobre inclusão e cotas para estudantes com deficiências no ensino superior. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, [S.l.], p. 226-240, ago. 2019.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 7. ed. São Paulo: Cortez, 1986.

Publicado
2020-08-28