ANÁLISE DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: AUTOETNOGRAFIA E REFLEXÃO CRÍTICA NO CONTEXTO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

Palavras-chave: Análise das práticas. Autoetnografia. Educação Superior na Amazônia. Saberes docentes.

Resumo

Este trabalho apresenta reflexões sobre a ação pedagógica na educação superior com vistas ao processo de socialização e desenvolvimento profissional, inserindo-se na ideia de desprivatização da prática docente, no sentido de quebrar o modelo historicamente construído do ato privado e isolado de ensinar restrito ao âmbito da sala de aula (COCHRAN-SMITH, 2012). Assim, este estudo tem como objetivo analisar e refletir sobre a prática profissional docente na educação superior, na formação do professor de Educação Física, em uma Instituição de Educação Superior (IES) na Amazônia. Trata-se de um estudo autoetnográfico, descritivo, de abordagem qualitativa, delineado por quatro etapas e de acordo com os seguintes processos de reflexão crítica: descrever, informar, confrontar e reconstruir (SMYTH, 1992). Com base nos resultados apresentados, evidenciou-se que a análise das práticas nos cursos de formação de professores é uma estratégia formativa e reflexiva importante tendo-se em vista a constituição da identidade docente na educação superior e pautando-se nos saberes da ação pedagógica e das práticas que devem fundamentar e sustentar o processo formativo. Concluímos que essa perspectiva apresenta como implicação a necessidade de uma mudança paradigmática nos processos formativos, os quais devem ser pautados na ação-reflexão-ação (SCHÖN, 2000) nos diferentes campos da formação profissional de professores.

Referências

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação. Trad. Maria João Alvarez e Telmo Mourinho Baptista, Rev. Antônio Branco Vasco. Porto Editora, Portugal, 1994.

BOSSLE, F.; MOLINA NETO, V. No “olho do furacão”: uma autoetnografia em uma escola da rede municipal de ensino de porto alegre, Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 31, n. 1, p. 131-146, set. 2009.

BOURDIEU, P. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, R. (org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, p. 46-81, 2003.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: CNE/CP 02/2015.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para Graduação em Educação Física em nível superior de graduação plena. Brasília, DF: CNE/CP 01. 2002.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacional – PCN/Educação Física, v. 7. Brasília: MEC/SEF, 1998.

COCHRAN-SMITH, M. A Tale of Two Teachers: Learning to Teach Over Time. Kappa Delta Pi Record, Londres, v. 48, n. 3, p. 108-122, 2012.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. Trad. Sandra Trabusco Valenzuela. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

DARIDO, S. C. Caderno de Formação: formação de professores didática dos conteúdos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. (org.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Trad. Francisco Pereira, Ijuí. Editora: Unijui, 1998.

HOLMES GROUP. Tomorrow's teachers: a report of the Holmes Group. East Lansing. Michigan: Holmes Group, 1986.

MIZUKAMI, M. G. N. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman. Rev. Educação, v. 29, n. 2, p. 33-49, 2004.

NÓVOA, A. Formação de Professores e profissão docente. In: Nóvoa, A. (org). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote.1999. p. 13-33.

ORTIZ, H. M. O professor reflexivo:(re) construindo o" ser" professor. In: IV Congresso de Educação do Movimento Humanidade Nova-Educação a fraternidade: um caminho possível. p. 1-10, 2008.

PAQUAY, L PERRENOUD, P.; ALTET, M.; CHARLIER E. Formando professores profissionais. Quais estratégias? Quais competências? Porto Alegre: Artmed Editora. 2001.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo designe para o ensino e a aprendizagem; trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000

SETTON, M. G. J. A teoria do Habitus em Pierre Bourdieu. Revista Brasileira de Educação, ANPED, n. 20, p. 60-70, 2002.

SILVA, M. O habitus professoral: o objeto dos estudos sobre o ato de ensinar na sala de aula. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n. 29, p. 152-163, 2005.

SMYTH, J. Teacher’s Work and the Politics of Reflection. American Educational Research Journal, v. 29, n. 2, p. 267-300, 1992.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 3. ed. Trad. Francisco Pereira. Petrópolis, RJ: Vozes. 2013.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interação humanas. Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

WITTORSKI, R. A contribuição da análise das práticas para a profissionalização dos professores. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 154 p. 894-911, dez. 2014.

ZEICHNNER, K. M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Trad. A. J. Carmona Teixeira, M aria João Carvalho e Maria Nóvoa. Coleção Educa – Professores: Lisboa, 1993.

Publicado
2020-12-14