Intersexo, identidade biopolítica e a educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18675/1981-8106.v33.n.66.s17413

Palavras-chave:

Intersexo. Identidade Sexual. Direitos Humanos e Educação. Biopolítica. Movimentos Sociais.

Resumo

A existência de pessoas intersexo remonta à Antiguidade, entretanto, somente no final do século XX, iniciou-se a discussão sobre o direito de essas crianças existirem como nasceram. Nessa perspectiva, este artigo discute a pessoa intersexo, enquanto uma identidade biopolítica, a partir da abordagem médica, do biopoder e da educação para a autonomia. Somente nos últimos anos do século passado estabeleceram-se protocolos que apontam a necessidade de essas pessoas serem ouvidas quanto ao seu sexo/gênero e percebidas como seres autônomos e sujeitos de direito. O objetivo, aqui, é apresentar a trajetória geral da militância intersexo por sua existência natural e o papel da educação nesse contexto. O método de pesquisa adotado configura-se num estudo de caso com abordagem qualiquantitativa. Para isso foram utilizadas entrevistas com pessoas intersexo, pais, professores, psicólogos e médicos, além de pesquisa bibliográfica, análise de cartilhas/guias de orientação sobre intersexo e distúrbio do desenvolvimento sexual (DDS). Também foram realizados levantamentos de dados em congressos, conferências, eventos, assim como de documentos oficiais e reportagens. Finalizamos debatendo sobre a questão intersexo, que vem se constituindo como identidade biopolítica, e sua relação com a educação geral para a conquista da autonomia das pessoas intersexo.

Referências

ABRAI. Associação Brasileira de Intersexos. ABRAI. 20221. Disponível em: www.facebook.com/abrai. Acesso em: 15 jan. 2021.

ANA. Aliança Nacional de Adolescentes. Menina ou menino? Não, são interssexuais! Blog Ana, 3 de março de 2017. Disponível em: http://anamovimento2.blogspot.com/2017/03/menina-ou-menino-nao-sao-interssexuais.html. Acesso em 9 jul 2019].

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão de identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CAMPOS-SANTOS, T. E. Jacob(y), “entre os sexos” e cardiopatias, o que o fez Anjo? São Paulo: Scortecci, 2020.

CAMPOS-SANTOS, T. E.; GONÇALVES JUNIOR, S. W. P.; MARTINS, R. A. Intersexo: entre a educação e o direito de ser. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DESFAZENDO GÊNERO, IV, Fortaleza, Anais [...]. Fortaleza, 2019. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/64145. Acesso em 15 jan. 2021.

CAMPOS-SANTOS, T. E.; MARTINS, R. A. Relatos de vidas: mutilações impostas e não direito à certidão de nascimento. In: DIAS, M. B. Intersexo. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2018, p. 545- 553.

CAMPOS-SANTOS, T. E.; NONATO, C. Informativo sobre bebês intersexos. São Paulo: Prefeitura Municipal de São Paulo, 2020. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/Informativo_sobre_bebes_Intersexos_30_12_2020.pdf. Acesso em 5 jan 2021].

CANGUÇÚ-CAMPINHO, A. K. F. A construção dialógica da identidade em pessoas intersexuais: o x e o y da questão. 2012. 204 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

CANGUÇÚ-CAMPINHO, A. K.; BASTOS, A. C. S. B.; LIMA, I. M. S. O. O discurso biomédico e o da construção social na pesquisa sobre intersexualidade. Physis, v. 19, n. 4, p. 1145-1164, 2009.

CARDOSO, P. Direito à Identidade: Estados brasileiros começam a regulamentar o registro de crianças intersexo. Cartórios com Você, v. 5, n. 21, 2020.

CARNEIRO, L. Projeto de Lei nº 5.255. Brasília: Câmara dos Deputados, 2016.

CARVALHO, M. E. P. et al. Direitos humanos das mulheres e das pessoas LGBTQI: Inclusão da perspectiva da diversidade sexual e de gênero na educação e formação docente. João Pessoa: UFPB, 2016.

CASTEL, P. H. Algumas reflexões para estabelecer a cronologia do “fenômeno transexual”. Revista Brasileira de História, v. 1, n. 41, p. 77-111, 2001.

