ACESSIBILIDADE E AUDIODESCRIÇÃO: UM OLHAR PARA A APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Palavras-chave: Deficiência visual. Áudio-descrição. Imagens estáticas.

Resumo

O texto em tela tem como objetivo apresentar a audiodescrição de imagens estáticas de um livro didático como ferramenta de adequação pedagógica contributiva para o acesso às imagens por estudantes com deficiência visual. Enquanto escolha metodológica, trata-se de um ensaio teórico, pois traz, de forma dialógica, uma proposta de reflexão acerca do objeto de conhecimento elencado. Assim, a audiodescrição, como recurso de tecnologia assistiva pode ser um aporte para que professores, no ambiente escolar, garantam que estudantes cegos e com baixa visão tenham autonomia e empoderamento em atividades, exercícios e afins. Esse recurso de acessibilidade comunicacional pode ser compreendido como a descrição de toda e qualquer informação pertinente e essencial para que as pessoas com deficiência visual, ao mesmo tempo que as pessoas videntes, tenham acesso ao evento visual. Conclui-se que presença da audiodescrição nas imagens estáticas como ferramenta de adequação pode garantir a acessibilidade visual dos estudantes com deficiência visual, posto que promove equiparação de oportunidades para a erradicação do silêncio entre o texto e a imagem, tão comum nas escolas ao se tratar do estudante cego e com baixa visão.

Referências

BRASIL. Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília: 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm. Acesso em: 10 jul. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 15 jul. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de fevereiro de 2001. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res2_b.pdf. Acesso em: 6 mar. 2016.

BERSCH, R. Introdução à tecnologia assistiva. Porto Alegre: RS, 2008.

BRUNO, M. M. G.; MOTA, M. G. B. da. Programa de Capacitação de Recursos Humanos do Ensino Fundamental: deficiência visual. v. 1 fascículos I-II-III. Colaboração: Instituto Benjamin Constant. Brasília: Ministério da Educação, 196 p. (Série Atualidades Pedagógicas; 6). Secretaria de Educação Especial, 2001.

CARVALHO, R. E. Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. 4. ed. Porto Alegre: Ed. Meditação, 2014.

CARVALHO, R. E. Removendo barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. 5. ed. Porto alegre: Mediação, 2003.

CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA. As condições de Saúde Ocular no Brasil. ÁVILA, Marcos; ALVES, Milton Ruiz. NISHI, Mauro. (org.). São Paulo, 2015.

COSTA, V. B. da. Inclusão escolar do deficiente visual no ensino regular. Jundiaí, Paco Editorial, 2012.

FARRELL, M. Deficiências sensoriais e incapacidades físicas. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FRANCO, E. P. C.; SILVA, M. C. C. C. da. Audiodescrição: breve passeio histórico. In: MOTTA, L. M. V. de M.; ROMEU FILHO, P. (org.). Audiodescrição: transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, 2010.

FREIRE, P. 1921-1997. Pedagogia dos sonhos possíveis. Ana Maria Araújo (org.) São Paulo: UNESP, 2001. 299 p.

GASPARETO, M. E. R. F. A pessoa com visão subnormal e seu processo pedagógico. In: MASINI, E. F. S. GASPARETO, M. E. R. F. (org.). Visão Subnormal: um enfoque educacional. São Paulo: Vetor, 2007.

LÁZARO, R. C. G.; MAIA, H. Inclusão do Aluno com Baixa Visão na Rede Regular de Ensino: a que Custo? Revista Benjamin Constant, n. 43, 2009.

LIMA, F. J.; LIMA, R. A. F.; VIEIRA, P. A. de M. O Traço de União da Áudio-descrição: versos e Controvérsias. Revista Brasileira de Tradução Visual, v. I, 2009.

LIMA, F. J.; LIMA, R. A. F. O áudio-descritor em eventos educacionais e científicos: orientações para uma áudio-descrição simultânea. Revista Brasileira de Tradução Visual, 2013.

LURIA, A. R. Pensamento e linguagem: As últimas conferências de Luria. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.

MELO, M. W. S. Acessibilidade na educação inclusiva: uma perspectiva além dos muros da escola. Sitientibus, Feira de Santana, n. 44, p. 113-127, jan./jun. 2011.

MENEGHETTI, F. K. Documentos e Debates: o que é um Ensaio-Teórico? RAC, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 320-332, mar./abr. 2011.

MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MOSQUERA, C. F. F. Deficiência visual na escola inclusiva. Curitiba: Ibpex, 2010.

MOTTA, L. M. V. de M. Áudiodescrição na escola: abrindo caminhos para leitura de mundo. Campinas, SP: Pontes Editores, 2016.

MOTTA, L. M. V. de M. Inclusão escolar e audiodescrição: orientações aos educadores. Disponível em: http://educadorainclusiva.blogspot.com/2011/05/inclusao-escolar-e-audiodescricao.html. 2011. Acesso em: 12 out. 2016.

NASCIMENTO, V. W. C. Introdução à metodologia científica. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, CESAD, 2010.

NÓBREGA, A. Caminhos para inclusão: uma reflexão sobre áudio-descrição no teatro infanto-juvenil. Jaboatão dos Guararapes, PE: SESC, 2016.

PASSERINO, L. M.; BEZ, M. R. Comunicação Alternativa: Mediação para uma inclusão social a partir do Scala. Passo Fundo: Ed. Universitária de Passo Fundo, 2015.

REILY, L. Escola Inclusiva: linguagem e mediação. 4. ed. Campinas-SP: Papirus Editora, 2011.

RIBEIRO, E. N. A imagem na relação de expressão com o texto escrito: contribuições da áudio-descrição para a aprendizagem de educandos surdos. 2011. 157 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, 2011.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 2010.

STAINBACK, S. STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Trad. Magda França Lopes. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

UNESCO. Declaração Mundial de Educação para Todos. (1990). Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: 12 jun. 2018.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. (1994) Disponível em http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 12 jun. 2018.

VIEIRA, P. Diretrizes para Áudio-Descrição e Código de Conduta Profissional para Áudio-descritores. 2009. Disponível em: http://www.associadosdainclusao.com.br/enades2016/diretrizes-para-audio-descricao-e-codigo-de-conduta-profissional-para-audio-descritores-baseados-no-treinamento-e-capacitacao-de-audio-descritores-e-formadores-dos-estados-unidos-2007-2008. Acesso em: 12 dez. 2015.

VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas V: fundamentos da defectologia. Madrid: Visor, 1997.

Publicado
2020-12-14