Percepção de professoras sobre o papel da escola na formação do bom hábito alimentar

Palavras-chave: Hábito alimentar. Escola. Ensino fundamental I.

Resumo

Este estudo, de natureza qualitativa, objetivou identificar e analisar a percepção de professoras atuantes no ensino fundamental I em escolas da rede pública sobre o papel da escola na formação do bom hábito alimentar. A partir dos dados coletados por meio de um questionário aplicado a 70 professoras, foi possível afirmar que elas têm conhecimento acerca da relevância de se trabalhar na escola a temática educação alimentar e nutricional. Na percepção dessas professoras, a escola se configura como um espaço apropriado para abordar o referido tema entre os alunos. Ainda que essas docentes não tenham recebido formação sobre o assunto, seja na formação inicial e/ou continuada, elas se mostraram preparadas e otimistas com a possibilidade de vir a trabalhar com o tema, o qual poderá ser incluído no planejamento do conteúdo de Ciências. Esse quadro sinaliza possibilidades de êxito no trato da educação alimentar na escola, caso possa contar com o apoio dos órgãos ligados às políticas educacionais nas escolas públicas do país.

Referências

AFONSO, C. T.; CUNHA, C. F.; OLIVEIRA, T. R. P. R. Tratamento da obesidade na infância e adolescência: uma revisão da literatura. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 18, n. 4, p. 131-138, 2008.

BRASIL, A. L.; DEVINCENZI, M. U.; RIBEIRO, L. C. Nutrição infantil. In: SILVA, S. M.; MURA, J. D. Tratado de alimentação, nutrição & dietoterapia. São Paulo: Roca; 2007. p. 347-61.

BRASIL, Presidência da República. Lei nº 13.666, de 16 de maio de 2018. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para incluir o tema transversal da educação alimentar e nutricional no currículo escolar. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília,16 maio 2018.

BRASIL. Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Diário Oficial da União 2009; 17 jun.

CARVALHO, A. P. de L. S. Importância da alimentação para melhorias na aprendizagem de crianças em unidades públicas de ensino: revisão integrativa. Revista Somma, v. 2, n. 2, p. 74-83, 2016.

DALCASTAGNÉ, G. et al. A influência dos pais no estilo de vida dos filhos e sua relação com a obesidade infantil. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo, v. 2, n. 7, p. 44-52, jan./fev. 2008.

FEHRING, R. J. Methods to validate nursing diagnoses. Heart and Lung, v. 16, n. 6, p. 625-9, 1987.

FERREIRA, J. S.; AYDOS, R. D. Prevalência de hipertensão arterial em crianças e adolescentes obesos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 97-104, 2010.

FRANCELIN, M. M. Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias e paradoxos. Cienc Inf; v. 33, p. 26-34, 2004.

GARDEN, F. L. et al. Infant and early childhood dietary predictors of overweight at age 8 years in the CAPS population. Eur J Clin Nutr. v. 65, p.454-62, 2011.

GOLDANI, M. Z. et al. O impacto da transição demográfico-epidemiológica na saúde da criança e do adolescente do Brasil. Revista HCPA. Porto Alegre. v. 32, n. 1, p. 49-57, 2012.

HERCULANO, T. B. et al. Alimentação saudável: o papel da escola na construção de novos hábitos. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba. 2010.

MANCUSO, A. M. C. et al. O papel da alimentação escolar na formação dos hábitos alimentares. Rev Paul Pediatr, v. 31, n. 3, p. 324-30, 2013.

MALTA, D. C. et al. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 51, suppl 1, 4S, 2017.

MINAS GERAIS. Decreto nº 47.557, de 10 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a promoção da educação alimentar e nutricional nas escolas públicas e privadas do sistema estadual de ensino, 2018.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

NEUTZLING, M. B. et al. Hábitos alimentares de escolares adolescentes de Pelotas, Brasil. Revista de Nutrição, v. 23, n. 3, p. 379-88, 2010.

PAIXÃO, J. A. et al. Percepção da obesidade juvenil entre professores de educação física na educação básica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 22, n. 6, p. 501-505, 2016.

RAMOS, M.; STEIN, L. M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. Jornal de Pediatria, v. 76, supl. 3, p.229-237, 2000.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre a ciência [livro eletrônico]. São Paulo: Cortez, 2018.

SCHMITZ, B. A. S. et al. A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis: uma proposta metodológica de capacitação para educadores e donos de cantina escolar. Cad Saúde Pública. v. 24, supl. 2, 2008.

SOUZA, E. A. et al. Atividade física e alimentação saudável em escolares brasileiros: revisão de programas de intervenção. Cadernos de Saúde Pública, v. 27, p. 1459-1471, 2011.

TRICHES, R. M.; GIUGLIANI, E. R. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev Saúde Publica, v. 39, p. 541-547, 2005.

VINER, R. M. et al. 50-year mortality trends in children and young people: a study of 50 low-income, middle-income, and high-income countries. The Lancet, v. 377, n. 9772, p. 1162-1174, 2011.

Publicado
2021-06-15
Como Citar
PAIXÃO, J. A. DA; GOMES DE SOUZA, E. C.; DE OLIVEIRA, F. A.; GERALDO MATOS, G. B. Percepção de professoras sobre o papel da escola na formação do bom hábito alimentar. Educação: Teoria e Prática, v. 31, n. 64, p. e26[2021], 15 jun. 2021.