Representações sociais de mulheres universitárias jogadoras de GTA: gênero, violência e sexualidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18675/1981-8106.v33.n.66.s17622

Palavras-chave:

Gênero. Sexualidade. Violência. Jogos Eletrônicos. Representações Sociais.

Resumo

Os jogos eletrônicos têm conquistado destaque mundial, ocupando espaço social crescente. Este estudo objetivou analisar as concepções de 10 jogadoras do Grand Theft Auto (GTA) entrevistadas sobre suas opiniões acerca do jogo. As informações foram submetidas à análise de conteúdo, pela qual se identificaram os núcleos temáticos gênero, violência e sexualidade. Para interpretação dos resultados usou-se a Teoria das Representações Sociais. Observou-se o predomínio da masculinidade como dominação ativa, em que a mulher espelha o feminino vitimado, degenerado e passivo. As concepções implicadas no jogo denotam que as relações podem ser perpetuadas, assimétricas e desiguais, ancoradas na noção de que, para haver o forte, deve existir o fraco e, para que uns dominem, outros devem ser dominados. Em conclusão, este estudo oferece elementos para que se reflita acerca dos impactos provocados pelo uso dos jogos de GTA, especificamente no que se refere aos retrocessos causados aos avanços obtidos pela sociedade por meio dos seus marcos civilizatórios, e exprime a maneira como a mulher é tratada socialmente, evidenciando o machismo estrutural. Esses jogos, portanto, funcionam como recorte social em que, de maneira contundente, constroem-se os papéis de gênero socialmente impostos.

Referências

ALVES, L. Game over – jogos eletrônicos e violência. 2004. 211 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

ANTUNES, J.; RODRIGUES, E. S. J. R. Análise do desenvolvimento temático dos estudos sobre games na educação. Educação e Pesquisa, [S. l.], v. 48, n. contínuo, p. e240020, 2022. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/198969. Acesso em: 15 abr. 2023.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1991.

BORTOLINI, A. Diversidade sexual e de gênero na escola. Revista Espaço Acadêmico. n. 123. 2011. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/13953/7591. Acesso em: 15 abr. 2023.

BRISTOT, P. C.; POZZEBON, E; FRIGO, L. B. A Representatividade das Mulheres nos games. SBC – Proceedings of SBGames, 2017. Disponível em: https://www.sbgames.org/sbgames2017/papers/CulturaFull/175394.pdf. Acesso em: 18 abr. 2023.

BUTLER, J. Problema de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CAMARGO, M. L; CORRER, R. A pesquisa em psicologia: ensaio sobre a Psicologia enquanto ciência, a pesquisa qualitativa e o uso da entrevista como principal instrumento de coleta de dados. Revista Mimeses - Ciências Humanas, v. 32, n. 2, p. 147-172, 2011. Disponível em: https://secure.unisagrado.edu.br/static/biblioteca/mimesis/mimesis_v32_n2_2011_art_04.pdf. Acesso em: 15 abr. 2023.

DE ABREU FRANÇA, L.; STENGEL, M.; SILVA DE ASSUNÇÃO, M. M. Elas no controle: mulheres gamers e as relações de gênero no ambiente virtual de jogos. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 4, n. 8, p. 181-200, 16 dez. 2019. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/22036. Acesso em: 15 abr. 2023.

DE NAPOLI, D. F; GOMES, F. G. C. Jogos virtuais violentos e influências no psiquismo humano. Revista Uningá, [S. l.], v. 29, n. 1, 2017. Disponível em: https://revista.uninga.br/uningareviews/article/view/1908. Acesso em: 15 abr. 2023.

FERNANDES, D. M.; CARRAMILLO-GOING, L.; DE LEMOS, D. I. M.; AVOGLIA, H. R. C.; ALVES, H. Jogos eletrônicos, violência e desenvolvimento moral. Bol. – Acad. Paul. Psicol., São Paulo, v. 37, n. 92, p. 94-114, jan. 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2017000100008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 abr. 2023.

GONCALVES, M. K.; AZAMBUJA, L. Onde termina o uso recreativo e inicia a dependência de jogos eletrônicos: uma revisão da literatura. Aletheia, Canoas, v. 54, n. 1, p. 146-155, jun. 2021. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942021000100017&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 16 abr. 2023.

FORTIM, I.; MONTEIRO, L. F. Representações da figura feminina nos Videogames: A visão das jogadoras. SBC – Proceedings of SB Games, 2013. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Ivelise_Fortim/publication/276026799_Representacoes_da_figura_feminina_nos_Videogames_A_visao_das_jogadoras/links/554e5fb308ae739bdb8f23f9/Representacoes-da-figura-feminina-nos-Videogames-A-visao-das-jogadoras.pdf. 15 abr. 2023.

GASOTO, A. C. G.; VAZ, T. R. D. A MULHER GAMER: Uma análise da presença das mulheres nos jogos virtuais. Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação (EIGEDIN), v. 2, n. 1, 6 dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/EIGEDIN/article/view/7116. Acesso em: 18 abr. 2023.

