A escola como espaço de emancipação dos indivíduos e suas coletividades: conversações em Marx e Gramsci

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18675/1981-8106.v34.n.67.s17302

Palavras-chave:

Trabalho. Estranhamento. Educação Omnilateral. Escola Unitária. Emancipação.

Resumo

Trata-se de um trabalho de cunho teórico que coloca a questão da escola como espaço de emancipação dos indivíduos e suas coletividades. O texto encontra-se estruturado em dois momentos: no primeiro, explora o conceito de trabalho estranhado (Marx, 2008) e, a partir dele, a noção de estranhamento político; em seguida, destaca os conceitos de educação omnilateral (Marx, 2008) e de escola unitária (Gramsci, 1999, 2000) a propósito do papel da escola na superação do estranhamento político e na promoção da emancipação individual e coletiva. As conversações teóricas realizadas no texto consideram que o indivíduo formado pelo trabalho estranhado se encontra reduzido ao âmbito das relações de produção capitalistas e, por consequência, cada vez menos comunitário; que os processos políticos e educativos não se constituem autônomos em relação à dinâmica que se manifesta na base material de produção social da vida, motivo pelo qual as condições de superação do estranhamento político não passam por outro caminho senão aquele que se torna possível no chão da escola.

Referências

ALMEIDA, A. C. de. Ninguém chega lá, partindo de lá, mas daqui: uma crítica ao conceito de alfabetização na PNA, à luz de algumas contribuições de Paulo Freire. Revista Brasileira de Alfabetização. Belo Horizonte-MG, v. 1, n. 10 (Edição Especial), p. 52-57. jul./dez. 2019. Disponível em: https://revistaabalf.com.br/index.html/index.php/rabalf/article/view/353/273. Acesso em 25. jan. 2023.

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos do Estado. Tradução Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. São Paulo: Paz & Terra, 1987.

ANDRADE, M. C.; ARGOLLO, J.; LAMARÃO, M. Expressões do empresariamento da educação de novo tipo: interseções do “novo” Fundeb com as propostas de SNE e ADE. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 13, n 1, p. 311-336. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/43987. Acesso em 25. jan. 2023.

ARENDT, H. A condição humana. 10. ed. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BEZERRA, T. S. A. M. Marx, trabalho estranhado e propriedade privada. In: VASCONCELOS, J. G.; SOARES, E. L. R.; CARNEIRO, I. M. S. P. (org.). Entre tantos: diversidade na pesquisa educacional. Fortaleza: Editora UFC, 2006. p. 249-261.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.-C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 2. ed. Tradução de Reynaldo Bairão. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

ENGELS, F. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 9. ed. Tradução de Leandro Konder. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira S/A, 1984.

FEIRE, P. A educação é um ato político. Cadernos de Ciência, Brasília, n. 24, p. 21-22, jul./set., 1991. Disponível em: http://www.acervo.paulofreire.org:8080/jspui/handle/7891/1357. Acesso em: 4 fev. 2021.

FRIGOTTO, G. Trabalho como princípio educativo. In: CALDART, R. et al. Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012. Disponível em: http://w3.ufsm.br/gpet/index.php?option=com_content&view=article&id= 146:pdf-&catid=33:leituras-sugeridas&Itemid=48. Acesso em: 4 fev. 2021.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere: volume 1. Edição e tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere: volume 2. Edição e tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. Campinas: Editora Alínea, 2007.

MARTINS, M. F. Fundamentos de perspectivas da filosofia e da educação em Gramsci. In: MARTINS, M. F.; PEREIRA, A. R. (org.). Filosofia e Educação: ensaios sobre autores clássicos. São Carlos: EdUFSCar, 2014, p. 261-294.

MARX, K. Manuscritos econômicos filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2008.

MARX, K. O Capital: Crítica da Economia Política (Livro I). São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. 3. ed. Tradução de Luis Claudio de Castro e Costa. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2007.

MICHETTI, M. Entre a legitimação e a crítica: as disputas acerca da Base Nacional Comum Curricular. Rev. bras. Ci. Soc. v. 35, n. 102, p. 1-19, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/7NZC9VwjKWZKMv4SPQmTXPJ/?lang=pt#. Acesso em: 25. jan. 2023.

PEREIRA, C. A. Uma investigação sobre a forma de propriedade verdadeiramente humana em Marx. Analytica, São João del Rei, v. 4, n. 7, p. 61-82, dez. 2015. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S231651972015000200004&lng=pt& nrm=iso. Acesso em: 13 fev. 2021.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica, quadragésimo ano: novas aproximações. Campinas, SP: Autores Associados, 2019.

Downloads

Publicado

2023-11-01

Como Citar

ALMEIDA, F. S. de; NASCIMENTO, J. P. M. do; JESUS, J. M. de. A escola como espaço de emancipação dos indivíduos e suas coletividades: conversações em Marx e Gramsci. Educação: Teoria e Prática, [S. l.], v. 33, n. 66, p. e54[2023], 2023. DOI: 10.18675/1981-8106.v34.n.67.s17302. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/17302. Acesso em: 1 mar. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)