POSSÍVEIS REPRESENTAÇÕES SOBRE CIÊNCIA NA LEITURA DE RECORTES DE TEXTOS DE CIENTISTAS E FILÓSOFOS

Palavras-chave: Leitura. Ciência e Ciências. Recortes de Textos. Representações.

Resumo

É comum em nossa sociedade, inclusive em situações escolares, falar-se da ciência como se fosse única. Resultados da produção científica são, muitas vezes, valorizados sem que o modo como foram produzidos seja abordado. Um possível imaginário sobre a existência de um método científico único pode daí derivar. Este artigo parte da constatação da relevância de se questionarem posições que possam valorizar a ciência e o método científico como se fossem únicos, ou seja, posições que não se detêm no caráter multidisciplinar dessa instituição. Buscam-se compreender algumas representações de cientistas e filósofos sobre essa questão, as quais são inferidas na leitura de discursos presentes em recortes de suas produções, sendo esses recortes selecionados tendo-se em vista possíveis reflexões sobre o questionamento apontado. Para o desenvolvimento da leitura, bem como para a noção de representação, apoiamo-nos em princípios e noções da análise de discurso na vertente pecheutiana, principalmente em produções de Eni Orlandi. Nessa vertente, o discurso é considerado efeito de sentidos entre interlocutores. Entre os resultados das análises de discursos presentes nesses recortes destaca-se a corroboração de posições que apontam diferentes maneiras de se produzirem conhecimentos científicos.

Referências

ALMEIDA, M. J. P. M.; O texto de divulgação científica como recurso didático na mediação do discurso escolar relativo à ciência. In: PINTO, G. A. Divulgação Científica e Práticas Educativas. Curitiba: Editora CRV, 2010, p. 11-22.

ALMEIDA, M. J. P. M.; PAGLIARINI, C. R. Representações numa vertente da análise de discurso e seu funcionamento em situações de ensino e pesquisa. RDIVE – Revista Discurso & Imagem Visual em Educação, v. 3, n. 1, p. 4-15, 2018.

BACHELARD, G. A Epistemologia. Coimbra: Edições 70, 1984.

BOHR, N. Física Atômica e Conhecimento Humano Ensaios 1932-1957. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995.

BRANDÃO, H. H. N. Introdução à Análise do Discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

EAGLETON, T. A. A Ideia de Cultura. São Paulo: Editora da UNESP, 2003.

MAYR, E. Biologia, Ciência Única. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

ORLANDI, E. P. A Linguagem e seu Funcionamento. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.

ORLANDI, E. P. Análise De Discurso. In: ORLANDI, E. P.; LAGAZZI-RODRIGUES, S. Discurso e Textualidade. Campinas: Pontes, 2006. p. 13-31.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. Campinas: Pontes, 2003.

ORLANDI, E. P. Discurso & Leitura. São Paulo: Cortez Editora, 1988.

PAIS, A. Os Gênios Da Ciência. Lisboa: Gradiva, 2002.

ROURE, G. Q. Vidas Silenciadas: a violência com crianças e adolescentes. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

ROBILOTTA, M. R.; BABICHAK, C. C. Definições e conceitos em física. Caderno Cedes, v. 41, p. 35-45, 1997.

VIDEIRA, A. A. P.; Para que servem as definições? In: EL-HANI, C. N.; VIDEIRA, A. A. P. O que é a vida: para entender a Biologia do Século XXI. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005, p. 17-29.

Publicado
2020-12-14