Educação ambiental crítica e emancipatória: pandemia e ambiente nas encruzilhadas do olhar político

Palavras-chave: Pandemia. Necropolíticas. Educação Ambiental. Emancipação Humana.

Resumo

Neste estudo, aborda-se a disseminação da pandemia de COVID-19 na perspectiva de suporte e sustentabilidade dos habitats humanos, realidade que comprometeu contingentes alarmantes da população mundial e brasileira. Adotou-se o método observacional, estipulando recortes temporais e espaciais desde as primeiras infecções ocorridas no país até o final do mês de junho de 2020, utilizando-se pesquisas bibliográficas e documentais (on-line). Constatou-se que o desordenamento territorial subposto às medidas ineficientes agravou as estruturas já impactadas pela cadeia histórica e turbulenta de produção e consumo. A injustiça ambiental revelada na insegurança habitacional e alimentar traz pesados traumatismos sociais em meio às compulsivas inércias ou déficit das gestões públicas, sempre convulsionadas pelo requinte de necropolíticas. Relevam-se os anseios da educação crítica e emancipatória a munir os sujeitos e governanças de novas educabilidades e racionalidades que conduzam os enfrentamentos das novas carências e ausências, assim como a sustentabilidade engendrada no pensamento corretivo do poder público em promover a redistribuição dos bens e serviços que estabeleçam a real democracia dos espaços.

Referências

ACSELRAD, H. Conflitos ambientais – a atualidade do objeto. In: ACSELRAD, H. Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará – Fundação Heinrich Böll, 2004. p. 07-11.

ACSELRAD, Henri; MELLO, Cecília Campello do Amaral; BEZERRA, Gustavo das Neves.
O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

AHANA, Victor. Desigualdade recorde: 1% mais rico tem 33 vezes mais que 50% mais pobre. Revista Carta Capital. Economia. 16 de outubro de2019. Post Tags. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/economia/desigualdade-recorde-1-mais-rico-tem-33-vezes-mais-que-50-mais-pobre/. Acesso em: 30 mai. 2020.

ALVES, Giovanni. O que é a mundialização do capital. In: Trabalho e mundialização do capital: a nova degradação do trabalho na era da globalização. 2 ed. Londrina: Práxis, 1999. p. 53-77.

BAQUEIRO, Rute Vivian Angelo. Empoderamento: instrumento de emancipação social? - uma discussão conceitual. Revista Debates, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p.173-187, jan.-abr. 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/debates/article/view/26722/0. Acesso em: 03 mai. 2020.

BRASIL. Lei n. 9795, de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Presidência da República. 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 19 abr. 2020.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CORONAVÍRUS: imagens da NASA mostram queda da poluição na China em meio ao surto. BBC News. 01 mar. 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-51699211. Acesso em: 25 mai. 2020.

DIAMOND, Jared. Colapso: como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso. 8 ed. Rio de Janeiro: Record, 2012.

FERNANDEZ, Fernando. Aprendendo a lição de Chaco Canyon: do desenvolvimento sustentável a uma vida sustentável. Instituto Ethos Reflexão. São Paulo, v. 15, p. 1-19, 2005. Disponível em: https://www.ethos.org.br/wp-content/uploads/2013/02/Reflex%C3%A3o15.pdf. Acesso em: 16 mai. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

HARDIN, Garrett. 1968. The Tragedy of the Commons. Science. 162:1243-1248. Disponível em: http://www.sciencemag.org/content/162/3859/1243.full.pdf. Acesso em: 16 mai. 2020.

HERCULANO, Selene. Justiça ambiental: de love canal à cidade dos meninos, em uma perspectiva comparada. In: Justiça e sociedade: temas e perspectivas. MELLO, M. P. de (org.) São Paulo: LTr, 2001, p. 215-238.

JOHNS HOPINKS. COVID-19 Dashboard by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE). Universidade Johns Hopkins. Disponível em: https://coronavirus.jhu.edu/map.html. Acesso em: 07 mai. 2020.

LAYRARGUES, P. P. Democracia e arquitetura do poder na política nacional de Educação Ambiental. Ambiente & Educação. v. 14, p. 34, 2009.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

LEFF, Enrique. Epistemologia ambiental. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LEFF, Enrique. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Educação Ambiental Crítica: contribuições e desafios. In: Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília: BRASIL/MEC/MMA – UNESCO, 2007. p. 65-72.

MANIFESTO PELA VIDA - Por uma ética para a sustentabilidade. Bogotá, Colômbia, em 2-4 de Maio de 2002. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/manifestovida.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial: O homem unidimensional. Trad. Giasone Rebuá. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1973.

