Verdade, mentira ou apenas um caso de poesia? A produção imaginária cultivada na escola

  • Rita de Cássia Cristofoleti Universidae Estadual de Campinas
  • Cláudia Beatriz de C. Nascimento Ometto Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: práticas pedagógicas, mediação, linguagem, imaginação, criação

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar uma prática pedagógica na qual alunos de um quarto ano do Ensino Fundamental viveram um processo criativo mediado pela leitura da literatura procurando compreender até que ponto, a produção imaginária é cultivada na escola. O referencial teórico adotado foi a perspectiva Histórico-Cultural de desenvolvimento humano que considera que quanto mais rica for a experiência social e cultural da criança, mais possibilidades existirá de criação e de imaginação, portanto, cabe a escola possibilitar meios de desenvolvimento da criação aos seus alunos. O episódio recortado para análise faz parte da coleta de dados de uma das pesquisadoras durante o percurso de mestrado. Metodologicamente, a pesquisa de cunho qualitativo documentou as relações de ensino vividas por uma professora e seus alunos através de audiogravação e anotações em diário de campo. Também foram tomados como dados os planos de ensino da professora e as atividades produzidas pelos alunos. Conclui-se que o ato de criação e o lugar do imaginário como condição essencialmente humana, pela mediação da linguagem, pode ter lugar na escola ao mesmo tempo em que as práticas pedagógicas podem constituir-se como novas formas de participação das crianças na cultura.

Biografia do Autor

Rita de Cássia Cristofoleti, Universidae Estadual de Campinas
Doutorando na Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas
Cláudia Beatriz de C. Nascimento Ometto, Universidade Estadual de Campinas
Professora do Departamento de Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte (DELART) da Faculdade de Educação - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Publicado
2016-04-29
Seção
Artigos