Correção textual-interativa como um andaime para a ampliação da competência escritora dos alunos da educação básica

Palavras-chave: Correção textual-interativa. Metodologias de correção. Andaimagem. Linguística aplicada.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi verificar quais são as metodologias mais adequadas a serem utilizadas pelo professor na correção de textos a fim de ampliar a competência escritora dos alunos dos anos finais do ensino fundamental. Trata-se de um estudo de caso que se filia ao campo de investigações da linguística aplicada. O corpus analisado é constituído por textos produzidos pelos alunos e corrigidos por uma professora de língua portuguesa. As análises desses registros foram informadas, principalmente, pela concepção de correção como um texto e como uma forma de diálogo em que o aluno pode se apoiar durante a reescrita. Os resultados da análise demonstram que, das três metodologias de correção mais utilizadas pela professora – resolutiva, classificatória e textual-interativa –, a última foi a que melhor desempenhou o papel de andaime para ampliação da competência escritora do aluno. Esses resultados são relevantes pois apontam conceitos e/ou caminhos alternativos para correção de textos de diversos gêneros que colaboram tanto para a formação inicial quanto continuada de professores de língua portuguesa.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília, DF: Liber Livro, 2005.

BAZARIM, M. Construindo com a escrita interações improváveis entre professora e alunos do ensino fundamental de uma escola pública da periferia de Campinas. 2006. 110 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2006a. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269737 . Acesso em: 11 jun. 2021.

BAZARIM, M. Produção e correção de textos em contexto de ensino remoto. Live apresentada por Milene Bazarim. [S.l.: Dolfer Letras UEPB], 2020a. 1 vídeo (02h23min36s). Publicado pelo canal Dolfer Letras UEPB. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=SjCTQRXJ3iA&t=445s. Acesso em: 27 mar. 2021.

BAZARIM, M. Revisitando os conceitos de reescrita, refacção e retextualização a partir de um estudo de caso. Trem das Letras, v. 7, n. 2, p. 1-25, 2020b. Disponível em: https://publicacoes.unifal-mg.edu.br/revistas/index.php/tremdeletras/article/view/670 . Acesso em: 11 jun. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília, DF: MEC, 1998.

BRITO, L. P. L. Em terra de surdos-mudos: um estudo sobre as condições de produção de textos escolares. In: GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 2001. p. 117-126.

BUIN, E. A construção da coerência textual em situações de ensino. 2006. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269737. Acesso em: 11 jun. 2021.

CRISTOVÃO, V. L. L. Para uma expansão do conceito de capacidades de linguagem. In: BUENO, L.; LOPES, M. A. P. T.; CRISTOVÃO, V. L. L. (org.). Gêneros textuais e formação inicial: uma homenagem à Malu Matêncio. Campinas: Mercado de Letras, 2013. p. 69-81.

CRISTOVÃO, V. L. L.; STUTZ, L. Sequências didáticas: semelhanças e especificidades no contexto francófono como L1 e no contexto brasileiro como LE. In: SZUNDY, P. T.C.; ARAÚJO, J. C. de; NICOLAIDES, C. S. (org.). Linguística aplicada e sociedade: ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. Campinas, SP: Pontes, 2011, p. 17-39.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita: elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 41-70.

FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. A escrita como trabalho. In: MARTINS, M. H. Questões de linguagem. São Paulo: Contexto, 1991. p. 54-63.

FRANCHI, E. E as crianças eram difíceis… a redação na escola. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

GERALDI, J. W. Escrita, uso da escrita e avaliação. In: GERALDI, J. W. O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 2001. p. 127-131.

GONÇALVES, A. V.; BAZARIM, M. (Orgs.) Interação, gêneros e letramento: a (re)escrita em foco. 2. ed. Campinas- SP: Pontes, 2013.

JESUS, C. A. Reescrevendo o texto: a higienização da escrita. In: GERALDI, J. W.; CITELLI, B. Aprender e ensinar com textos de alunos. São Paulo: Cortez, 1997. p. 101-120.

KLEIMAN, A. B. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

PALMA FILHO, J. C. Estudo de caso. In: COELHO, J. G. et al. Pedagogia cidadã: cadernos de formação: metodologia de pesquisa científica e educacional. São Paulo: Unesp, 2004. p. 123-126.

PÉCORA, A. Problemas de redação. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

POSSENTI, S. Sobre o ensino de português na escola. In: GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 2001. p. 32-38.

RUIZ, E. D. Como corrigir redações na escola. São Paulo: Contexto, 2010.

SEMINÁRIO 2015: Palestra Prof. Joaquim Dolz (1/3). São Paulo: Cenpec, 12 ago. 2015. Publicado pelo canal OlimpiadaLP Cenpec. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=K68WLhIcSrc. Acesso em: 11 jun. 2021.

SERAFINI, M. T. Como escrever textos. São Paulo: Globo, 1989.

STAKE, E. E. The case study method in social inquiry. Educacional Researcher, Washington, DC, v. 7, n. 2, p. 5-8, 1978.

TINOCO, G. M. A. M. Passeio etnográfico pela linguagem escrita: em busca de legitimação da cidadania. 2003. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2003.

VYGOTSKY, L. S. Formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

WOOD, D.; BRUNER, J. S.; ROSS, G. The role of tutoring in problem solving. Journal of Child Psychology and Psychiatry, Oxford, v. 17, n. 2, p. 89-100, 1976. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/228039919_The_Role_of_Tutoring_in_Problem_Solving. Acesso em: 27 ago. 2020.

Publicado
2022-01-10
Como Citar
BAZARIM, M.; DE SOUSA COLAÇO, J. Correção textual-interativa como um andaime para a ampliação da competência escritora dos alunos da educação básica. Educação: Teoria e Prática, v. 31, n. 64, p. e47[2021], 10 jan. 2022.