CFM. Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.664. 2003. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2003/1664_2003.htm. Acesso em: 14 jun. 2017.

COLAFEMINA, M. A luta por existir. Revista Comtempo, 17 de julho de 2020. Disponível em: https://revistacomtempo.com/2020/07/17/a-luta-por-existir/. Acesso em: 2 jan. 2021.

CONTE, J. Conduta para lidar com pessoas intersexo no nascimento divide especialistas. UOL, Coluna Draúzio Varella, 25 de junho de 2019. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/sexualidade/conduta-para-lidar-com-pessoas-intersexo-no-nascimento-divide-especialistas/. Acesso em 25 jun. 2019.

COSTA, A. G. As (im)possibilidades do desenvolvimento: enquadres da intersexualidade no Brasil contemporâneo. 2018. Tese (Doutorado em Medicina) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

CREMEPE. Conselho Regional de Medicina de Pernambuco. Intersexuais ainda lutam por direitos e visibilidade. Pernambuco: Vida Urbana, 2018. Disponível em: http://www.cremepe.org.br/2018/06/28/intersexuais-ainda-lutam-por-direitos-e-visibilidade/. Acesso em: 8 jul. 2019.

CRPSP. Nota técnica e orientativa do CRPSP: a atuação profissional de psicólogas/os no atendimento às pessoas intersexo. São Paulo: CRP, 2022. Disponível em: https://www.crpsp.org/uploads/impresso/261249/TGhjAbcH8DUQyKWcJB0gjvqjNEstZv.pdfAcesso em: 13 jan. 2023.

DAMIANI, D. et al. Genitália ambígua: diagnóstico diferencial e conduta. Arq Bras Endocrinol Metab, v. 45, n. 1, p. 37-47, 2001.

DELAS. “Senti como se tivesse tido minha história roubada”, diz militante intersexo. IG, 26 de outubro de 2020. Disponível em: https://delas.ig.com.br/comportamento/2020-10-26/senti-como-se-tivesse-tido-minha-historia-roubada-diz-militante-intersexo.html. Acesso em: 2 jan. 2021.

DE SOUZA, A. S. L.; CANGUÇU-CAMPINHO, A. K. F.; DA SILVA, M. N. A. O protagonismo da criança intersexo diante do protocolo biomédico de designação sexual. Revista Periódicus, v. 1, n. 16, p. 130-162, 2021.

DIAMOND, M. Biased-Interaction Theory of Psychosexual Development: “How Does One Know if One is Male or Female?” Sex Roles, v. 55, n. 9, p. 589-600, 2006.

DIAMOND, M.; SINGMUNDSON, H. K. Managemnet of intersexuality: guidelines for dealing with people with ambiguous genitalia. Archieve os Pediatric and Adolescent. Medicine, p. 151, 1997.

DIÁRIO DA REGIÃO. Ambiguidade sexual: Casal teve dificuldade para registrar bebê devido intersexualidade. DiarioWeb, 17 de agosto de 2017. Disponível em: https://www.diariodaregiao.com.br/index.php?id=/cidades/materia.php&cd_matia=1067007. Acesso em: 28 fev. 2019.

DIÁRIO DA REGIÃO. Morre Jacob, menino intersexo. DiarioWeb, 22 de maio de 2018. Disponível em: https://www.diariodaregiao.com.br/_conteudo/2018/05/cidades/1107429-morre-jacob-menino-intersexo.html. Acesso em: 28 fev. 2019.

DIAS, M. B. (org.). Intersexo. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 2018.

DOCUMENTO VERDADE. Transgênero intersexo. YouTube, 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=YVOGPikNPdw. Acesso em: 2 fev. 2020.

DPU. Audiência Pública: Urgência, necessidades de cirurgia e cuidados com saúde de crianças intersexo. 1 e 2. YouTube, 2022. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=T1TmB4IH5AI&t=13s. Acesso em: 13 jan. 2023.

DREISSIG; D. Intersexualidade e a necessidade de definição de sexo no Registro de nascimento face ao princípio da dignidade humana. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Direito) - Fundação Educacional Machado de Assis, Santa Rosa, 2016.

EROSDITA. TVPE–Erosdita Intersexualidade. YouTube, 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QbYU_iIgz40. Acesso em: 1° jan. 2021.

