A mídia e a educação científica: uma discussão sobre a cobertura da reforma do código florestal brasileiro pela Folha de S. Paulo

  • Elizabeth Moraes Gonçalves Universidade Metodista de São Paulo – UMESP
  • José Antonio Bonato Universidade Metodista de São Paulo – UMESP
Palavras-chave: Comunicação. Ciência. Linguagem. Discurso. Mídia.

Resumo

O texto objetiva levar à reflexão sobre a importância do conhecimento científico para tomadas de decisões nos diferentes setores da sociedade, e sobre o compromisso da mídia em não restringir-se à cobertura factual, mas contribuir para o processo educacional. A reforma do Código Florestal brasileiro recebeu em 2011 atenção tanto no Congresso Nacional quanto na mídia. Deputados brasileiros aprovaram a proposta que prevê a ampliação do desmatamento sem ouvir os cientistas a respeito. A medida prejudica a meta brasileira de controle das emissões de gases que acentuam o efeito estufa. O jornal Folha de S.Paulo defendeu, em editoriais, a alteração da legislação e somente opinou a favor da manifestação dos cientistas depois que a medida tinha sido aprovada. A sociedade ficou à margem dessa discussão, pois não se construiu um conhecimento científico capaz de propiciar um entendimento sobre o significado de tal reforma e as consequências ambientais que afetam diretamente a vida no planeta. Este artigo analisa a cobertura da Folha de S.Paulo acerca dessa reforma do Código Florestal brasileiro do ponto de vista da Análise do Discurso e conclui que o contrato de leitura entre jornal e leitores revelou-se inadequado, pois se esperava mais análise e reflexão de temas de tamanha importância.

Biografia do Autor

Elizabeth Moraes Gonçalves, Universidade Metodista de São Paulo – UMESP
Doutora em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo – UMESP. Docente e Pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Metodista de São Paulo – UMESP.
José Antonio Bonato, Universidade Metodista de São Paulo – UMESP
Mestrando em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo – UMESP.
Publicado
2012-08-03
Seção
Artigos