EDUCAÇÃO FÍSICA E JOGOS ELETRÔNICOS: UMA PROPOSTA EDUCATIVA PARA AS AULAS

Palavras-chave: Educação física. Escola. Jogos de Vídeo. Tecnologia Educacional.

Resumo

Este estudo verificou se os exergames podem ser considerados uma proposta educativa para a participação dos alunos nas aulas de Educação Física na cidade de Teresina, Piauí. O estudo caracterizou-se como pesquisa-ação assegurada por dados quantitativos e foi realizado com a participação de 22 alunos do 7° ano e 36 do 9° ano de uma escola pública localizada na cidade de Teresina-PI, composto por intervenção em aula e aplicação de questionário não estruturado antes e após a intervenção. A pesquisa aconteceu em três fases: observação e avaliação diagnóstica; planejamento das aulas e intervenção; avaliação das atividades. Após a utilização dos exergames, a estratégia mostrou-se com grande nível de aceitação por parte dos alunos como agente dinamizador e motivador dos conteúdos nas aulas de Educação Física. O trabalho ainda é limitado devido aos poucos estudos encontrados, mas é evidente que os professores precisam estar abertos ao novo e necessitam de capacitações e estudos sobre o uso das tecnologias digitais, pois elas se encontram presentes no dia a dia de muitos dos seus alunos. Os dados do presente estudo demonstram que, em uma escola da cidade de Teresina-PI, os exergames foram responsáveis pelo aumento significativo da participação dos alunos de 7º e 9º anos do ensino fundamental nas aulas de Educação Física. Além disso, os jogos virtuais foram bem aceitos enquanto proposta educativa a ser utilizada durante as aulas.

Referências

ALLEN, N. E. et al. An interactive videogame for arm and hand exercise in people with Parkinson's disease: A randomized controlled trial. Parkinsonism & Related Disorders, n. 41, p. 66-72, 2017.

ANDRADE, T. E.; TASSA, KOME. Motivação nas aulas de Educação Física no ensino médio. Revista Digital Buenos Aires, v. 20, n. 203, p. 1-7, 2015.

BARBIER, R. A Pesquisa-Ação. Trad. Lucie Didio. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.

BARACHO, A. F. O.; GRIPP, F. J.; LIMA, M. R. Os Exergames e a Educação Física Escolar na Cultura Digital. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 34, n. 1, p. 111-126, 2012.

BEHM-MORAWITZ, E.; LEWALLEN, J.; CHOI, G. A Second Chance at Health: How a 3D Virtual World Can Improve Health Self-Efficacy for Weight loss Management Among Adults. Cyberpsychology, Behavior and Social Networking, v. 19, n. 2, p. 74-79, 2006.

BRASIL. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017 pdf&Itemid=30192. Acesso em: 8 dez. 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física – Brasília (Brasil): MEC/SEF; 1997.

CAPARRÓZ, A. S. C.; LOPES, M. C. P. Desafios e perspectivas em ambientes virtuais de aprendizagem: inter-relações, formação tecnológica e prática docente. Educação, Formação e Tecnologias, v. 1, n. 2, p. 50-58, 2008.

CHICATI, K. C. Motivação nas aulas de educação física no ensino médio. Revista da Educação Física, v. 11, n. 1, p. 97-105, 2000.

COLLADO-MATEO, D. et al. Effects of Exergames on Quality of Life, Pain, and Disease Effect in Women with Fibromyalgia: a randomized controlled trial. Archivos Physiscal Medicine Rehabil, v. 98, n. 9, p. 1725-1731, 2017b.

COLLADO-MATEO, D. et al. Exergames for women with fibromyalgia: a randomised controlled trial to evaluate the effects on mobility skills, balance and fear of falling. Peer Journal, v. 20, n. 5, p. 3211, 2017a.

DALEY, A. J. Can exergaming contribute to improving physical activity levels and health outcomes in children? Pediatrics, v. 124, n. 2, p. 763-771, 2010.

DARIDO, S. C. Implicações para a Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 293, 2005.

GOMES, K. R. Possibilidades do uso do exergames na educação física. 2014. 105 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Tiradentes, Sergipe, 2014.

GRAVES, L. E. et al. The physiological cost and enjoyment of Wii Fit in adolescents, Young adults, and older adults. Journal of Physical Activity & Health, v. 7, n. 3, p. 393-401, 2010.

HAYES, E.; SILBERMAN, L. Incorporating vídeo games into physical education. Journal of Physical Education, Recreation & Dance, v. 78, n. 3, p. 1-58, 2007.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo (SP): Perspectiva. 1996.

KENSKI, V. M. O impacto da mídia e das novas tecnologias de comunicação na educação física. Revista Motriz, v. 1, n. 2, p. 129-133, 1995.

KLOMPSTRA, L.; JAARSMA, T.; STRÖMBERG, A. Exergaming to increase the exercise capacity and daily physical activity in heart failure patients: a pilot study. BMC Geriatrics, v. 18, n. 14, p.119, 2014.

LANNINGHAM-FOSTER, L. et al. Energy expenditure of sedentary screen time compared with active screen time for children. Pediatrics, n. 118, p. 1831-1835, 2006.

LARA, L. M.; PIMENTEL, G. G. A. Resenha do Livro os Jogos e os Homens: a Máscara e a Vertigem, de Roger Caillois. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, v. 27, n. 2, p. 179-185, 2006.

LIERBERMAN, D. A. What can we learn from playing interactive games? In: VORDERER, P.; BRYANT, J. (org.). Playing video games: Motives, responses, and consequences. 2006. p. 379-397.

OBLINGER, D. The next generation of educational engagement. Journal Interactive Media Education, n. 8, p. 1-18, 2004.

PATEL, V. L. et al. Cognitive and learning sciences in biomedical and health instructional design: a review with lessons for biomedical informatics education. Journal of Biomedical Informatics, n. 42, p. 176-197, 2009.

PIZANI, J. et al. (Des)motivação na educação física escolar: uma análise a partir da teoria da autodeterminação. Revista Brasileira de Ciências do Esporte v. 38, n. 3, p. 259-266, 2016.

TENÓRIO, J. G.; SILVA, C. L. O desinteresse dos estudantes pelas aulas de educação física em uma escola de ensino público do estado de Mato Grosso. Salusvita, v. 34, n. 1, p. 27-44, 2015.

TOKUYOCHI, J. H. et al. Retrato dos professores de Educação Física das escolas estaduais do estado de São Paulo. Revista Motriz, v. 14, n. 4, p. 418-428, 2008.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443-466, 2005.

VAGHETTI, C. A. O.; BOTELHO, S. S. C. Ambientes virtuais de aprendizagem na educação física: uma revisão sobre a utilização de Exergames. Ciências & Cognição. v. 15, n. 1, p. 76-88, 2010.

VAGHETTI, C. A. O.; VIEIRA, K. L.; BOTELHO, S. S. C. Cultura digital e Educação Física: problematizando a inserção de Exergames no currículo. Revista Educação: Teoria e Prática, v. 26, n. 51, p. 3-18, 2016.

Publicado
2021-03-15