MARX, Karl. A contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MÉSZAROS, István. Mészáros: Igualdade substantiva e democracia substantiva. Blog da Boitempo. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2017/12/19/meszaros-igualdade-substantiva-e-democracia-substantiva/2017. Acesso em: 02 mai. 2020.

MOURA, Danieli Veleda. Justiça Ambiental: um instrumento de cidadania. Qualitas Revista Eletrônica. Vol. 9. No 1. 2010. p. 1-10. Disponível em: http://revista.uepb.edu.br/index.php/qualitas/article/view/524/413 Acesso em: 29 abr. 2020.

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS. Mapa da desigualdade: As capitais brasileiras e os impactos da Covid-19. 19 mai. 2020. Disponível em: https://www.cidadessustentaveis.org.br/noticia/detalhe/mapa-da-desigualdade-as-capitais-brasileiras-e-os-impactos-da-covid-19. 2020a. Acesso em: 28 mai. 2020.

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS. Mapa da desigualdade: Renda e mortalidade por Covid-19 nas capitais brasileiras. 19 mai. 2020. Disponível em: https://www.cidadessustentaveis.org.br/noticia/detalhe/mapa-da-desigualdade-renda-e-mortalidade-por-covid-19-nas-capitais-brasileiras. 2020b. Acesso em: 28 mai. 2020.

RAMMÊ, Rogério Santos. Da justiça ambiental aos direitos e deveres ecológicos: conjecturas político-filosóficas para uma nova ordem jurídico-ecológica. Caxias do Sul-RS: Educs, 2012.

RAMOS, Roberto Santos. Nas águas de Guimarães: os desafios da pesca artesanal. São Luís: Edufma, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus (e-book). Boitempo, 2020. Disponível em: https://www.boitempoeditorial.com.br/produto/e-a-cruel-pedagogia-do-virus-958. Acesso em: 14 mai. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Os processos da Globalização. In: SANTOS. B de S. (org) A globalização e as Ciências Sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 25 - 93

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. São Paulo: Edusp, 2008a. (Coleção Milton Santos, 1)

SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. 5 ed. São Paulo: Edusp, 2008b. (Coleção Milton Santos, 6).

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 3 ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, Roserverck Estrela. O direito à cidade, democracia pandêmica e racismo: entre o discurso e a realidade. Blog PSTU. Disponível em: https://www.pstu.org.br/o-direito-a-cidade-democracia-pandemica-e-racismo-entre-o-discurso-e-a-realidade/. Acesso em: 5 mai. 2020.

SILVA, Maria de Fátima Sousa. Percepção e Educação Ambiental no contexto do rio Itapecuru. Dissertação – Mestrado em Desenvolvimento e meio ambiente. Universidade Federal do Piauí – UFPI. Teresina, PI, 2015.

SILVEIRA, Daniel. Cerca de 18,4 milhões de brasileiros não recebem água encanada diariamente, aponta IBGE. G1.globo.com. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/2020/05/06/cerca-de-184-milhoes-de-brasileiros-nao-recebem-agua-encanada-diariamente-aponta-ibge.ghtml. 2020. Acesso em: 12 mai. 2020.

SOUSA-LIMA, José Edmilson de. Economia ambiental, ecológica e marxista versus recursos naturais. Revista da FAE. Vol. 7 n.1. p. 119 – 127. Curitiba, FAE 2004. Disponível em: https://revistafae.fae.edu/revistafae/article/view/438. Acesso em: 18 mai. 2020.

SORRENTINO, M. et al. Educação como política pública. In Educação e Pesquisa. V. 31, n. 2. São Paulo, 2005. p. 285 - 299

TOSTES, Anjuli; MELO FILHO, Hugo. Quarentena: reflexões sobre a pandemia e depois. 1. ed. Bauru: Canal 6, 2020.

UNICEF. 1 em cada 3 pessoas no mundo não tem acesso a água potável, dizem o UNICEF e a OMS. UNICEF Brasil. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/1-em-cada-3-pessoas-no-mundo-nao-tem-acesso-agua-potavel-dizem-unicef-oms. 2019. Acesso em: 12 mai. 2020.
Publicado
2022-04-13
Como Citar
RAMOS, R. S.; FRANCO, J. R. C.; SILVA, M. DE F. S. Educação ambiental crítica e emancipatória: pandemia e ambiente nas encruzilhadas do olhar político. Educação: Teoria e Prática, v. 32, n. 65, p. e06[2022], 13 abr. 2022.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)