“FALTA TEMPO, TEM QUE CORRER”: O TEMPO NA CONTEMPORANEIDADE E SUA CONCEPÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR

Palavras-chave: Educação Infantil, Tempo, Aceleração do tempo

Resumo

Este artigo retrata reflexões de uma pesquisa que investigou a aceleração do tempo na contemporaneidade e como esse movimento permeava a escola. A investigação é advinda de uma pesquisa de mestrado que contou com a participação de duas professoras e aproximadamente 50 crianças, observadas durante todo o ano letivo de 2017. Desta maneira, este estudo utiliza uma base teórica e filosófica para entender o movimento do tempo na atualidade e suas repercussões no contexto escolar. Notamos que essa aceleração do tempo, marco da sociedade contemporânea, já recai nas crianças numa antecipação do que elas são capazes de fazer. Dessa forma, é necessário atentarmos-nos às relações entre as crianças e seus pares e entre as crianças e os adultos, que são bases de um sistema educativo de qualidade. É imprescindível, também, desacelerar, para prestar mais atenção nos detalhes e nas singularidades.

Referências

AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2014.

BAUER, R. C.; PANOSSO NETTO, A.; TRIGO, L. G. G. Princípios do Slow Movement: reação ao descompasso entre ritmos sociais e biológicos. Revista de Estudos Culturais. Universidade de São Paulo (ECAH/USP) São Paulo, 2015.

CARVALHO, A. F. A escola: uma maquinaria biopolítica de rostidades? Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, Brasília, n. 2. p. 4-29, maio/out. 2013.

CARVALHO, A. F.; CAMARGO, A. C. Guattari e a topografia da máquina escolar. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 107-124, jan./abr. 2015. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v17i1.8634821. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/etd/article/view/6457. Acesso em: 29 abr. 2015.

DELEUZE, G. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. São Paulo: Editora 34, 1992.

DUQUE, E. “Contributos para uma crítica da aceleração do tempo”. In: ARAUJO, E.; DUQUE, E. (org.). Os tempos sociais e o mundo contemporâneo. Um debate para as Ciências Sociais e Humanas. Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade/Centro de Investigação em Ciências Sociais, 2012.

DUQUE, E. É possível sair do presente? Uma teoria prospectiva. In: ARAÚJO, E.; DUQUE, E.; FRANCH, M.; DURÁN, J. (ed.). Tempos Sociais e o Mundo Contemporâneo - As crises, As Fases e as Ruturas. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho. p. 154 -169, 2014.

EHRENBERG, A. Rumo a uma empresa pós-disciplinar? In: EHRENBERG, A. O culto da performance. Da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida, SP: Letras & Letras, 2010.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge, 1998

FURLAN, S. A. Diário de Campo: registro da coleta de dados. 2017.

GUTIÉRREZ, M. F. Tempos, Contratempos E Passatempos: Um estudo sobre práticas e sentidos do tempo entre jovens de grupos populares do Grande Recife. 2008. 315 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

HAN, B. C. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015

HONORÉ, C. Devagar. São Paulo: Editora Record, 2002.

LARROSA, J. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas, editora Autêntica, 2016. 208 p.

MAIA, A. F. Universidade e aceleração: celeridade, despolitização e semiformação no trabalho acadêmico. In: CARDOSO, C. M. (org.). Universidade, poder e direitos humanos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016. p. 45-58.

MATTOS, O. O mal estar na contemporaneidade: performance e tempo. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 4, p. 455-468, dez. 2008.

NAIGEBORIN, M. B. O Movimento devagar e seu significado plural na contemporaneidade mutante. 2011. 122 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PELBART, P. P. Biopolítica. Sala Preta, São Paulo, USP, v.7, n.1, p. 57-66, 2007.

PELBART, P. P. Da claustrofobia contemporânea. In: PELBART, P.P. A vertigem por um fio. Políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras; FAPESP, 2000.

ROSA, H. Social acceleration: a new theory of modernity. Translated by Jonathan Trejo Mathys. New York: Columbia University Press, 2013.

ROSA, S. O. Os investimentos em “capital humano”. In: ROSA, S. RAGO, M.; VEIGA-NETO, A. Para uma vida não-fascista. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2009.

SÊNECA, L. A. Aprendendo a viver. Tradução de Lúcia Sá Rabello e Ellen Irtanajara N. Vranas. Porto Alegre, L&PM, 2010.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Editora Record, 13. ed., 2008.

SILVA, D. J. Temporalidade do presente e o governo da vida. In: CARDOSO, C. M. (org.). Universidade, poder e direitos humanos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016. p. 59-73.

TURCKE, C. A cultura do déficit de atenção. In: PUCCI, B. et al. (org.). Teoria crítica na era global. São Paulo: Nankin, 2016.

VIÉGAS, L. S. Reflexões sobre a Pesquisa Etnográfica em Psicologia e Educação. Diálogos Possíveis, Salvador, v. 6, n. 1, p. 102-123, jan./jun. 2007.

WANDERLEY, E. D. Entrevista especial: Hartmut Rosa. Diário de Pernambuco. Pernambuco, 14 de abril de 2014, Entrevista especial, p. 3. A3.

Publicado
2020-06-30