ESPU. SPU Consensus statement 2020. Management of Differences of Sex development (DSD). United Kingdom: European Society for Paediatric Urology, 2020.

FAPESP. Menino ou Menina? YouTube, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qZcHtYUWiLY. Acesso em: 12 jul. 2019.

FACCHINI, R. De homossexuais a LGBTQI+: sujeitos políticos, saberes, mudanças e enquadramentos. In: FACCHINI, R.; FRANÇA, I. L. (org.). Direitos Em Disputa: LGBTI+, Poder e Diferença no Brasil Contemporâneo. Editora da Unicamp, 2020.

FOUCAULT, M. Os anormais: curso no colégio de France. São Paulo: Martins Fontes; 2001.

FRASER, R. T. D.; LIMA, I. M. S. O. Intersex and the right to identity: a discourse on the civil record of intersex children. Rev. bras. Crescimento Desenv. Hum, v. 22, n. 3, p. 358-366, 2012.

FREUD, S. Publicações pós-psicanalíticas e esboços. V. I (1886-1899). São Paulo: Saraiva, 2019.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009. 175 p.

G1 RS. Justiça do RS autoriza registro sem sexo definido a recém-nascidos com anomalia sexual. G1, G1 do Rio Grande Sul, 10 de junho de 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2019/06/10/justica-do-rs-autoriza-registro-sem-sexo-definido-a-recem-nascidos-com-anomalia-sexual.ghtml. Acesso em: 1° jul. 2019.

GIRARDI, Y. Pessoas intersexo são pouco protegidas pela lei. Porto Alegre: Jornal do Comércio. POPULAÇÃO LGBTQI, 30 de novembro de 2020. Disponível em: http://encurtador.com.br/bKMZ4. Acesso em: em 2 jan. 2021.

GLOBOSAT. Sobre Vivência fala do ato de viver e sobreviver sendo LGBTQIA+ no Brasil. Vivências que se atravessam e se conectam do mesmo ponto de partida. Globo, Além do Gênero, 10 de junho de 2019. Disponível em: https://gente.globo.com/sobre-vivencia/. Acesso em: 1° jan. 2021.

GRANT, C. Direito, gênero e intersexualidade: uma luta por corpos descolonizados e pelo direito de existir. In: DIAS, M. B. (org.). Intersexo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2018, p. 117-149.

GRINSPAN, M. C. Hermafrodita con orgullo. Argentina, 26 de janeiro de 2021. Disponível em: https://web.facebook.com/media/set/?set=a.1643745570740&type=3. Acesso em: 10 ago. 2022.

HALL, S. A centralidade da cultura. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, 1997.

HCPA. Hospital das Clínicas de Porto Alegre. Recém-nascidos com anomalia sexual já podem ser registrados sem o sexo definido. HCPA, 10 de junho de 2019. Disponível em: https://www.hcpa.ufrgs.br/1251-recem-nascidos-com-anomalia-sexual-ja-podem-ser-registrados-sem-o-sexo-definido. Acesso em: 2 jul. 2019.

HUGHES, I. A. et al. Consensus statement on management of intersex disorders. Arch Dis Child., v. 91, p. 554-563, 2006.

IBDFAM. Instituto Brasileiro de Direito da Família. Provimento do CNJ regulamenta registro de crianças com sexo ignorado; medida é resposta ao pedido do IBDFAM. IBDFAM, 24 de agosto de 2021. Disponível em: https://ibdfam.org.br/noticias/8838. Acesso em: 10 ago. 2022.

ISNA. Intersex Society of North American. What is intersex? EUA: ISNA, 2015.

LABEI. Pelo fim das intervenções médicas precoces e não emergenciais em pessoas intersexo. Medium, 28 de fevereiro de 2018. Disponível em: https://medium.com/@ligadeestudosintersexo_48296/pelo-fim-das-intervenções-médicas-precoces-e-não-emergenciais-em-pessoas-intersexo-207ec0afdebc. Acesso em: 12 jul. 2019.

LEE, P. et al. Consensus Statement on Management of Intersex Disorders. Pediatrics, v. 118, 2006, p. e488-e500.

LOURO, G. L. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições [online]. v. 19, n. 2, p.17-23, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v19n2/a03v19n2.pdf. Acesso em: 28 dez. 2019.

