A influência do funcionalismo de Durkheim nas escolas técnicas industriais brasileiras (1946-1961)

Palavras-chave: Educação Profissional. Escola Nova. Pedagogia Histórico-Crítica. CBAI. Educação para o trabalho.

Resumo

Durante o nacional-desenvolvimentismo (1945-1964), abastecer o mercado com mão de obra qualificada fez-se necessário. Para tanto, as elites locais se articularam com os Estados Unidos para garantir financiamento às escolas. A gerência dos recursos coube à Comissão Brasileiro-Americana de Educação Industrial (CBAI), que publicou um periódico mensal para divulgar os feitos dos acordos bilaterais: o Boletim da CBAI divulgou textos sobre a pedagogia adotada para a formação de cidadãos-trabalhadores que se ajustassem ao meio. O objetivo aqui é refletir sobre a influência da teoria sociológica de Émile Durkheim veiculada pelo periódico, articulada à prática pedagógica dos escolanovistas, tendo o método funcionalista como justificativa para uma sociedade dividida em classes. Do ponto de vista do materialismo histórico e dialético, o texto procura contribuir com as reflexões sobre as implicações da Pedagogia escolanovista na vida social e cotidiana do trabalhador nesse período, sugerindo outras alternativas metodológicas para esse ramo de ensino. A análise indica que as propostas centradas na omnilateralidade são mais interessantes por garantirem resultados condizentes com sociedades harmoniosas e igualitárias, tal como na proposta da Pedagogia Histórico-Crítica de Saviani.

Referências

BATISTA, E. L. Trabalho e educação profissional nas décadas de 1930 e 1940 no Brasil: análise do pensamento e das ações da burguesia industrial a partir do IDORT. 2013. 259 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2013.

BORDIGNON, T. F. As ações do Estado brasileiro para o desenvolvimento do ensino industrial no Brasil (1946-1971). 2012. 160 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2012.

BORDIGNON, T. F. Revolução Burguesa e ensino profissional: o protagonismo da Comissão Brasileiro-Americana de Educação Industrial (1946-1961). 2018. 206 f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2018.

BUCI-GLUCKSMANN, C. Gramsci e o Estado: por uma teoria materialista da filosofia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980. 499 p.

CHILDS, J. A democracia e o Método Educacional. Boletim da CBAI. Rio de Janeiro, v. V, n. 1, p. 578-580, jan. 1951.

COMARU, E. C. Os subdotados e seus problemas de desajustamento escolar. Boletim da CBAI. Rio de Janeiro, v. IV, n. 12, p. 562-564, dez. 1950.

DURKHEIM, É. Educação e Sociologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

FERREIRA JR. A.; BITTAR, M. A ditadura militar e a proletarização dos professores. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 97, p. 1159-1179, 2006.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. 334 p.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos. São Paulo: Editora Schwarcz, 2009. 2. ed.

IANNI, O. O colapso do populismo no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Editora Civilização Brasileira, 1975.

KOSÍC, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1969.

LOURENÇO FILHO, M. B. Introdução ao estudo da Escola Nova. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

MACHADO, L. R. de S. Politecnia, escola unitária e trabalho. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1989.

MARX, K. O manifesto do partido comunista. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

SAVIANI, D. Escola e democracia. Campinas: Autores Associados, 2012.

SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

SELL, C. E. Sociologia clássica: Marx, Durkheim e Weber. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

Publicado
2022-04-04
Como Citar
BORDIGNON, T. A influência do funcionalismo de Durkheim nas escolas técnicas industriais brasileiras (1946-1961). Educação: Teoria e Prática, v. 32, n. 65, p. e08[2022], 4 abr. 2022.