CARTÕES MESADA PARA CRIANÇAS E JOVENS: UMA PEDAGOGIA AOS MOLDES DO TEATRO NEGRO?

Palavras-chave: Educação financeira, Cartão mesada, Crianças, Subjetividade, Governamentalidade

Resumo

Neste artigo, analisamos redes discursivas que perpassam a disponibilização de cartões mesada às crianças e aos jovens na atualidade. Seu estudo é pertinente e relevante, pois tais discursos produzem certa forma de educar e de lidar com dinheiro/finanças. Conceitos foucaultianos, como poder microfísico e governamentalidade, constituem nossa base teórica, e recorremos à perspectiva cênica do Teatro Negro para pensar a pedagogia implicada. Tomamos como material de análise a oferta de cartões mesada veiculada nos sites do Banco do Estado do Rio Grande do Sul, da Caixa Econômica Federal e da incorporadora Visa. As análises mostraram que se enuncia uma associação direta entre cartões mesada e a educação financeira. Dentre outros aspectos, discutimos como a decisão dos pais de adotá-los para seus filhos, estimulando assim a familiarização com operações e dinheiro virtuais, pode estar relacionada à busca do incremento do chamado capital humano, que requer toda ordem de investimentos educacionais. As problematizações que lançamos não repousam sobre nenhum saudosismo, visam contribuir para se pensar uma educação num âmbito que não seja meramente instrumental, mas que articule questões como consumo, finanças, renda etc. Nesse sentido, entendemos ser fundamental romper com a “elegância cultural” que naturaliza a posse do dinheiro, lançando luz sobre esta zona “sombreada” que são as fontes e formas de obtenção do dinheiro pessoal/familiar. Nossa aposta é no sentido de trazer pontos de tensionamento quanto à governamentalidade neoliberal e seus efeitos subjetivos.

Biografia do Autor

Inês Hennigen, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Psicologia pela PUCRS, docente do Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional do Instituto de Psicologia da UFRGS; coordenadora do grupo de pesquisa LECOPSU – Leituras do contemporâneo e Processos de subjetivação

Referências

ALMEIDA, M. Não caia na cilada de vigiar seu filho com um cartão mesada. Revista Exame, jun. 2015. Disponível em: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/nao-caia-na-cilada-de-vigiar-seu-filho-com-um-cartao-mesada. Acesso em: 11 jun. 2016.

ARANHA, M. L. História da Educação e da Pedagogia. São Paulo: Moderna, 2006.

ARREGUY, S.; LOYOLA, V. D. Criança e consumo: reflexão sobre o filme Criança, a alma do negócio. Paidéia, Belo Horizonte, n.10, p. 159-177, jan./jun. 2011.

BANRISUL. Mesada eletrônica. Disponível em: https://www.banrisul.com.br/bob/link/bobw02hn_conteudo_detalhe2.aspx?secao_id=268. Acesso em: 29 abr. 2016.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Portugal: Edições 70, 2010.

BAUMAN, Z. Vidas para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Cartão Adicional Mesada. Disponível em: http://www.caixa.gov.br/voce/cartoes/credito/adicional-mesada/Paginas/default.aspx. Acesso em: 11 jun. 2016.

CHESNAIS, F. A globalização e o curso do capitalismo de fim-de-século. Economia e Sociedade, Campinas, n. 5, p. 1-30, 1995.

COSTA, M. V. A educação na cultura da mídia e do consumo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

DANTAS, S. S.; JAEGER, J.; CRUZ, C. B. Brinquedos, brincadeiras, tecnologia, dinheiro: o que as crianças de baixa e alta renda preferem atualmente no dia das crianças? In: XVI SEMEAD - SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 16, 2013, São Paulo. Seminários. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013, p. 1-16. Disponível em: http://sistema.semead.com.br/16semead/resultado/trabalhosPDF/343.pdf. Acesso em: 6 jun. 2016.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FOUCAULT, M. A vontade de saber. In: MOTTA, M. B. (Org.). Ditos & Escritos, volume X: filosofia, diagnóstico do presente e verdade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014, p.81-86.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GRANJA, M. C. L. O mundo econômico da criança: uma investigação psicológica sobre o dinheiro. 2012. 152 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Cognitiva) - Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

HEIN, N. The stage of mysteries: the black light theatre of Prague. Slavic and East European Performance, New York, 18, Summer 1998.

MALTA, R. B; REIS, A. A. C. Análise do discurso publicitário direcionado à criança: uma visão crítica. Revista Comunicação Midiática, Bauru, v. 11, n. 1, p. 167-183, jan./abr. 2016.

OLIVEIRA, H. D. L. de. Entre mesadas, cofres e práticas matemáticas escolares: A constituição de Pedagogias Financeiras para a Infância. 2009. 238 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

OLIVON, B. Banco Imobiliário agora vem com máquina para cartão de crédito. Disponível em: http://exame.abril.com.br/negocios/banco-imobiliario-agora-vem-maquina-cartao-credito-579250/. Acesso em: 24 abr. 2017.

VEIGA-NETO, A. (2006). Na oficina de Foucault. Disponível em: http://www.michelfoucault.com.br/files/Na%20oficina%20de%20Foucault%20-%20Editorado%20Final%20-%20dez%2006.pdf. Acesso em: 15 jun. 2016.

VISA. Cartão Mesada Turma da Mônica. Disponível em: https://www.mesadaturmadamonica.com.br/. Acesso em: 30 abr. 2016a.

VISA. Visa Mesada. Disponível em: https://www.visa.com.br/pague-com-visa/cartoes/cartoes-pre-pago/visa-mesada.html. Acessado em: 30 abr. 2016b.

Publicado
2019-08-27