MACHADO, P. S. “Quimeras” da ciência: a perspectiva de profissionais da saúde em casos de intersex. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 20, n. 59, p. 67-80, 2005.

MACHADO, P. S. (Des)fazer corpo, (re)fazer teoria: um balanço da produção acadêmica nas ciências humanas e sociais sobre intersexualidade e sua articulação com a produção latino-americana. Cadernos Pagu, v. 42, p. 141-158, 2014.

MALTA. Consolidated Laws. Chapter 540 gender identity, gender expression and sex characteristics ACT, 2015. Disponível em: http://justiceservices.gov.mt/DownloadDocument.aspx?app=lom&itemid=12312&l=1. Acesso em: 28 abr. 2020.

MARIE CLAIRE. EUA expede primeira certidão de nascimento para intersexuais. MARIE CLAIRE, 2017. Disponível em: https://revistamarieclaire.globo.com/Noticias/noticia/2017/01/eua-expede-primeira-certidao-de-nascimento-para-intersexuais.html. Acesso em: 3 jan. 2017.

MARTINS, R. A.; CAMPOS-SANTOS, T. E. Educação da criança intersexo: o que temos? In: DIAS, M. B. (org.). Intersexo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2018, p. 493-503.

MODESTO, A. Reflexões sobre corpos dissidentes sob o olhar feminista decolonial-queer. In: DIAS, M. B. (org.). Intersexo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2018, p. 481-492.

MODESTO, A. Sobre “homem e mulher os criou”. Um Manifesto intersexo. Medium, 16 de junho de 2019. Disponível em: [https://medium.com/@Amielmodesto/sobre-homem-e-mulher-os-criou-um-manifesto-intersexo-425efd21750e. Acesso em: 9 jul. 2019.

MONLLEO, S. L. et al. Prevalência de anormalidades genitais em recém-nascidos. J. Pediatr., Porto Alegre, v. 88, n. 6, p. 489-495, 2012.

MORAIS, A. C. Além do que se vê. Relatos de quem nasceu intersexo no Brasil. Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2019.

NEXO. O debate sobre se bebês intersexuais devem ou não ser operados. Nexo, 10 de fevereiro de 2018. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/02/10/O-debate-sobre-se-beb%C3%AAs-intersexuais-devem-ou-n%C3%A3o-ser-operados. Acesso em: 8 jul. 2019.

NEXO. Uma visão médica sobre intersexualidade. Nexo, 17 de fevereiro de 2018. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2018/02/17/Uma-vis%C3%A3o-m%C3%A9dica-sobre-intersexualidade. Acesso em: 1 jul. 2019.

NBO. Notícias Brasil On Line. STF, por decisão unânime, enterra lei municipal de ‘ideologia de gênero’. Publicado em 26/04/2020. Disponível em: https://noticiabrasilonline.com/stf-por-decisao-unanime-enterra-lei-munincipal-de-ideologia-de-genero/. Acesso em: 29 abr. 2020.

OLIVEIRA, A. C. G. A. Os corpos refeitos: a intersexualidade, a prática médica e o direito à saúde. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 1-25, 2015.

ONU. Organização das Nações Unidas (Brasil). ONU promove reunião técnica sobre intersexo com profissionais da área médica. ONU, 7 de dezembro de 2020. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/104038-onu-promove-reuniao-tecnica-sobre-intersexo-com-profissionais-da-area-medica. Acesso em: 6 jan. 2021.

PREFEITURA DE SANTOS. Palestra na OAB debate a intersexualidade. Santos: Prefeitura Municipal, 2018. Disponível em: http://www.santos.sp.gov.br/?q=noticia/palestra-na-oab-debate-a-intersexualidade. Acesso em: 9 jul. 2019.

REDE BRASIL ATUAL. Na ONU, Brasil não adere à proteção de pessoas intersexo. Direitos Humanos. Rede Brasil Atual, 1 de outubro de 2020. Disponível em: https://teams.microsoft.com/_#/pre-join-calling/19:meeting_ZDNiNWFjYjctOWQ3Zi00NTdkLWE2M2EtMDdlNDc5NDhjMTcx@thread.v2. Acesso em: 3 jan. 2021.

