Vivências na Natureza e as possibilidades inventivas na educação ambiental

  • Jane Márcia Mazzarino Centro Universitário Univates
  • Patrícia Angela Grisa de Assis Centro Universitário Univates e Fares

Resumo

Dentre as diversas correntes e perspectivas que compõem o que se pode denominar como o campo da educação ambiental, a perspectiva vivencial parte do pressuposto que, além dos conhecimentos transmitidos de forma tradicional, o contato direto com o ambiente natural proporciona atitudes de respeito e cuidado, desencadeando um processo de consciência ambiental. Denominada de Aprendizado Sequencial, a proposta de vivências na natureza de Joseph Cornell constitui-se de quatro fases que incluem diferentes jogos, por meio dos quais são trabalhados os cinco sentidos: despertar o entusiasmo, concentrar a atenção, dirigir a experiência e compartilhar a inspiração. O artigo discute as possibilidades inventivas na educação ambiental a partir das vivências sensíveis, tomando como base estudo empírico, os pressupostos norteadores dos documentos oficiais da educação ambiental e  contribuições de teóricos da área.

Biografia do Autor

Jane Márcia Mazzarino, Centro Universitário Univates

Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação, professora do PPG Ambiente e Desenvolvimento e dos cursos de Comunicação Social do Centro Universitário Univates, Lajeado RS. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Práticas Ambientais, Comunicação, Educação e Cidadania (CNPq). E mail janemazzarino@gmail.com

Patrícia Angela Grisa de Assis, Centro Universitário Univates e Fares
Mestre em Ambiente e Desenvolvimento pelo Centro Universitário Univates (UNIVATES, RS). Professora e Coordenadora do Curso de Pedagogia da Faculdade Roraimense de Ensino Superior, FARES, RR.
Publicado
2016-07-31
Seção
Artigos