A climatologia escolar pela óptica de Aroldo de Azevedo nos livros didáticos O Mundo em que vivemos (1967) e Terra brasileira (1968)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18675/1981-8106.v33.n.66.s17260

Palavras-chave:

Climatologia. Ensino de Geografia. Livro Didático. Currículo. Geografia Escolar.

Resumo

Aroldo de Azevedo foi um importante autor brasileiro de livros didáticos de Geografia. Sua produção bibliográfica se deu entre as décadas de 1930 e 1970 e suas obras didáticas influenciaram gerações de alunos e professores. Neste artigo, apresenta-se uma leitura da climatologia escolar veiculada pelo professor Azevedo em dois livros didáticos de Geografia de sua autoria, os quais, embora distintos, são partes da mesma coleção. O autor apresenta uma climatologia bastante conceitual, com muitas imagens para ilustrar as informações contidas no texto. A despeito de alguns equívocos conceituais, nota-se esmero no tratamento das questões do clima. Duas tendências da climatologia enquanto ciência de referência se mesclam na explanação dos registros da Geografia escolar: de um lado, a climatologia estática, mais tradicional e de cunho separatista, e, de outro, a climatologia dinâmica, com algumas inovações no tratamento do clima, em que se busca compreender a gênese dos fenômenos atmosféricos. Entre essas duas diferentes epistemes, sobressai uma visão bastante sui generis do autor a respeito da climatologia escolar, em especial da tropicalidade brasileira.

Referências

AZEVEDO, A. Em defesa da Geografia. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, n. 168, ano XX, p. 291-294, maio/jun. 1962.

AZEVEDO, A. O Mundo em que vivemos. 5. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967.

AZEVEDO, A. Terra brasileira. 41. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968.

BARRY, R. G.; CHORLEY, R; J. Atmosfera, tempo e clima. 9. ed. Tradução de Ronaldo Cataldo da Costa. Porto Alegre: Bookman, 2013.

CARVALHO JUNIOR, I. J.; MORAES SOBRINHO, A. P. A perpetuação de mitos no pensamento geográfico: a ideia das influências ambientais e a falsa dicotomia determinismo/possibilismo. Revista da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (Anpege), v. 13, n. 22, p. 164-197, set./dez. 2017.

CHERVEL, A. L'histoire des disciplines scolaires. Réflexions sur un domaine de recherche. Histoire de l'éducation, n. 38, p. 59-119, 1988.

FERREIRA, M. S.; SELLES, S. E. Análise de Livros Didáticos em Ciências: entre as Ciências de Referência e as Finalidades Sociais da Escolarização. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 8, n. I e II, p. 63-78, 2004.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução de Federico Carotti. 2. ed. 7. impressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

GOMES, P. C. C.; BERDOULAY, V. Imagens na Geografia: importância da dimensão visual no pensamento geográfico. Cuadernos de Geografia, v. 27, p. 356-371, 2018.

GOODSON, I. F. A construção social do currículo. Tradução de Maria João Carvalho. Lisboa: EDUCA, 1997.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. Petrópolis, RJ. Vozes, 1995, p. 140.

HANN, J. Handbook of Climatology. London: McMillan and Co., Ltd., 1903, p. 2-3.

HOBSBAWN, E., RANGER, T. A invenção das tradições. Trad. Celina Cardim Cavalcanti. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. 316p.

LESTEGÁS, F. R. Concebir la geografía escolar desde una nueva perspectiva: una disciplina al servicio de la cultura escolar. Boletín de la A.G.E., n. 33, p. 173-186, 2002.

MONTEIRO, C. A. F. A dinâmica climática e as chuvas no estado de São Paulo: estudo geográfico sob a forma de atlas. São Paulo: Instituto de Geografia da Universidade de São Paulo, 1973.

MONTEIRO, C. A. F. A frente polar atlântica e as chuvas de inverno na fachada sul-oriental do Brasil (Contribuição metodológica à análise rítmica dos tipos de tempo no Brasil). São Paulo: Instituto de Geografia da Universidade de São Paulo, 1969 (Série Teses e Monografias nº 1).

MONTEIRO, C. A. F. Da necessidade de um caráter genético à classificação climática (Algumas considerações metodológicas a propósito do estudo do Brasil Meridional). Revista Geográfica, Instituto Pan-americano de Geografia e História, XXXI, n. 57, 1962.

NERY, J. T.; CARFAN, A. C. Glossário de termos técnicos em meteorologia e climatologia. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

PÉDELABORDE, P. Introduction à l’étude scientifique du climat. Paris: Société d’édition d’enseignement supérieur, 1970.

ROSS, J. L. S. Relevo brasileiro: uma nova proposta de classificação. Revista do Departamento de Geografia, v. 4, p. 25-39, 2011. Disponível em https://doi.org/10.7154/RDG.1985.0004.0004. Acesso em: 15 dez. 2021.

SANT’ANNA NETO, J. L. As matrizes da construção da Climatologia Geográfica brasileira. In: MONTEIRO, C. A. F. (org.). A construção da climatologia geográfica no Brasil. Campinas: Editora Alínea, 2015.

SANTOS, M. Por uma Geografia Nova: Da crítica da Geografia a uma Geografia crítica. 6. ed. São Paulo: EDUSP, 2004.

SANTOS, W. A obra de Aroldo de Azevedo – uma avaliação. 1984. 98 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, São Paulo, 1984.

SERRA, A.; RATISBONNA, L. As ondas de frio da Bacia Amazônica. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, n. 26, ano III, p. 172-204, maio, 1945.

SORRE, M. Les fondements de la Géographie Humaine. Tome Premier – Les fondements biologiques. Essai d’une écologie de l’homme. Livre Premier – Le Climat et l’homme. Paris: Librairie Armand Colin, 1951.

Downloads

Publicado

2023-11-01

Como Citar

MELLO, B. F. de .; PEZZATO, J. P. A climatologia escolar pela óptica de Aroldo de Azevedo nos livros didáticos O Mundo em que vivemos (1967) e Terra brasileira (1968). Educação: Teoria e Prática, [S. l.], v. 33, n. 66, p. e51[2023], 2023. DOI: 10.18675/1981-8106.v33.n.66.s17260. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/17260. Acesso em: 13 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>