RIOS, R. R. Para um direito democrático da sexualidade. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 12, n. 26, p. 71-100, 2006.

SANTOS, M. M. R. Desenvolvimento da identidade de gênero em casos de intersexualidade: contribuições da Psicologia. 2006, 246 f. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

SANTOS, M. M. R. & ARAUTO, T. C. C. F. Desenvolvimento Psicológico e Intersexo: um Estudo de Caso de Pseudo-hermafroditismo Masculino [Resumo]. Em Hospital Pequeno Príncipe (org.) Temas Livres, VIII Encontro Nacional dos Psicólogos da Área Hospitalar. Curitiba: Associação Hospitalar de Proteção à Infância Raul Carneiro, 1999, p. 35.

SANTOS-CAMPOS, T. E. Educação de Crianças e Adolescentes intersexo. 2020, 180 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Marília, 2020.

SÃO PAULO. Normativa de Serviços de Cartórios Extrajudiciais. Tomo II. São Paulo: Tribunal da Justiça, n. 2. 989, 2020.

SAX, L. How co mmo n is in tersex? A response to Anne S8-Sterling. Journal of Sex Research, v. 39, p. 174-178, 2002[1993].

SILVA, C. A. B. et al. Ambigüidade genital: a percepção da doença e os anseios dos pais. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., v. 6, n. 1, p. 107-113, 2006.

SILVA, E. B.; JAQUES, B. P. A mãe “excepcional” e as identidades de gênero: discursos de uma narrativa biográfica. Campina Grande: Editora Realize, 2017.

SILVA, M. R. D. S. Repensando os cuidados de saúde para pessoa intersexo. In: DIAS, M. B. (org.). Intersexo. São Paulo: Revista do Tribunais, p. 380-404, 2018.

SOUZA, C. A. B. Cada nascimento de uma criança intersexual é um tapa na cara da sociedade: uma reflexão sobre religião e gênero na sociedade brasileira. 2017, 381 f. Tese (Doutorado em Ciências da Religião) - Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2017.

STERLING, A. Sexing the Body: Gender Politics and the Construction of Sexuality. New York: Basic Books, 2000.

STERLING, A. The five sexes. The Sciences, v. 33, n. 2, p. 20-24, 2002.

TJ/RS. Tribunal da Justiça do Rio Grande do Sul. Corregedoria da Justiça do RS lança movimento inédito sobre registro de bebês sem sexo definido. TJ/RS, 7 de junho de 2019. Disponível em: https://www.tjrs.jus.br/site/imprensa/noticias/?idNoticia=469277. Acesso em: 1 jul. 2019.

UNIVERSA. “Não me vejo como homem nem mulher”: quem são as pessoas não binárias? UOL, 15 de fevereiro de 2019. Disponível em: https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2019/02/15/quem-sao-as-pessoas-nao-binarias.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em: 1° jun. 2019.

UNIVERSA. “Nem tem vagina”: tão comum quanto ruivos, bebê intersexo pena em hospital. UOL, 27 de junho de 2019. Disponível em: https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2019/06/27/maes-de-intersexuais-relatam-atendimento-inadequado-ela-nem-tem-vagina.htm?cmpid=. Acesso em: 26 jun. 2019.

VIANA, V.; YORK, S. Primeiro bebê intersexo é registrado no Brasil – Vitória na luta pelo reconhecimento destes indivíduos no país. Prensa de Babel, 6 de março de 2020. Disponível em: https://prensadebabel.com.br/primeiro-bebe-intersexo-e-registrado-no-brasil-vitoria-na-luta-pelo-reconhecimento-destes-individuos-no-pais/. Acesso em: 2 jan. 2021.

VIAU-COLINDRES, J.; AXELRAD, M.; KARAVITI, L. P. Bringing Back the Term “Intersex”. Pediatrics, v. 140, n. 5, 2017, e20170505.

Downloads

Publicado

2023-06-01

Como Citar

SANTOS, T. E. de C. dos .; MARTINS, R. A. . Intersexo, identidade biopolítica e a educação. Educação: Teoria e Prática, [S. l.], v. 33, n. 66, p. e41[2023], 2023. DOI: 10.18675/1981-8106.v33.n.66.s17413. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/17413. Acesso em: 19 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)