Subsídios para o acompanhamento de alunos com deficiência na educação profissional e tecnológica

Palavras-chave: Ensino Superior. Curso Superior de Tecnologia. Educação Especial. Educação das pessoas com deficiência. Deficiência.

Resumo

O estudo aborda a temática da inclusão na Educação Profissional e Tecnológica com o objetivo de descrever e refletir sobre o acompanhamento de alunos com deficiência no curso de Tecnologia em Alimentos. Trata-se de um relato de experiência que apresenta a inclusão de alunos com deficiência em uma faculdade de tecnologia no interior do estado de São Paulo, na qual estavam matriculados oito alunos com deficiência. A instituição de ensino disponibiliza um professor de suporte que realiza o acompanhamento do ingresso a conclusão do curso por alunos com deficiência, sendo todo o processo registrado e documentado. Assim, foram abordados aspectos como o conhecimento do aluno com deficiência ingresso, a organização do curso superior de tecnologia em relação à inclusão, a organização do atendimento educacional especializado e o acompanhamento dos alunos com deficiência. Foi possível considerar o cumprimento da lei para o acesso ao ensino superior por alunos com deficiência, mas um cenário de poucas ações efetivas para a sua permanência, assim como o esforço solitário do professor de suporte na promoção e efetivação de ações de inclusão que atendessem e colaborassem para o desenvolvimento do processo de aprendizagem dos alunos com deficiência.

Referências

ALMEIDA JÚNIOR, C. B.; FERNANDES, S. Políticas de acessibilidade no ensino superior: desafios institucionais. Estação Científica (UNIFAP), Macapá, v. 6, n. 3, p. 75-83, set./dez., 2016.

ANACHE, A. A.; CAVALCANTI, L. D. Análise das condições de permanência do estudante com deficiência na Educação Superior. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, Número Especial, p. 115-125, 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Cursos superiores de tecnologia: formação de tecnólogos. Brasília, DF: MEC, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0436.pdf. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 10 dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da pessoa com deficiência). Diário oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 152, n. 127, p. 2-72, 7 jul. 2015.

CARVALHO, R. E. A escola inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. 5. ed. São Paulo: Mediação, 2012.

DAMIANI, M. F. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, Curitiba, n. 31, p. 213-230, 2008.

ESCOTT, C. M.; MORAES, M. A. C. História da educação profissional no Brasil: as políticas públicas e o novo cenário de formação de professores nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS “HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL”, 9., 2012, João Pessoa. Anais […]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2012. p. 1492-1508.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 67. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz & Terra, 2019.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. O papel da universidade no contexto da política de educação inclusiva: reflexos sobre a formação de recursos humanos e a produção de conhecimento. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 23, n. 38, p. 345-356, 2010.

GLAT, R. Descontruindo representações sociais: por uma cultura de colaboração para a inclusão escolar. Rev. Bra. Ed. Esp., Marília, v. 24, Edição Especial, p. 9-20, 2018.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. São Paulo: LTC, 1988.

HAYASHI, C. et al. Deficiência visual no ensino superior: capacitação docente para a inclusão. In: SEMINÁRIO SOBRE INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR, 3., 2012, Londrina. Anais […]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2012. p. 81-88.

INEP - INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Superior 2017. Brasília: Inep, 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/basica-censo-escolar-sinopse-sinopse. Acesso em: 24 maio. 2021.

MANFREDI, S. M. História da educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MANZINI, E. J. Considerações sobre a entrevista para a pesquisa social em educação especial: um estudo sobre análise de dados. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; VICTOR, S. L. Pesquisa e educação especial: mapeando produções. Vitória: UFES, 2006, p. 361-386.

MARQUES, L. S.; GOMES, C. Concordâncias/discordâncias acerca do processo inclusivo no ensino superior: um estudo exploratório. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 27, n. 49, p. 313-326, 2014.

MOREIRA, L. C.; BOLSANELLO, M. A.; SEGER, R. G. Ingresso e permanência na universidade: alunos com deficiência em foco. Educar em Revista, Curitiba, n. 41, p. 125-143, 2011.

NÚÑEZ, I. B. Vigotski, Leontiev e Galperin: formação de conceitos e princípios didáticos. Brasília, DF: Liber Livro, 2009.

OLIVEIRA, A. C. M.; NERES, C. C. Trajetória da educação especial na perspectiva da inclusão escolar e o processo histórico a partir dos anos 90. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL, 8., 2013, Londrina. Anais […]. Londrina: UEL, 2013. p. 741-752. Disponível em: www.uel.br/eventos/congressomultidisciplinar/pages/…/AT01-069.pdf. Acesso em: 13 jan. 2018.

OMOTE, S. Deficiência e não-deficiência: recortes do mesmo tecido. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 1, n. 2, p. 65-74, 1994.

OMOTE, S. Estigma no tempo da inclusão. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 10, n. 3, p. 287-308, 2004.

PETEROSSI, H. G. Subsídios ao estudo da educação profissional e tecnológica. 2. ed. São Paulo: Centro Paula Souza, 2014.

PLETSCH, M. D.; LEITE, L. P. Análise da produção científica sobre a inclusão no ensino superior brasileiro. Educar em Revista, Curitiba, v. 33, n. especial 3, p. 87-106, dez. 2017.

ROCHA, T. B.; MIRANDA, T. G. Acesso e permanência do aluno com deficiência na instituição de ensino superior. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 22, n. 34, p. 197-212, 2009.

SÃO PAULO. Decreto nº 50.575, de 2 de março de 2006. Cria a Faculdade de Tecnologia de Marília, como unidade de ensino do Ceeteps. Diário Oficial [do] Estado de São Paulo: São Paulo, 2 mar. 2006. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/2006/decreto-50575-02.03.2006.html. Acesso em: 10 jan. 2018.

SHIMITE, A. S. O. Inclusão e educação tecnológica em foco: percepções de uma aluna com deficiência visual, de seus professores e de seus colegas. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2017.

SKLIAR, C. A inclusão que é “nossa” e a deficiência que é do “outro”. In: RODRIGUES, D. (org). Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 15-34.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas V: fundamentos de defectologia. Moscú: Ed. Pedagógica, 1983.

Publicado
2022-01-10
Como Citar
DA SILVA OLIVEIRA SHIMITE, A.; DA SILVA, N. R. Subsídios para o acompanhamento de alunos com deficiência na educação profissional e tecnológica. Educação: Teoria e Prática, v. 31, n. 64, p. e39[2021], 10 jan. 2022.