LEMOS, I. L.; GOUVEIA, R. C. de; ALVES, L. R. G. As representações sociais de violência dos usuários de jogos eletrônicos. Gerais, Rev. Interinst. Psicol., Juiz de Fora, v. 7, n. 2, p. 199-207, dez. 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202014000200008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 abr. 2023.

LOURO, G. L. Educação e docência: diversidade, gênero e sexualidade. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, [S. l.], v. 3, n. 4, p. 62–70, 2018. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/31. Acesso em: 15 abr. 2023.

MALTA, A. R; SABBATINI, M. A Mulher em jogo: as relações entre jogos digitais e gênero. Revista Humanae. v. 10, n. 1, 2016. Disponível em: http://humanae.esuda.com.br/index.php/humanae/article/view/530/158. Acesso em: 18 abr. 2023.

MEZA-MAYA, C. V.; LOBO-OJEDA, S. M. Formação em valores sociais para adolescentes que jogam Grand Theft Auto V. Rev.latinoam.cienc.soc.niñez juv, Manizales, v. 15, n. 2, p. 1051-1065, jul. 2017. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1692-715X2017000200018&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 abr. 2023.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

DE NAPOLI, D. F.; GOMES, F. G. C. Jogos virtuais violentos e influências no psiquismo humano. Revista Uningá, [S. l.], v. 29, n. 1, 2017. Disponível em: https://revista.uninga.br/uningareviews/article/view/1908. Acesso em: 16 abr. 2023.

NASCIMENTO, J. Estereótipos femininos nos jogos eletrônicos online: um estudo sobre representações de gênero em League of Legends. 2016. 87 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/28032/1/Estere%C3%B3tipos%20femininos%20nos%20jogos%20eletr%C3%B4nicos%20online.pdf. Acesso em: 18 abr. 2023.

RETONDAR, J. J. M, B.; BONNET J. C.; HARRIS, E. R. A. Jogos eletrônicos: corporeidade, violência e compulsividade. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 38 (1):3 10, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbce/a/zD9VnBmkBNTgrRLhZ6PSQ3N/abstract/?lang=pt. Acesso em: 18 abr. 2023.

ROMANUS, J. S. Gênero em jogo: um olhar sobre personagens e as representações de tipos de feminilidades e masculinidades nos games de ação contemporâneos. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, SP, Brasil, 2012. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2994/1/CT_CODEG_2012_1_08.pdf. Acesso em: 18 abr. 2023.

SAFFIOTI, H. I. B. Violência de gênero no Brasil atual. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 02, supl. especial, p. 443-461, dez. 1994. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X1994000300035&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 abr. 2023.

SALDANHA, L.; SILVA, S. M. da.; FERREIRA, P. D. Game Jams: novos lugares educativos? Educação e Pesquisa, [S. l.], v. 49, n. contínuo, p. e249534, 2023. DOI: 10.1590/S1678-4634202349249534por. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/209017. Acesso em: 15 abr. 2023.

SANTANA, F. C.; JÚNIOR, O. F. de C.; BERNARDO, R.; VICENTE, F. E.; BERNARDO, C. H. C. Mulheres Gamers: uma análise da hostilidade enfrentada pelas mulheres em jogos virtuais. Cad. Gên. Tecnol., Curitiba, v. 15, n. 46, p. 120-138, jul./dez. 2022. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt. Acesso em: 16 abr. 2023

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, [S. l.], v. 20, n. 2, 2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721. Acesso em: 15 abr. 2023.

UNESCO. Organização das Nações Unidas Para a Educação, a Ciência e a Cultura. Orientações técnicas internacionais de educação em sexualidade: uma abordagem baseada em evidências. 2. ed. Revisada, 2019. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/in/documentViewer.xhtml?v=2.1.196&id=p::usmarcdef_0000369308&file=/in/rest/annotationSVC/DownloadWatermarkedAttachment/attach_import_c8f60111-c183-4084-8a5c-fd097b5e5369%3F_%3D369308por.pdf&locale=en&multi=true&ark=/ark:/48223/pf0000369308/PDF/369308por.pdf#%5B%7B"num"%3A111%2C"gen"%3A0%7D%2C%7B"name"%3A"XYZ"%7D%2C0%2C842%2Cnull%5D. Acesso em: 16 abr. 2023

Downloads

Publicado

2023-05-31

Como Citar

CORRER, R.; SENEM, C. J. .; SOUFEN, C. C. .; OLIVEIRA NETO, M. de; MATOS, J. M. C. de . Representações sociais de mulheres universitárias jogadoras de GTA: gênero, violência e sexualidade. Educação: Teoria e Prática, [S. l.], v. 33, n. 66, p. e42[2023], 2023. DOI: 10.18675/1981-8106.v33.n.66.s17622. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/17622. Acesso em: 18 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)