Tecendo saberes a respeito do processo criativo na docência da educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18675/1981-8106.v33.n.66.s15809

Palavras-chave:

Processo criativo na docência. Professor. Criança. Educação infantil.

Resumo

O texto apresenta reflexões acerca do processo criativo na docência especialmente dedicada à criança, observando ações e estabelecendo diálogos com uma professora da educação infantil da rede pública do município de Barueri, zona oeste da Região Metropolitana de São Paulo. A pesquisa apoia-se na metodologia qualitativa, estudo de caso, apresentando reflexões sobre o projeto “Por causa da luz”, desenvolvido com uma turma de 27 crianças com 5 anos de idade. Os conceitos desenvolvidos por Vygotsky, que estabelecem relações entre atividade imaginativa e realidade, o fluir de ideias correntes, elaborado por Csikzentmihalyi, e a coragem de criar, segundo May, são os principais aportes teóricos em que se baseia este estudo. O processo inicia-se quando o professor se encontra em situações reais que requerem soluções criativas. Se o interesse das crianças é percebido e compartilhado, ocorre o encontro, permeado de emoções, que gera o fluir criativo. Evidenciou-se no desenvolvimento deste artigo que o processo criativo na docência é alimentado e cultivado por pesquisas, trabalho árduo, sério, com metas claras e coragem o suficiente para inovar.

Referências

BARBOSA, M. C. S., HORN, M. G. S. Projetos pedagógicos na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. (Versão dezembro 2017). Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Brasília, MEC/Secretaria de Educação Básica, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relat_seb_práticas_cotidianas.pdf. Acesso em: 20 fev. 2021.

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Básica. Brasília, 2009.

CORSARO, W. A. A reprodução interpretativa no brincar ao faz-de-conta das crianças. Educação, Sociedade & culturas, n. 17, 2002, p. 113-134. Disponível em: http://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC17/17-5.pdf. Acesso em: 1 fev. 2021.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Neuronilla entrevista a Mihaly Csikszentmihaly. Entrevista concedida a Fundación Neuronilla para la creatividad e Inovación. Disponível em: https://www.neuronilla.com/wp-content/uploads/2012/03/MIHALY-CSIKZENTMIHALYI-Entrevista-Neuronilla.pdf. Acesso em: 5 jan. 2021.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Creatividad: el fluir y la psicologia del descubrimento y la invencion. Barcelona, Espanha: Paidos, 1998.

DEWEY, J, 1859-1952. Experiência e educação. Tradução de Anísio Teixeira. 2. ed. São Paulo: Nacional, 1976, p. 65-72.

FILIPPINI T.; GIUDICI, C. Tornando visível a aprendizagem: crianças que aprendem individualmente e em grupo. São Paulo: Phorte Editora, 2014.

GARDNER, H. As Artes e o Desenvolvimento Humano: um estudo psicológico artístico. Tradução de Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1997, p. 49-52; 282-319.

LARA, R. Acasos, serendipidade e insights nos processos criativos de artistas visuais. Revista Tríades: Transversalidade, Design, Linguagens. v. 1, n. 2, dezembro. PUC-Rio, 2012.

LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTISKI, L. S. (1896-1934). Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. Tradução de Maria da Pena Villalobos. 12. ed. São Paulo: Ícone, 2014.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2018.

MALAGUZZI, L. História, Ideias e Filosofia Básica. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. (org.). As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Tradução de Dayse Batista. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda., 1999.

MAY, R. A Coragem de Criar. Tradução de Luiz Augusto Mesquita. São Paulo: Nova Fronteira., 1975.

SARMENTO, M. J.; PINTO, M. As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando o campo. Disponível em: https://pactuando.files.wordpress.com/2013/08/sarmento-manuel-10.pdf Acesso em: 1 fev. 2021.

VEIGA, I. P. A. (Re) significação do projeto político-pedagógico no projeto da cidade. Gest. Ação. Salvador, v. 8, n. 1, p. 5-124, jan. /abr. 2005.

VYGOTSKY, L. S. A Imaginação e a Arte na Infância. Tradução de Miguel Serras Pereira. Portugal: Relógio D’Água Editores, 2009, p. 9-45.

Downloads

Publicado

2023-02-28

Como Citar

MELLO, R. L. S. .; SILVA, M. T. C. da . Tecendo saberes a respeito do processo criativo na docência da educação infantil. Educação: Teoria e Prática, [S. l.], v. 33, n. 66, p. e04[2023], 2023. DOI: 10.18675/1981-8106.v33.n.66.s15809. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/15809. Acesso em: 23 jul. 2024.