Conexões de saberes: em busca de práticas pedagógicas inclusivas a partir de terapias tradicionais quilombolas

Palavras-chave: Farmacopeia. Horta escolar. Plano de trabalho. Currículo quilombola. Educação antirracista.

Resumo

Trata-se de plano de trabalho de atividade pedagógica em escolas regulares que atendam estudantes quilombolas ou estabeleçam parcerias com comunidades quilombolas próximas. É direcionado a gestores e coordenadores pedagógicos, articulado com as recomendações das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Orienta processo de pesquisa e criação de repositório de plantas de usos tradicionais, sistematizado como farmacopeia e replicado como horta na escola. Relaciona conhecimentos e usos tradicionais de plantas medicinais e doenças recorrentes em região com comunidades quilombolas. O roteiro é apresentado num passo a passo contendo orientações sobre o processo prévio de formação do corpo docente, seguido de etapas de atividades com os alunos em interação com as comunidades quilombolas. Recomenda-se que a sistematização de suas etapas gere material didático/cartilha a ser usado e replicado nas escolas e comunidades. Para fundamentar a realização da experiência, é feita uma análise teórica breve de tópicos da educação antirracista, ressaltando a importância do diálogo entre diferentes formas de constituição de saber e produção do conhecimento. Essa discussão incluiu a reflexão sobre o processo de produção curricular e a produção de material didático.

Referências

ADICHIE, C. N. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ALMEIDA, S. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BRANDÃO, M. G. L.; ALMEIDA, J. M. A. Ensinando sobre plantas medicinais na escola. Belo Horizonte: Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG: Dataplamt, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 16, de 5 de junho de 2012. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 8, 20 nov. 2012a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 8, de 20 de novembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 224, p. 26, 21 nov. 2012b.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD). Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017.

CAMPOS, M. C.; GALLINARI, T. S. A educação escolar quilombola e as escolas quilombolas no Brasil. Revista Nera, Presidente Prudente, v. 20, n. 35, p. 199-217, 2017.

CHOPPIN, A. O manual escolar: uma falsa evidência histórica. História da Educação, Porto Alegre, v. 13, n. 27, p. 9-75, 2009.

EDUCAÇÃO quilombola. FFLCH, São Paulo, [202-]. Disponível em: http://educacaoquilombola.fflch.usp.br/oficinas-tematicas. Acesso em: 3 abr. 2020.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (Brasil). Censo escolar: notas estatísticas. Brasília, DF: Inep, 2018. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2018/notas_estatisticas_censo_escolar_2018.pdf. Acesso em: 28 mar. 2020.

MANTOAN, M. T. É. Inclusão escolar: o que? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MOURA, G. O direito à diferença. In: MUNANGA, K. (org.). Superando o racismo na escola. Brasília, DF: MEC, 2005. p. 69-82.

SILVA, G. M. Educação como processo de luta política: a experiência de “educação diferenciada” do território quilombola de Conceição das Crioulas. 2012. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Gestão da Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2012.

VIEIRA JUNIOR, N. Construção e validação de um novo índice de estilos de aprendizagem. In: VIEIRA JUNIOR, N. (org.). Educação para a ciência: edição 2013 do Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia. Brasília, DF: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, 2014. p. 177-191.

Publicado
2022-01-10
Como Citar
RÊGO MUNIZ DA SILVA, D.; BOREGAS RÊGO, Y. M. Conexões de saberes: em busca de práticas pedagógicas inclusivas a partir de terapias tradicionais quilombolas. Educação: Teoria e Prática, v. 31, n. 64, p. e53[2021], 10 jan. 2022.