CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE O TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

Palavras-chave: Transtorno do Espectro Autista, Diagnóstico, Professores de Educação Infantil.

Resumo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) se caracteriza por afetar o desenvolvimento neurológico gerando prejuízos nas áreas de comunicação social e manifestação de padrões restritos de interesses e atividades. Diante de um aumento de casos deste transtorno na população. Este estudo visou investigar o conhecimento sobre o TEA, a experiência com este transtorno ao longo da carreira na educação, as decisões a serem tomadas ao identificar sinais de TEA em uma criança, as solicitações a serem feitas caso recebam um aluno com TEA e a opinião destes sobre a importância do diagnóstico precoce para a Educação Infantil. Participaram do estudo 170 profissionais da Educação Municipal Infantil Integrada (EMEII) de um município do interior do São Paulo. Os principais resultados obtidos sinalizam um desconhecimento geral dos aspectos que definem e caracterizam uma criança com TEA, ainda que a maioria dos participantes (55,29%) afirmou ter convivido com um indivíduo com TEA em sua carreira na educação. E que as estratégias adotadas ao identificarem sinais de TEA em uma criança eram ineficazes. Conclui-se que tais dados indicam a necessidade de formação mínima sobre o tema para que possam oferecer um atendimento educacional de qualidade a estas crianças.

Biografia do Autor

Carine Ramos de Oliveira-Franco, Universidade Estadual Paulista – Câmpus de Bauru

Psicóloga graduada pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP), campus de Bauru. Especialista em Análise do Comportamento Aplicada à Educação de Pessoas com Transtornos do Espectro Autista e com Atraso no Desenvolvimento Intelectual, pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Mestra e doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP), com pesquisa na área de desenvolvimento humano, interessada no conhecimento de profissionais da educação infantil em relação ao Transtorno do Espectro Autista. Atuou como psicóloga escolar na Escola Especial da instituição APAE de Bauru e atualmente ministra aulas como bolsista didática da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP/Bauru).

Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues, Universidade Estadual Paulista – Câmpus de Bauru

Possui graduação em Psicologia pela Fundação Educacional de Bauru, mestrado em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos, doutorado em Psicologia Experimental pela Universidade de São Paulo (IP/SP) e livre-docência em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem, da Faculdade de Ciências, campus de Bauru, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Tem vários livros publicados (Psicologia da saúde: perspectivas interdisciplinares; Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem:investigações e análises), capítulos de livros e artigos publicados em periódicos com referee. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia do Desenvolvimento Humano, especificamente desenvolvimento infantil e as variáveis que o influenciam. Entre as temáticas de desenvolvimento infantil estão: avaliação de desenvolvimento, interação mãe-bebê, prematuridade, impacto de mal formações e síndromes e, também, a influência de variáveis maternas como escolaridade, saúde emocional materna e práticas educativas. É bolsista Produtividade em Pesquisa, do CNPq (Pq-2).

Referências

AIELLO, A. L. R. Identificação precoce de sinais de autismo. In: GUILHARDI, H. J. et al. Sobre comportamento e cognição: contribuições para construção da Teoria do Comportamento. Santo André: ESETec Editores Associados, p. 13-29, 2002.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 5. ed. Artmed, 2014.

ARASAAC. Aragonese Portal of Augmentative and Alternative Comunicacion. Governo de Aragão. 2016. Disponível em: http://www.catedu.es/arasaac/ Acesso em: 1 ago. 2016.

ARAWORD. Software livre. Versão 1.0. 2011. Desenvolvido pela Universidade de Zaragoza. Disponível em: http://arasaac.org/software.php?id_ software=2%3E. Acesso em: 1 ago 2016.

CHRISTENSEN, D. L. et al. Prevalence and Characteristics of Autism Spectrum Disorder Among Children Aged 8 Years — Autism and Developmental Disabilities Monitoring Network, 11 Sites, United States, Surveillance Summaries, v. 65, n. 3, p. 1-23, 2016.

COUTINHO, J. V. S. C.; BOSSO, R. M. V. Autismo e Genética: uma revisão de literatura. Revista científica, do ITPAC, Araguaína, v. 8, n. 1, 2015.

FELICIO, V. O autismo e o professor: um saber que pode ajudar. Trabalho de conclusão de Curso (Pedagogia) - Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru, 2007.

FRANÇOISE, D. D. S. Autismo e Psicologia Clínica de abordagem dinâmica numa sala teacch: reflexões em partilha duma prática. Revista Portuguesa de Psicossomática, Porto, v. 7, n. 1-2, p. 207-217, 2005.

GARCIA, M. L.; LAMPREIA, C.. Limites e possibilidades da identificação de risco de autismo no primeiro ano de vida. Psicologia Reflexão e Critica - Porto Alegre, v. 24, n. 2, p. 300-308, 2011.

LAMPREIA, C. Algumas considerações sobre a identificação precoce do autismo. In: E. G. MENDES; M. A. ALMEIDA; M. C. P. I. HAYASHI (Eds.), Temas em Educação Especial: Conhecimentos para fundamentar a prática, Araraquara: Junqueira & Marin, p. 397-421, 2008.

LUCCA, J. G.; BAZON, F. V. M.; LOZANO, D. A inclusão escolar no município de Araras: condições e perspectivas. Educação: Teoria e Prática, Rio Claro, v. 25, n.49, p. 340-356, maio/ago. 2015.

MISQUIATTI, A. R. N. et al. Comunicação e transtornos do espectro do autismo: análise do conhecimento de professores em fases pré e pós-intervenção. Revista CEFAC, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 479-486, 2014.

MIZAEL, T. M.; AIELLO, A. L. R. Revisão de estudos sobre o Picture Exchange Communication System (PECS) para o ensino de linguagem em indivíduos com autismo e outras dificuldades de fala. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 19, n. 4, p. 623-636, 2013.

PARAVIDINI, J. L. L. A identificação e o diagnóstico precoce de sinais de risco de autismo infantil. 2002. 321 f. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) - Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

PAULA, C. S. et al. Brief report: prevalence of pervasive developmental disorder in Brazil: a pilot study. Journal of Autism and Developmental Disorders, New York, v. 41, n. 12, p. 1738-1742, 2011.

RIGOLETTI, V. C. et al. Elaboração de um recurso de comunicação alternativa para contação de histórias a crianças não-oralizadas na educação infantil. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA E XIII JORNADA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 2016, Marília. Anais [...] Marília, 2016.

SAMPAIO, M.; MIURA, R. K. Concepções de professores sobre pessoas com espectro do autismo. Revista Diálogos e Perspectivas em Educação Especial, v. 2, n. 2, p. 145-160, 2015.

SANTOS, M. A.; SANTOS, M. D. Representações sociais de professores sobre o autismo infantil. Psicologia & Sociedade, v. 24, n. 2, p. 364-372, 2012.

SCHLICKMANN, E.; FORTUNATO, J. J. O uso de ácido valproico para a indução de modelos animais de autismo: uma revisão. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Tubarão, v. 62, n. 2, p. 153-159, 2013.

WETHERBY, A. M.; WOODS, J.; ALLEN, L.; CLEARY, J.; DICKINSON, H.; LORD, C. Early indicators of autism spectrum disorders in the second year of life. Journal of Autism and Developmental Disorders, v. 34, n. 5, p. 473-493, 2004.

Publicado
2019-08-27