Ensino remoto emergencial: as dificuldades na perspectiva de mães e mães-professoras

Palavras-chave: Ensino remoto. Gênero. Docência. Maternidade. Covid-19.

Resumo

A pandemia provocada pela covid-19 em 2020 provocou intensas mudanças no cenário social. Uma das áreas mais afetadas foi a educação, em especial a educação básica, que, sem preparo, foi da modalidade presencial à remota. Para entender como as dificuldades enfrentadas são distintamente percebidas pelas mães, mães-professoras e seus filhos durante o ensino remoto emergencial (ERE), empreendeu-se uma pesquisa de opinião, entre os meses de junho e julho de 2020, com 395 mulheres brasileiras cujos filhos estão em idade escolar, a fim de entender os impactos do início do ERE para esse grupo. Evidentemente, diferenciamos dentre as mães que compõem a amostra aquelas que exercem a docência, as quais denominamos “mães-professoras”, a fim de pontuar as diferenças entre o que cada uma dessas realidades sofreu com a experiência do ERE. Os resultados demonstram que com a prática do ensino remoto as mães tiveram que se desdobrar para auxiliar os filhos nas atividades escolares, o que provocou grande exaustão física, mental e emocional, sobretudo para as mulheres que têm mais de um filho, que trabalham fora ou que exercem o magistério. Ainda, a faixa etária dos discentes revela crianças e adolescentes entre 2 e 13 anos, que, sem preparação prévia, deixaram subitamente os espaços escolares aos quais pertenciam e tiveram que continuar as aulas de forma remota. Conclui-se que, embora não haja culpados, o processo de ensino-aprendizagem ao longo de 2020 deixou de ser um todo para tornar-se algo fragmentado, por vezes sem rumo certo, cujas consequências para os sujeitos envolvidos ainda não são claras.

Referências

Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 15 mar. 2022.

BARBOSA, A. M.; VIEGAS, M. A. S.; BATISTA, R. L. N. F. Aulas presenciais em tempos de pandemia: relatos de experiências de professores do nível superior sobre as aulas remotas. Revista Augustus, Rio de Janeiro, v. 25, n. 51, p. 255-280, 2020.

BORSOI, I. C. F.; PEREIRA, F. S. P. S. Mulheres e homens em jornadas sem limites: docência, gênero e sofrimento. Temporalis, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, p. 119-145, 2011.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 16 jul. 1990.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais/Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 126p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 15 março, 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus – covid-19. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 18 mar. 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376. Acesso em: 12 ago. 2020.

BUENO, J. G. S. Função social da escola e organização do trabalho pedagógico. Educar, Curitiba, n. 17, p. 101-110, 2001.

CARLOTTO, M. S. Síndrome de burnout em professores: prevalência e fatores associados. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, DF, v. 27, n. 4, p. 403-410, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722011000400003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 7 out. 2020.

CHAGAS, E. DataSenado: quase 20 milhões de alunos deixaram de ter aulas durante pandemia. Senado Notícias, Brasília, DF, 12 ago. 2020. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/08/12/datasenado-quase-20-milhoes-de-alunos-deixaram-de-ter-aulas-durante-pandemia. Acesso em: 22 set. 2020.

CNE aprova parecer sobre reorganização do calendário escolar em 2020. Confederação Nacional de Municípios, Brasília, DF, 4 maio 2020. Disponível em: https://www.cnm.org.br/comunicacao/noticias/cne-aprova-parecer-sobre-reorganizacao-do-calendario-escolar-em-2020. Acesso em: 7 dez. 2021.

LEVINE, D. M.; BERENSON, M. L.; STEPHAN, D. Estatística: teoria e aplicações usando Microsoft Excel em português. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

MACEDO, S. Ser mulher trabalhadora e mãe no contexto da pandemia covid-19: tecendo sentidos. Revista do Nufen, Belém, v. 12, n. 2, p. 187-204, 2020.

MULHERES dedicam mais horas aos afazeres domésticos e cuidado de pessoas, mesmo em situações ocupacionais iguais a dos homens. Agência IBGE Notícias, Rio de Janeiro, 26 abr. 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/24266-mulheres-dedicam-mais-horas-aos-afazeres-domesticos-e-cuidado-de-pessoas-mesmo-em-situacoes-ocupacionais-iguais-a-dos-homens. Acesso em: 29 jun. 2020.

NIELS, K. M. L. et al. Implicações do ensino remoto para mães, crianças e professoras. In: SILVA, C. B. (org.). Educação brasileira em perspectiva: contribuições e olhares interdisciplinares. São Paulo: Pimenta Cultural, 2021. p. 135-152. (Coleção Aspectos da Educação, v. 1).

PARDO KUKLINSKI, H.; COBO, C. Expandir la universidad más allá de la enseñanza remota de emergencia: ideas hacia un modelo híbrido post-pandemia. Barcelona: Outliers School, 2020. Disponível em: http://outliersschool.net/wp-content/uploads/2020/05/Expandir_la_universidad.pdf. Acesso em: 15 jul. 2020.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Nota técnica: ensino a distância na educação básica frente à pandemia da covid-19. São Paulo: Todos pela Educação, 2020. Disponível em: https://www.todospelaeducacao.org.br/_uploads/_posts/425.pdf Acesso em: 20 set. 2020.

TRIOLA, M. F. Introdução à estatística. 7. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

Publicado
2022-04-04
Como Citar
NIELS, K. M. L.; SALES , R. DE C. M.; PEREIRA, G. M.; CURANISHI, F. T. S. Ensino remoto emergencial: as dificuldades na perspectiva de mães e mães-professoras. Educação: Teoria e Prática, v. 32, n. 65, p. e14[2022], 4 abr. 2022.