EDUCAÇÃO NO CAMPO, FORMAÇÃO DOCENTE E O PROTAGONISMO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS: DIVERSIDADE TERRITORIAL EM DEBATE

Palavras-chave: Formação de Professores. Educação do Campo. Amazônia. Movimentos Sociais do Campo.

Resumo

Este artigo aborda o protagonismo dos movimentos sociais que visam a assegurar o direito à educação das populações rurais em sua luta por espaço político, apontando para políticas de formação de professores que reconheçam as múltiplas territorialidades da Amazônia paraense. Para demonstrar a realidade atual da educação básica nas redes públicas rurais, utilizamos dados extraídos do Censo Escolar (2017) com o objetivo de evidenciar a existência de um abismo entre aqueles que pensam e planejam as políticas públicas educacionais e os que verdadeiramente experimentam os desafios educacionais nessas localidades. Ao analisar os desdobramentos dessas políticas em suas vivências individuais e coletivas de professores e alunos, o artigo conclui que há a necessidade de uma formação inicial e continuada de professores no campo, fundamentada na perspectiva de Educação do Campo com base nas propostas dos movimentos sociais, com suas implicações político-pedagógicas em consonância com as territorialidades desses povos.

Referências

ALMEIDA, M. Quem são os povos da floresta? Cadernos SBPC 30. Povos da floresta: Cobertura jornalística feita a partir de conferências e mesas-redondas apresentadas na 59ª Reunião Anual da Sociedade para o Progresso da Ciência (SBPC), 2007, p. 15-16. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/59ra/pdf/30%20Povos%20da%20floresta.pdf. Acesso em: 20 maio 2018.

ARROYO, M. G. Os Desafios de Construção de Políticas para a Educação do Campo. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Departamento de Ensino Fundamental. Educação do Campo: Cadernos Temáticos, Curitiba: SEED, 2005.

BARROS, O. F.; HAGE, S. M. Currículo e Educação do Campo na Amazônia: referências para o debate sobre a multisseriação na escola do campo. Espaço do Currículo, v.3, n.1, p.348-362, 2010. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec 348. Acesso em: 10 set. 2013.

BRASIL. Decreto nº 7.352, de 04 de dezembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – Pronera. Brasília, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm. Acesso em: 17 mar. 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/109224/lei-de-diretrizes-e-bases-lei-9394-96. Acesso em: 11 out. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Panorama da Educação no Campo. – Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2007.Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/484154/Panorama+da+Educa%C3%A7%C3%A3o+do+Campo/5b9c2ed7-208b-48ff-a803-cd3851c5c6c9?version=1.2. Acesso em: 2 jun. 2018.

CALDART, R. S. Sobre educação do campo. In: SANTOS, C. A. dos (org.). Educação do campo: campo –políticas públicas – educação. (NEAD Especial: 10). Brasília: INCRA; MDA, 2008, p. 44-55.

CAVALCANTE, L. I. P.; WEIGEL, V. A. C. de M. Educação na Amazônia: oportunidades e desafios. Disponível em www.desenvolvimento.gov.br. Acesso em: 2 abr. 2015.

CORRÊA, S. R. M.; HAGE, S. M. Amazônia: a urgência e necessidade da construção de políticas e práticas educacionais inter/multiculturais. Revista Nera, ano 14, n. 18, p. 79-105, 2011. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index.php/nera/article/view/1336.pdf. Acesso em: 30 jun. 2014

CRUZ, C. R.; HAGE, S. M. Protagonismo e Regulação como referências para análise das Políticas e Práticas em Educação do Campo. Revista Teias, v. 14, n. 33, p. 8-24, 2013: Dossiê Especial. Disponível em: http://37reuniao.anped.org.br/wp-content/uploads/2015/02/Trabalho-GT03-3952.pdf. Acesso em 6 jun. 2014.

FRAXE, T. de J. P.; WITKOSKI, A. C.; MIGUEZ, S; F. O ser da Amazônia: identidade e invisibilidade. Ciência e Cultura, v. 61, n. 3, p. 30-32, 2009. Disponível em:http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252009000300012&script=sci_arttext&tlng=es.pdf. Acesso em: 30 maio 2019.

HAGE, S. M. Desafios da Educação nas Múltiplas Amazônias: ultrapassar fronteiras e superar limites. Conferência de Abertura. 2ª ANPED Norte, Rio Branco, 2018.

HAGE, S. M. Por uma Educação do Campo na Amazônia: currículo e diversidade cultural em debate. In: CORRÊA, P. S. de A. (org.). A Educação, o Currículo e a Formação dos Professores. Belém, EDUFPA, p. 149-170, 2006. Disponível em: https://pt.slideshare.net/curriculoemmovimentopara/por-uma-educao-do-campo-na-amaznia-currculo-e-diversidade-cultural-em-debate-salomo-hage.pdf. Acesso em: 8 set. 2014.

HAGE, S. M. Transgressão do paradigma da (Multi)seriação como referência para a construção da escola pública do campo. Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 129, p. 1165-1182, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01165.pdf. Acesso em: 10.ago. 2017.

HAGE, S. M. Movimento Paraense por uma Educação do Campo e seus impactos na Escola Pública. Relatório de pesquisa referente ao período 30/11/2011 a 30/12/2013, projeto com apoio do CNPq, aprovado no Edital Universal nº 14/2011. (digitalizado).

GONÇALVES, C. W. P. Amazônia, Amazônias. 2. ed. São Paulo: Contexto, p.119, 2005.

OLIVEIRA, J. A.; SHOR, T. Das cidades da natureza à natureza das cidades. In: TRINDADE JUNIOR, S.-C. C.; TAVARES, M. G. da C. (org.). Cidades ribeirinhas na Amazônia: mudanças e permanências. Belém: EDUFPA, p. 184, 2008.

SCHABACH, L. M. Mapeamento das populações do campo no Brasil e grandes regiões. Relatório Preliminar. Pesquisa Nacional: Caracterização das práticas educativas com crianças de 0 a 6 anos moradoras nos territórios rurais brasileiros. UFRGS/MEC/SEB/COEDI, Porto Alegre: 2012.

SILVA, A. P. S. et al. Relatório Parcial de Atividades. Ação 1 – Pesquisa bibliográfica sobre educação infantil de crianças de 0 a 6 anos moradoras de territórios rurais. Pesquisa Nacional: Caracterização das práticas educativas com crianças de 0 a 6 anos de idade residentes em área rural. 2012.

SOUZA, M. A. de. A pesquisa sobre educação e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) nos Programas de Pós-Graduação em Educação. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 36, p. 443-461, set./dez. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n36/a05v1236.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

VEIGA, J. E. da. Cidades Imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. São Paulo: Campinas, Editora Autores Associados,2003.

Publicado
2020-12-14